Softwares livres oferecem mais segurança e melhor custo-benefício

Programas de código aberto são muito mais do que aplicativos gratuitos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/09/2015 08:00

	Minervino Junior/CB/D.A Press


Em uma era em que a vida do ser humano depende cada vez mais da tecnologia, é importante tomar cuidados fundamentais. Garantias de segurança e a liberdade de poder escolher, entender e alterar aquilo que se usa são apenas alguns dos motivos que levam usuários a substituírem programas proprietários por aplicativos e sistemas operacionais de código aberto. Os chamados softwares livres são cada vez mais comuns em empresas e oferecem ao usuário final mais segurança a um custo-benefício praticamente imbatível.

O desenvolvedor Anísio Neto, 27 anos, utiliza softwares livres há mais ou menos 10 anos e conta que se interessou por esse tipo de tecnologia porque queria aprender linguagens novas. “Com os programas livres, o usuário tem acesso ao código e consegue ver tudo o que acontece. No caso dos soft-wares proprietários, a gente simplesmente os usa”, explica. Anísio utiliza os programas diariamente, tanto no trabalho quanto em casa. “Acho muito mais produtivo e útil. Além de não ter custo, é possível ver o código por baixo, fazer alterações, melhorias”, completa.

Segundo Nathaniel Simch, mestre em computação aplicada pela Universidade de Brasília (UnB), para que um software seja considerado livre, ele precisa estar habilitado sob uma licença livre. “Uma das grandes características que envolve esse software é o desenvolvimento comunitário. Enquanto empresas têm uma quantidade limitada de funcionários para desenvolver seus programas, um software livre, normalmente, possui seu código fonte disponibilizado em algum local na internet, permitindo que qualquer pessoa possa colaborar com correções e implementação de novas funções.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.