PORTUGAL

Seis bons motivos para fazer compras quando você for a Lisboa

Em meio a construções históricas e modernas, o comércio de rua e os grandes outlets são destaques para quem faz turismo na capital portuguesa e quer gastar alguns euros

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/08/2015 09:00 / atualizado em 07/08/2015 15:05

Visit Lisboa/Divulgação

Tomar um bom vinho, comer o famoso pastelzinho de Belém e conhecer locais como o Monumento aos Descobrimentos, o Mosteiro dos Jerônimos e a Torre de Belém, além de diversos museus e palácios, estão na programação de qualquer turista que vai a Lisboa. Entretanto, a capital portuguesa vai muito além dos clichês e, como uma boa metrópole, oferece opções para os mais variados gostos. Uma delas é fazer compras.


A cidade conta com um extenso comércio de rua, com diferentes tipos de produtos, de suvenires a alta costura, ideal para quem gosta de comprar enquanto aprecia a arquitetura lisboeta mais antiga. Um bom exemplo é a tão comentada Rua Augusta, uma das mais movimentadas da capital e que abriga o arco triunfal, na parte norte da Praça do Comércio.

A proximidade entre os bairros, com muitos cafés e restaurantes no meio do caminho, faz com que o ato de caminhar entre as lojas seja muito mais agradável. Mas se o que você procura são roupas e calçados a preços atraentes, conheça também os shoppings e outlets de Lisboa, que estão entre os maiores da Europa. O Turismo selecionou alguns desses locais para você ficar de olho na próxima viagem à Portugal. Confira.

Wikimedia/Divulgação

Avenida da Liberdade
O caminho das compras em Lisboa começa na famosa Avenida da Liberdade. O local é sinônimo de luxo, prestígio, elegância e exclusividade — a via é considerada a 35ª mais cara do mundo e a 10ª mais luxuosa. O espaço sofisticado reúne vitrines das principais marcas de luxo internacionais, como Louis Vuitton, Prada, Dolce & Gabbana, Gucci, Tod’s, entre outras.

Além disso, não deixe de observar as magníficas fontes e esplanadas bem conservadas. Ligando a Praça dos Restauradores, a Sul, à Praça Marquês de Pombal, a Norte, com 1.273m, a avenida foi reconstruída entre 1879 e 1882, após o terremoto que destruiu boa parte da Baixa Lisboa, à semelhança dos Champs-Élysées de Paris (França). Nas últimas décadas, muitas das construções originais foram substituídas por modernos edifícios de escritórios e hotéis. Mas a Avenida detém, ainda, interessantes exemplares da arquitetura do fim do século 19 e início do século 20.

Carolina Braga/Divulgação

Chiado
Quem chega ao bairro do Chiado encontra a história e a tradição portuguesas misturadas a novas tendências e conceitos da moda. O local é considerado uma região trendy e fashion, onde convivem as marcas nacionais (como a pioneira Ana Salazar) e internacionais, com lojas premium e mass-market (mercado de massa). Palco de eventos emblemáticos, como o Vogue Fashion's Night Out, é um dos principais centros de comércio e de artes da capital portuguesa. Localizado entre o Bairro Alto e a Baixa Pombalina, conta com diversos monumentos que valem a pena observar. Um deles é a estátua em bronze do poeta Fernando Pessoa, no Café A Brasileira (Rua Garret, 120). Passe, também, pelas ruínas do Convento do Carmo.

 

Wikimedia/Divulgação

Rua Castilho
O sucesso da Rua Castilho é fruto da união dos principais lojistas agrupados no conceito “Castilho Fashion Street”. É uma via moderna e cosmopolita, que apresenta um dinamismo comercial bem característico, onde predominam as melhores marcas e lojas de grifes internacionais, sobretudo de moda feminina. Lá, você encontra as tradicionais Chanel, Valentino, Balenciaga e Roberto Cavalli, por exemplo, mas também se depara com boas surpresas, como a inglesa Karen Millen (de vestidos de festa) e a espanhola Hoss Intropia.

Wikimedia/Divulgação

Baixa
A Baixa Pombalina é a região comercial mais antiga de Lisboa, onde se misturam lojas de suvenires e de moda e acessórios, como roupas e sapatos. Locais como a famosa Rua Augusta, que é uma das vias de maior tráfego de pessoas da cidade, e o emblemático Terreiro do Paço concentram o comércio tradicional e lojas com as últimas tendências. A região abriga, ainda, uma grande diversidade de artigos comerciais encontrados em ruas simbólicas como as Ruas do Ouro, da Prata, dos Bacalhoeiros e dos Sapateiros, entre outras.

Também nascida das ruínas do terremoto de 1755, seguido de um incêndio, a Baixa foi redesenhada em uma escala moderna (para a época) e funcional, ligada ao pragmatismo do ministro de dom José I, o Marquês de Pombal — por isso o nome Pombalina. A região não se caracteriza pela magnitude dos edifícios, mas, sim, pela harmonia do conjunto, com ruas perpendiculares de onde se vislumbra o Rio Tejo.

Wikimedia/Divulgação

Príncipe Real

O boêmio, alternativo e chique bairro Príncipe Real vem ganhando muito destaque nos últimos cinco anos, devido aos investimentos realizados para inovar e ofertar aos turistas espaços e conceitos comerciais charmosos, elegantes e de identidade única. O lugar, repleto de ateliês, galerias e lojas de antiguidades, tem uma localização estratégica. Ela contribui para a expansão e promoção dos negócios dos investidores nacionais e internacionais, que vislumbram o crescimento do número de turistas e a mudança de hábitos de consumo dos lisboetas.

O bairro, apesar de essencialmente residencial, entrou para o mapa das compras mais “descoladas” da capital. O Embaixada Hall, por exemplo, é um espaço que passou a reunir lojas de design, de moda e ambientes gastronômicos. Além disso, o Príncipe Real se destaca pelas boates voltadas ao público LGBT.

Wikimedia/Divulgação

Freeport Designer Outlet
O Freeport é um outlet localizado em Alcochete, com 120 lojas, sendo um dos maiores da Europa. Ele abriga grandes grifes, como Calvin Klein, Lacoste, Carolina Herrera, Gant, Boss, Levis, Escada, Vista Alegre, Swatch, entre outras. Além disso, prepara-se para ganhar novas marcas internacionais ao longo do segundo semestre de 2015.

O outlet recebe muitos turistas durante o ano todo, que vão atrás de promoções que podem variar entre 60% e 80% em relação ao preço fixo dos produtos. Se você estiver no centro de Lisboa, basta pegar o transporte diário Pack Freeport Outlet Shuttle, que sai da praça Marquês de Pombal e custa 10 euros. Ele inclui as passagens de ida e volta e um cartão com desconto de 10% em algumas lojas.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.