Publicidade

Estado de Minas JOGOS

Aposte na diversão e conheça alguns dos cassinos mais visitados no mundo

A paixão pelo jogo move turistas por todo o mundo. Mesmo que você não seja um fã de pôquer, blackjack, roleta, 21 ou caça-níqueis, vale a pena conhecer muitos desses locais


postado em 23/08/2015 10:00 / atualizado em 21/08/2015 21:01

A atmosfera é sempre vibrante, os visitantes se vestem com elegância, há muitas conversas paralelas, alguns sons de comemoração e, por vezes, um silêncio inesperado que termina com aplausos. O clima dos cassinos espalhados pelo mundo é quase sempre o mesmo — o de festa. Para quem gosta de jogar e pode gastar, as opções são variadas: desde os jogos de carta, como blackjack, 21 e pôquer, passando pelas roletas, pelos dados até as tradicionais máquinas caça-níqueis. Com sorte — ou, dependendo do jogo, com estratégia —, você sai com mais dinheiro do que entrou. Para quem não quer apostar, os ambientes elegantes e barulhentos valem a visita, e há quem coloque essas casas no topo do roteiro, ao conhecer um novo destino.

O empreendedor digital João Eduardo Duque, 29 anos, conhece cassinos dos Estados Unidos, da Argentina e do Uruguai, mas, mesmo quando está no Brasil, alimenta sua paixão pelo jogo. “Tenho um site especializado em pôquer que organiza torneios e oferece partidas on-line”, explica. Quando viaja, aproveita para visitar os cassinos locais, seja apenas por diversão — quando está em cruzeiros, por exemplo —, seja para competir. “Participei duas vezes do World Series of Poker, o principal campeonato mundial do ramo, que acontece em Las Vegas.”

Na cidade norte-americana, os cassinos favoritos do jogador são o Rio All-Suite Hotel & Casino, o Bellagio Hotel and Casino e o Aria Hotel & Casino. “O primeiro, onde acontece o WSOP, eu gosto muito pela movimentação e pelo fluxo de jogadores importantes. Os outros dois têm espaços mais reservados para os jogos, o que é muito agradável. E todos são muito confortáveis e luxuosos”, conta. para quem planeja começar a jogar pôquer em cassinos, João recomenda procurar algum torneio, em vez de apenas escolher uma mesa. “Assim, você tem um primeiro contato legal, que dura algumas horas e conhece muita gente.” Mas é preciso ficar de olho no bolso. As inscrições para competir, dependendo da categoria, vão de US$ 50 a US$ 10 mil. Confira algumas sugestões de cassinos para você conhecer.

(foto: Wikimedia/Divulgação)
(foto: Wikimedia/Divulgação)


Macau
Conhecida como a Las Vegas do Oriente, a cidade chinesa já ultrapassou a receita da concorrente americana e ganhou o título de Capital Mundial do Jogo. Com mais de 30 casas de aposta, a antiga colônia portuguesa localizada no sul da China hoje vive com a economia baseada no turismo e nos jogos. Desde 1999, quando Macau voltou ao controle chinês, tem crescido, em média, 12,5% ao ano, com PIBs recordes e alta geração de empregos.
Ainda há, claro, influências do passado, como o centro histórico português do século 16, declarado Patrimônio Cultural da Humanidade, e o cassino inspirado no país colonizador: o Grand Lisboa, um dos mais tradicionais, com quatro andares. Lá também estão os cassinos de grandes redes de Vegas, como o MGM, o Venetian e o Four Seasons. Outro local que oferece cassinos atraentes é Cingapura.

Las Vegas
Na “cidade do pecado”, não há como fugir dos cassinos. Máquinas caça-níqueis já estão à espera dos visitantes no desembarque do aeroporto. Em qualquer hotel da Strip (região que fica na Las Vegas Boulevard, a principal via) haverá um local para os jogos. Como tática para laçar os hóspedes, você provavelmente passará pelo cassino para chegar ao quarto, o que é uma experiência muito interessante, já que eles funcionam 24 horas e sempre tem gente jogando. Todos podem circular pelo ambiente, mas apenas maiores de 21 anos podem jogar.

Segundo a Las Vegas Convention and Visitors Authority, 72% dos turistas apostam em cassinos durante sua estadia em L.A. e cada um gasta uma média de US$ 530 (hoje, cerca de R$ 1.855), jogando 2,6 horas por dia. Os jogos favoritos são, máquinas caça-níqueis, blackjack e videopôquer.

Entre os clássicos, está o Venetian Resort Hotel Casino, inspirado em Veneza (tem um rio artificial com gôndolas para passear). No alto, diversos lustres, detalhes em ouro e teto com a pintura do céu azul cheio de nuvens, como se sempre fosse dia do lado de dentro. A sala de pôquer é feita para que o visitante se sinta um alto apostador, mesmo que a conta bancária lhe mostre a realidade. Ao contrário do também luxuoso Bellagio (que apresenta um show de água nas fontes), as exclusivas Bobby Room e Club Prive têm um limite alto de aposta, mas é possível apenas observar os lances na televisão. Não deixe de visitar o Caesars Palace Hotel & Casino e o MGM Grand Hotel e Casino.

Se você prefere os mais modernos, uma boa opção é o sofisticado Cosmopolitan, onde há um gigantesco lustre de cristal no lobby, que chama a atenção dos transeuntes. Mas, se prefere curtir uma autêntica festa na piscina, um clássico de Vegas, confira a programação da Marquee, que fica no topo do hotel, a céu aberto.

Omais novo hotel da Strip, o descolado The Link, tem uma roda-gigante. Inaugurado há dois anos, oferece um visual clean. Em Vegas há motivos e decorações para todos os gostos, como o espalhafatoso, Harrah’s. Já no Paris (que ostenta uma réplica da Torre Eiffel na frente), mulheres de lingerie dançam em cima dos balcões.

Ainda nos Estados Unidos, você também pode encontrar cassinos em Atlantic City e Nova Orleans.

(foto: Latin Poker Series/Divulgação)
(foto: Latin Poker Series/Divulgação)


Lima
Na capital peruana, o foco dos cassinos é o turista — muitos vão até esses estabelecimentos para trocar seu dinheiro por soles, a moeda local, já que, andando pelas ruas, é mais fácil se deparar com cassinos do que com casas de câmbio. No bairro de Miraflores ficam as duas casas de jogos mais famosas: Fiesta, onde ocorrem vários shows e apresentações; e Atlantic City, que já recebeu uma etapa do Latin American Poker Tour. Se preferir se hospedar onde haja um lugar para jogar, fique no Marriot e divirta-se com mais de 200 máquinas caça-níqueis, roleta, mesa de pôquer e bingo. Ainda na América do Sul, há bons cassinos em Puerto Iguazu, Mar del Plata (Argentina) e Punta del Este (Uruguai).

(foto: Ocean Sun Casino/Divulgação)
(foto: Ocean Sun Casino/Divulgação)


Cidade do Panamá
Em todo o Caribe, são comuns os hotéis que oferecem grandes e luxuosos cassinos. Para quem é adepto, República Dominicana, Bahamas, Aruba, Curaçao, St. Martin e Porto Rico são velhos conhecidos. O destaque, agora, vai para o novíssimo Ocean Sun Casino, inaugurado em outubro do ano passado no Trump Ocean Club International Hotel & Tower, no Panamá. Pertencente ao grupo sul-africano Sun International, a área exclusiva Panaviera faz desse o primeiro cassino premium do país. O diretor-geral, Robert Brassai, afirmou que o turista brasileiro é um dos focos do cassino, pois apenas em fevereiro de 2015, gastou US$ 1,47 bilhão em viagens internacionais.

(foto: Conrad Punta del Este/Divulgação)
(foto: Conrad Punta del Este/Divulgação)


Punta Del Este
Cassinos são algumas das principais atrações da cidade durante todo o ano. O maior espaço para jogar está no Hotel Conrad, à beira-mar, que oferece vantagens e mimos para os jogadores mais frequentes. O hotel dá jantares e hospedagem com desconto para os mais cobiçados clientes, que gastam alguns milhares de dólares por rodada. Quem deseja realizar grandes apostas com discrição tem direito a salas exclusivas.

O cassino, com 75 mesas no salão comum, tem mais de 600 máquinas caça-níqueis. A casa também recebe com atenção o público amador, pouco familiarizado com mesas de Black Jack — também conhecido como 21 — ou pôquer. Há uma variedade imensa de jogos e podem-se ter rápidas aulas com os crupiês antes de se arriscar. Vale a pena se permitir uma tarde (ou noite) de jogatina, ainda que seja nas máquinas, apenas pela diversão. O maior prêmio entregue nessa modalidade foi de quase 300 mil dólares, com aposta de 90 dólares feita por uma argentina.

Em 2013, o grupo chileno Enjoy adquiriu o controle do cassino e investiu 20 milhões de dólares em reformas e modernização para conquistar um público mais jovem. A abertura da boate e do restaurante OVO tem transformado o ambiente em ponto de encontro da juventude.

Os chilenos do Enjoy também se interessam por atrair brasileiros para os cassinos em seu país. Atualmente, o mercado brasileiro é o principal em importância para o Conrad Punta del Este, tendo uma representação anual de mais de 70% no hotel. Cerca de 12 mil pessoas passam pelo cassino do Conrad, por dia, durante a alta temporada. Nos outros meses, a média cai para 5 mil visitantes diariamente. Há outros cassinos na cidade, como o Mantra, autodeclarado o primeiro cassino butique da América do Sul, localizado em um bosque de nove hectares.

 

Black Jack
Jogo de cartas cujo objetivo é ter a maior pontuação da mesa, sem ultrapassar os 21 pontos. As cartas são distribuídas e a cada rodada você pode pedir, ou não, ao crupiê que lhe entregue outras, com risco de ultrapassar os 21 pontos e sair perdedor. O símbolo mais valioso é o ás, que pode valer 11 pontos, a depender das outras cartas na mão. Ganha quem tem mais pontos que a banca, abaixo dos 21.

» Stand: É quando o jogador não deseja mais cartas.

» Hit: sinal para entregar mais cartas ao jogador.

Texas Hold’em poker

As regras do pôquer podem variar. A modalidade Sem Limites significa que, a qualquer momento durante o jogo, um jogador que ainda esteja ativo pode apostar qualquer quantia, até o limite de suas fichas. Podem ter de dois a oito jogadores, com duas cartas para cada participante inicialmente.
» Dealer: no início da rodada, um jogador é nomeado o dealer, ele pode ver as apostas de todos os jogadores antes de fazer a sua.

» Correr: significa desistir da rodada.

» Pagar: o jogador iguala sua aposta à maior aposta em vigor na mesa.

» Mesa: quando o jogador decide não apostar nada na sua vez.

» Straight flush: sequência de cinco cartas do mesmo naipe.

» Quadra ou poker: quatro cartas do mesmo valor.

» Full-house ou full-hand: uma trinca e um par.

» Flush: cinco cartas do mesmo naipe, porém fora de sequência.

» Sequência: cinco cartas em sequência com, ao menos, uma de naipe diferente das outras.

» Trinca ou set: três cartas do mesmo valor.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade