SERVIÇO

Se você tem dificuldade na hora de fazer as malas, leia essas dicas

Para muitos, arrumar a bagagem é o maior desafio da viagem. Saiba como escolher o melhor modelo, o que levar (ou não) e otimize o espaço

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/09/2015 10:00

Laisa Queiroz /

Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press

Viajar é quase sempre sinônimo de relaxamento e diversão. Mas os preparativos podem ser motivo de angústia para muitos. Principalmente no momento de decidir o que levar na bagagem. As roupas e os calçados adequados, produtos de uso pessoal e, principalmente, espaço para trazer as lembranças. Quem leva uma vida nômade (mesmo que temporariamente) precisa de organização. A estudante de nutrição Priscilla Kury, 24 anos, passou um ano e cinco meses morando nos Estados Unidos. Morou em Tempe, no Arizona, depois em Honolulu, no Havaí. Além dos estudos e das viagens feitas no país — por locais como o Grand Canyon, Las Vegas, Califórnia, Nova York, Miami e Orlando — ela também fez muitas compras. Trazer o novo guarda-roupa para o Brasil não foi fácil.

“Minha mãe foi me visitar no natal do ano passado e trouxe uma mala cheia de coisas minhas, principalmente roupas e acessórios. Mesmo assim, quando voltei de vez, em agosto deste ano, ainda tinha muito para trazer”, conta. A primeira medida foi se desfazer de parte do vestuário. Aquilo que usava menos, deixou por lá. A mãe de Priscilla voltou para os Estados Unidos e, juntas, podiam trazer quatro malas de 32kg, cada, segundo as regras da empresa aérea. Ainda assim, as roupas não cabiam.

A solução encontrada foi usar sacos a vácuo (daqueles que você tira o ar com um aspirador de pó) para guardá-las. “Vale muito a pena, principalmente para guardar casacos de inverno. Dá para fazer caber quase o dobro de coisas na mala. Só não recomendo jeans, pois não sai muito ar.”

Para ter certeza de que não pagaria taxa extra de bagagem no aeroporto, Priscilla comprou uma balança portátil e pesou todas as malas. “Quem tem a intenção de fazer compras, os sacos a vácuo e a balança são a melhor alternativa para não passar aperto”, garante.

O essencial

A blogueira de viagens e autora do e-book Viaje Leve (que ensina a arrumar a bagagem e está disponível no www.sosviagem.com.br) Louise Elali, 31, explica que o preparo da mala ideal começa pela escolha do equipamento. “Prefiro as de tecido, por serem expansíveis e fáceis de encaixar as peças. Escolho as coloridas,  com estampas, para facilitar o reconhecimento na esteira.”

Depois, é a hora de escolher o que levar — especialmente para quem tem dificuldade de andar com pouco. “Minha dica é colocar tudo em cima da cama para visualizar quais peças combinam entre si. Descarte as que não dão muitas possibilidades”, aconselha. Cores neutras ajudam a combinar e, para mudar a “cara” da roupa, Louise aposta nos acessórios. “Opte por tecidos que não amassam.” No inverno, leve apenas um casaco pesado, que você pode ir vestindo, e use cachecóis para variar o look.

Ao guardar camisetas, Louise ensina a colocá-las em rolinhos. Já calças, vestidos e camisas sociais devem ficar esticadas, com poucas dobras. Os calçados devem estar em sacos plásticos. “O mesmo vale para os cosméticos, para evitar acidentes, caso quebrem ou estourem. Para ganhar espaço, podem ser guardados dentro dos sapatos.”

Aos que costumam trazer bebidas, um alerta: a mala deve estar cheia para que a garrafa não se mexa muito lá dentro. “Você pode guardar em um plástico e, depois, envolver em roupas mais grossas, como moletons. Mas quem tem esse hábito pode considerar comprar produtos específicos, como porta-garrafas ou, ainda, malas com espaços dedicados a elas”, diz Louise.

 

Solução à mão

Além da mala despachada, é preciso pensar no que levar dentro da cabine do avião. Documentos, chaves, dinheiro, medicamentos e eletrônicos (como celular, carregador e notebook) devem ir na bagagem de mão. Mas, para eventuais emergências, como o extravio da mala, é interessante levar mais alguns itens. “Pense em tudo o que você não pode ficar sem. Aconselho a levar, pelo menos, três trocas de roupa íntima, uma camiseta, uma calça jeans e pashmina ou malha para não passar frio”, diz a personal organizer Carol Martins.

Para quem vai fazer uma viagem rápida, como as pessoas que vão a negócios e não querem despachar bagagem para economizar tempo, é preciso atenção: a mala não pode ter mais que o peso e o tamanho permitidos pela companhia — mas dá para levar uma bolsa ou uma mochila pequena junto à mala. “Procure saber qual é o máximo de líquido permitido a bordo. Muita gente acaba tendo que jogar fora perfumes caros, por exemplo, na hora do embarque. O ideal é comprar cosméticos que já venham em embalagens pequenas ou comprar potes específicos para viagens, vendidos em perfumarias”, alerta.

Carol lembra que, antes de fazer a mala, é bom pesquisar se o hotel oferece produtos como secador de cabelo. “Se for levar o seu, veja qual é a voltagem da cidade.” Para homens que vão em um dia e voltam no outro, ela aconselha levar duas camisas brancas, duas gravatas (que não fazem volume), três cuecas, dois pares de meias, uma malha de lã, um pijama e acessórios do dia a dia, como desodorante e barbeador. O terno e os sapatos podem ser repetidos no dia seguinte.

Para mulheres, o ideal é levar produtos de higiene e cosméticos, curativos (já que o sapato pode machucar o pé), três calcinhas, um pijama, uma calça extra (ou saia com meia calça), uma sapatilha (para descansar do salto) e blusas que não amassem. “Caso seja necessário levar camisas, guarde-as abertas, evitando fazer muitas dobras. No hotel, se não houver ferro de passar ou se você preferir, coloque as camisas em um cabide e deixe no banheiro, pois o vapor da água quente do banho ajuda a desamassar.” 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.