AVENTURA

Conheça cinco trilhas do litoral brasileiro em que o percurso acaba no mar

Conheça trilhas com diferentes níveis de dificuldade para fazer no litoral brasileiro. De Santa Catarina ao Rio Grande do Norte, os trajetos e as paisagens são de tirar o fôlego

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/10/2015 19:30 / atualizado em 01/10/2015 19:30

Caminhar por longas distâncias pode valer a pena quando a recompensa é uma bela paisagem. No Brasil, não faltam opções de trilhas — perto da cidade ou em redutos interioranos, o que mais importa, na caminhada, é a disposição. Não se esquecer de levar água e lanches nutritivos para repor as energias, além de vestir roupas leves e calçados adequados, é o mandamento principal de qualquer um que decidir se aventurar na natureza. O Turismo preparou uma lista para iniciantes e aventureiros mais experientes — a recompensa, em todas elas, é o azul do mar.



Wikimedia Commons/Divulgação

Topo do Morro das Aranhas (Florianópolis)
O Morro das Aranhas divide as praias do Santinho e do Moçambique em Florianópolis, e é considerado a “esquina” de Santa Catarina. A trilha que vai até o cume do morro é curta, (tem 1,4km de extensão) e o nível de dificuldade é médio, por conta do terreno íngreme. No topo, a altura máxima é de 255 metros. De lá, é possível observar as Praias do Moçambique, Barra da Lagoa, a Lagoa da Conceição ao sul e os morros da Praia da Armação, há mais de 35km de distância dali. Durante a caminhada, é bom prestar atenção onde pisar (e se apoiar): é comum a presença de animais peçonhentos — não só aranhas, mas cobras. Parte do percurso é feita em meio às dunas. Por causa da temperatura da areia, que aumenta ao longo do dia, a dica é fazer o trajeto de calçado fechado.


Sebastião Vicente/CB/D.A Press - 5/3/04

Caminho do Camaleão (Tibau do Sul)

Esse é o melhor caminho para chegar à Praia do Madeiro, localizada em Tibau do Sul (RN). A dica é acordar cedo para ir ao local nas primeiras horas da manhã. Ao fim do trajeto, a recompensa será ver golfinhos nadando livremente no mar. Como sugere o próprio nome, a trilha tem muitas mudanças de cor, clima e visual ao longo de seus 600 metros. O percurso é de dificuldade média e é feito em meio à Mata Atlântica. Há banheiros e água disponíveis no caminho, e o acesso custa R$ 10 por pessoa.

Regina Helena/Travel Experiences/ Reprodução

Mirante do Caeté (Rio de Janeiro)

Para fazer essa trilha, basta ir até a Área de Proteção Ambiental da Prainha, a Praia de Grumari, na cidade do Rio de Janeiro. O percurso tem cerca de 880m, é bem sinalizado e cercado por encostas recobertas de Mata Atlântica. Com duração média de 30 minutos, a trilha tem trechos de vegetação intactos. Dá para observar espécies ameaçadas de extinção. Do mirante, é possível ver a Praia da Macumba, a Pedra do Pontal, o Recreio dos Bandeirantes e a Barra da Tijuca. Ao longe, o Gigante Adormecido, figura composta pelas montanhas, onde a Pedra da Gávea é o nariz de um homem.

Trilhas de São Paulo/Reprodução

Trilha do Mirante (São Paulo)
Para quem mora em São Paulo, observar o mar é incomum, mas não para quem faz a Trilha do Mirante. De lá, é possível apreciar a paisagem do litoral sul do estado. A vista inclui trechos dos municípios de Praia Grande e Mongaguá, além da Laje de Santos — formação rochosa que integra o Parque Estadual Marinho Laje de Santos e a Ilha das Cobras. A trilha, de nível médio de dificuldade, tem 2,6km de extensão e leva cerca de duas horas para ser percorrida.

Mochilando América/Reprodução

Prainha (Itacaré)
Para chegar até uma das mais belas praias da Bahia, a recomendação é contratar um guia. Com duração média de 40 minutos, o percurso tem bifurcações e inclui a travessia de uma cachoeira. É preciso pagar cerca de R$ 5 para cruzar a porteira de acesso à praia, escondida numa reserva particular. Ao fim do trajeto, a recompensa é o mar: a Prainha é cercada por morros cobertos de vegetação e exibe um vasto coqueiral ao longo da areia.


Com informações de Rafaella Panceri

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.