Rio 2016

Lei sancionada pela presidente permite isenção de visto durante a Olimpíada

Medida pode incrementar em 20% o número de turistas estrangeiros esperados para as competições, que ocorrerão entre janeiro e setembro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/11/2015 12:51 / atualizado em 27/11/2015 15:43

Erick Barros Pinto/Divulgacao
 

 

A presidente da República, Dilma Rousseff, sancionou o Projeto de Lei nº149/15, que estabelece que os ministérios do Turismo, da Justiça e das Relações Exteriores poderão definir, por meio de portaria conjunta, a isenção excepcional e unilateral de vistos de países com forte tradição olímpica, que já realizaram jogos e que não oferecem riscos migratórios e ameaça à segurança nacional, durante o período da Olimpíada.

 

A medida pode resultar em um incremento de 20% no número de turistas internacionais esperados no país no período de janeiro até setembro de 2016, segundo estimativas do Ministério do Turismo. “Agradeço à presidenta Dilma que, de maneira responsável, aprovou esse projeto tão importante para o turismo brasileiro. O próximo passo agora é elaborar a portaria. Nossa proposta é incluir os Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão, países com forte tradição olímpica”, comemorou o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves.

 

Os cálculos do MTur têm como base estudos da Organização Mundial de Turismo (OMT) e do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), órgão que reúne as principais redes hoteleiras e companhias aéreas do mundo. As entidades internacionais avaliaram o impacto da facilitação de vistos no aumento dos fluxos de turistas entre países e a geração de empregos nas economias do G-20, grupo que reúne as maiores economias do mundo. De acordo com o texto, a dispensa unilateral da exigência de visto de turismo é válida por 90 dias e atenderá estrangeiros que entrarem em território nacional até 18 de setembro de 2016.

 

Com informações do Ministério do Turismo

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.