MINAS GERAIS

Tiradentes leva à descoberta das origens, cultura e gastronomia brasileira

A cidade que homenageia o mártir brasileiro preserva sua história contada por meio das ruas de pedras, das igrejas banhadas a ouro, dos casarões coloniais, do artesanato e da culinária

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/05/2016 20:00 / atualizado em 04/05/2016 12:24

Kelsen Fernandes/Fotos públicas

Ruas de pedras, igrejas barrocas, casarões coloniais, atrativos turísticos e muita história para contar. Ainda há bons restaurantes, pousadas charmosas, lojas e ateliês de artesanato, iguarias da culinária mineira e a tranquilidade típica de um lugarejo interiorano. Para completar, montanhas e cachoeiras fazem com que a paisagem ímpar sempre deixe nos visitantes a vontade de retornar. Assim é Tiradentes, uma das mais belas cidades históricas de Minas Gerais.

 

O lugar está em evidência. Primeiro, porque será roteiro de passagem da Tocha Olímpica, em 15 de maio. Segundo, por ser a cidade onde viveu Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, enforcado após liderar um movimento para emancipar o Brasil de Portugal. A história é lembrada na novela global Liberdade, Liberdade, que tem como protagonista a filha do mártir, Joaquina.

 

FCGT/Divulgação

Além de uma arquitetura incrível e de remeter a uma parte importante da história do país, Tiradentes tem festivais muito interessantes: de cinema, gastronomia, fotografia, música instrumental, artes, vinho, jazz, cultura, literatura e cervejas artesanais (confira quadro). Sem contar as festas locais populares, como o encontro de congado e a festa do tropeiro. Mas, mesmo se não houver nenhuma programação especial na cidade, vale passar uns dias ou ao menos um fim de semana por lá.

 

Para conhecer a cidade, é preciso explorar bem o Centro Histórico. Caminhe bastante, mas use um calçado baixo e confortável. Resquícios do ciclo do ouro podem ser vistos, principalmente, na Igreja Matriz de Santo Antônio, o principal cartão-postal da cidade. Considerada uma das mais preservadas entre os exemplares barrocos e também uma das igrejas mais antigas do Brasil, a construção chama a atenção por sua fachada pintada de branco e amarelo, onde há esculturas atribuídas a Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho.

Passeio olímpico
A Tocha Olímpica passará por todos os estados do país e 328 municípios até chegar à sede da competição, o Rio de Janeiro, em 5 de agosto.

 

A fé resiste ao tempo

Karina Fusco/Esp. CB/D.A Press

O turista não deve conhecer a matriz apenas por fora. Construída entre 1710 e 1732, a parte interna da igreja é ainda mais admirável. Espalhados por altares, capela-mor e esculturas, são, ao todo, 482 quilos de ouro que saltam aos olhos dos visitantes. Outro destaque é um órgão português em estilo rococó, de 1788. O ingresso custa R$ 5. Há a opção da visita noturna aos fins de semana, que conta a história da igreja em um espetáculo de som e luz. Nesse caso, o ingresso custa R$ 10. Aproveite que a igreja está no ponto alto da cidade para admirar e fotografar a paisagem voltada para a Serra de São José.

 

Há mais oito igrejas e capelas que valem a visita, assim como o Museu da Liturgia, que tem em seu acervo 420 peças ligadas ao catolicismo dos séculos 17 a 20, que foram restauradas, e também instalações audiovisuais e terminais multimídia. O local funciona de quinta a segunda-feira e cobra R$ 10 de entrada. Outras joias do Centro Histórico são as lojinhas, galerias, empórios, cachaçarias e excelentes bares e restaurantes, onde é possível provar o famoso frango caipira com ora-pro-nóbis, uma hortaliça que faz muito sucesso na culinária local, cujo nome significa “rogai por nós”.

 

» Para saber mais

Zuleika de Souza/CB/D.A Press

1702: A história da cidade teve início quando o bandeirante paulista João de Siqueira Afonso localizou filões de metais preciosos na região do Rio das Mortes e fundou o Arraial Velho de Santo Antônio, que posteriormente viria a ser Tiradentes. Naquele período, o Ciclo do Ouro estava em expansão em Minas, com a fundação de diversos arraiais em localidades onde eram encontradas riquezas naturais.

 

1718: Elevação do arraial à condição de Vila de São José del Rei. Segundo informações históricas, o nome “São José” era uma homenagem ao príncipe português dom José I. Desde a fundação, o arraial se expandiu aos poucos, pois constituía uma das rotas comerciais existentes e, com isso, ganhou importância no cenário das Minas.

 

1860: A Vila de São José del Rei foi elevada à categoria de cidade. Com a presença do poder imperial no Brasil, qualquer menção a Tiradentes e seus companheiros de Inconfidência Mineira podia ser encarada como uma ameaça à monarquia no país. Seria preciso que os ares republicanos permitissem nova alteração no nome do local.

 

1899: Após a proclamação da República, o alferes Joaquim José da Silva Xavier (Tiradentes), antes considerado um inimigo do Império, foi transformado em herói nacional e homenageado com o nome da bela cidade.

 

1938: O charmoso conjunto arquitetônico da cidade de Tiradentes foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em um período cujo nacionalismo estava em alta.

 

Fonte: Tiradentes Virtual

 

Programe-se

Confira os principais eventos que atraem turistas a Tiradentes:

Kelsen Fernandes/Fotos públicas

 

» 6/5 a 15/05 — 4º Tiradentes em Cena - Mostra de Teatro de Tiradentes

» 3/6 a 12/6 — 4º Tiradentes Vinho e Jazz Festival

» 22/6 a 26/6 — BikeFest Tiradentes

» 17/7 – III Encontro de Congado Nossa Senhora do Rosário e Escrava Nastácia

» 26/8 a 4/9 — Festival de Cultura e Gastronomia

» 1/9 a 5/9 — Felit – Festival de Literatura São João del-Rei e Tiradentes

» 8/9 a 18/9 — Festival Artes Vertentes

» 19/9 a 21/9 — Experimente – Feira de Cervejas Artesanais

» 23/9 a 25/9 — X-Terra

» 7/10 a 9/10 — Festa do Carro de Bois e Tropeiros

» 8/10 a 9/10 — Festival Mimo

» 10/11 a 15/11 — 8º Duo Jazz

» 3/12/16 a 6/01/17 — 2º Natal Barroco

 

Fonte: Prefeitura Municipal de Tiradentes

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.