FESTA JUNINA

Explosão de alegria em Campina Grande, no agreste da Paraíba

A cidade atrai milhares de pessoas em um dos maiores festejos de são-joão do planeta. Entre as principais atrações, neste ano, Wesley Safadão, que se apresenta em 1º de julho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/05/2016 12:37 / atualizado em 27/05/2016 14:38

PBTUR/FLICKR

Encravada numa região montanhosa, no agreste da Paraíba, Campina Grande atrai a atenção do Brasil e do mundo nesta época do ano. De 3 de junho a 3 de julho, a cidade recebe mais de 2 milhões de pessoas em uma das maiores festas populares do país. Considerado o maior São João do mundo — título reivindicado também por Caruaru, em Pernambuco —, o evento é um dos mais esperados por aqueles que curtem danças e comidas típicas juninas.

 

O palco da festa é o Parque do Povo, uma área de 43 mil metros quadrados. Não é preciso pagar para entrar. Bastam disposição e alegria para curtir as diversas atrações, entre elas, apresentações de quadrilha e shows com estrelas regionais e badaladas no Brasil, como o cantor Wesley Safadão.

 

Este ano, será a nona vez consecutiva que ele se apresenta. Safadão fala do carinho especial que tem pelo São João de Campina Grande. “A cidade inteira se envolve com a festa. São pessoas e atrações de todos os lugares. Tenho o prazer de participar desta festa há tanto tempo. Esse será o nono ano consecutivo que me apresento num lugar tão receptivo, que tem uma das maiores festas juninas do mundo”, diz. O show de Safadão será em 1º de julho.

 

Além de estrelas da música popular, tem muitas delícias típicas e artesanato. E este ano os visitantes contarão com uma nova atração chamada de “Avião do Forró”, com shows de paraquedismo de pessoas de todo o Brasil e do mundo. A economista Paula Francinete Medeiros Pessoa de Queiroz, 64 anos, mora há 38 em Brasília. Veio de Campina Grande e se lembra de quando a festa começou a ser promovida na cidade. “Era uma coisa pequena”, diz. Jamais imaginaria que as comemorações juninas da cidade se tornariam tão famosas. Ela acompanha de perto a evolução do São João de Campina Grande. E gosta tanto que vai sempre que pode para aproveitar os festejos da terra natal. “Só não vou quando não posso. A festa é muito boa, tradicional. Eu adoro, porque lá todas as pessoas são iguais, não tem diferença de classe social. Todos podem se divertir”, garante Paula, moradora do Guará.

 

Para ela, o diferencial não são os shows, alguns grandiosos. Mas sim ilhas, chamadas de coretos, onde é possível dançar o autêntico forró pé de serra, e provar as comidas típicas. “Adoro queijo coalho assado, pamonha, curau e carne de sol”, enumera a economista, que tem muitos familiares morando na cidade, incluindo a mãe.

 

Uma semana

Reporterjunino/flickr

A supervisora de loja Cirley Cristovão do Nascimento, 52, também tem parentes em Campina Grande. E eles moram atrás do Parque do Povo. Ela saiu de Brasília, onde mora, e foi duas vezes ao são-joão da cidade — em 2012 e no ano passado, e pretende voltar mais vezes. “É muito bacana. Tem gente de todo o Brasil, fica bem animado. Sem contar o friozinho gostoso”, aponta.

 

Como Brasília não tem voo direto para Campina Grande, um dos roteiros possíveis, feito por Cirley, é ir até Recife, aproveitar um pouco das praias e seguir de carro ou de ônibus para a cidade no interior da Paraíba. “O mais indicado é tirar pelo menos uma semana para aproveitar bem a festa”, assegura. Quem quiser pode ir por João Pessoa, cuja distância da festa é de menos de 140km.

 

Lugares para conhecer

O São João de Campina Grande é uma festa grandiosa não só pelo público que atrai. Movimenta muito dinheiro e envolve centenas pessoas na organização. E não custa pouco. No ano passado, a Prefeitura Municipal da cidade gastou R$ 6 milhões com as comemorações.

 

Também em 2015, a rede hoteleira local atingiu 90% de ocupação nesta época do ano. Apesar da crise econômica, a expectativa do setor é de que esse percentual atinja os 100% antes do início da festa. Isso porque os dias 3, 4 e 5 são os mais disputados pelos turistas.

 

Quem for com tempo pode aproveitar para conhecer um pouco de Campina Grande. A cidade de 400 mil habitantes, de médio porte, tem seu charme. A começar pela localização: longe do mar, mas perto das montanhas. Está a 500 metros de altitude, portanto, o clima é bem mais ameno que na capital, João Pessoa, por exemplo.

 

O Açude Velho é um dos principais cartões-postais da cidade. No seu entorno, estão bares e restaurantes e um de seus principais museus — o Museu de Arte Popular da Paraíba, conhecido como o Museu dos Três Pandeiros. Assinada por Oscar Niemeyer, a construção exibe acervos de artistas paraibanos famosos, como Sivuca, Jackson do Pandeiro e Elba Ramalho. E também conta um pouco das tradições culturais do Nordeste, como a literatura de cordel. Conheça outros pontos turísticos de Campina Grande.

 

Parque da Criança

André Violatti/Esp. CB/D.A Press

Fica ao lado do Açude Velho. Fundado em 1993, no Dia das Crianças, o maior parque da cidade tem 6.700 metros quadrados com pista para caminhada, rampa de skate, balanços e outras estruturas para crianças, além de áreas gramadas, campos de futebol de areia, quadras esportivas, pistas de bicicross, sorveterias, lanchonetes e quiosques cobertos para relaxamento. No lugar há comemorações abertas ao publico em datas importantes e programas sociais e esportivos.

 

Jackson do Pandeiro e Gonzagão

Dois dos mais míticos músicos nordestinos estão às margens do Açude Velho. Não em carne e osso, mas em forma de estátuas de bronze em tamanho real. Durante o São João de Campina Grande, eles são muito requisitados pelos turistas que vão até o local para fazer fotos ao lado dos ídolos.

 

Os Pioneiros de Borborema

Arquivo pessoal

Inaugurado no dia do centenário da cidade, em 11 de outubro de 1964, o monumento é constituído de três figuras representativas: o índio, a catadora de algodão e o tropeiro. O primeiro representa a origem primitiva da cidade e sua força de luta; a segunda, a força da mulher e o acentuado desenvolvimento industrial da cidade, gerado pelo ciclo algodoeiro; por último, o tropeiro, que personifica o comércio e a resistência do povo campinense.

 

Vila do Artesão

É o paraíso do artesanato. Um espaço para a valorização cultural e comercial de Campina Grande. Existe há seis anos.
Tem 83 lojas onde trabalham 260 artesãos. Entre elas, estão nove que são reservadas aos movimentos sociais; sete galpões para cursos de qualificação profissional; banheiros e espaço para estacionamento. Aproveite para saborear pratos típicos regionais na praça da alimentação.

 

Onde se hospedar

» Confortel Executive Universidade

(83) 3063-9200

 

» Garden Hotel

(83) 3310-4000

 

» Hotel Casa Blanca Express

(83) 3063-2680

 

» Hotel Serrano

(83) 3341-3131

 

Como chegar

» De carro ou ônibus
Saída pela BR-020 (2.237km)

 

» De avião

Acesso pelos aeroportos de Recife, João Pessoa, que são mais próximos, ou pelo terminal João Suassuna, que fica em Campina Grande.

 

Programação
Confira algumas atrações do são-joão de Campina Grande

 

» 3 de junho (abertura)
Biliu de Campina

Jairo Madruga

Flávio José

As Coleguinhas

 

» 14 de junho

Padre Fábio de Mello

Projeto Fé e Cultura

 

» 23 de junho

Iohannes

Elba Ramalho

Geraldinho Lins

 

» 1º de julho

Forró da Manha

Fabiano Guimarães

Wesley Safadão

Coco Seco

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.