AMÉRICA DO SUL

Argentina e Chile são ótimas opções para quem quer aprender a esquiar

Embarque em uma aventura pela neve em países sul-americanos. Além de estrutura completa dedicada ao esporte, as estações oferecem passeios inusitados pelas redondezas. Programe-se

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/07/2016 10:00 / atualizado em 21/07/2016 12:16

Visit Salzburgerland/Divulgação

pesar de parecer difícil para quem está acostumado a surfar na praia, jogar bola ou andar de bicicleta — atividades comuns em países quentes —, o esqui pode ser praticado por profissionais e amadores de todos os níveis e é ideal para animar as férias em família. Em julho, países do Hemisfério Sul registram temperaturas abaixo de zero e têm neve suficiente para convencer até os mais medrosos a viver uma experiência divertida no gelo. Argentina e Chile são os países mais procurados, pois têm estrutura para oferecer adrenalina nas pistas e outras atividades fora do contexto esportivo, como caminhadas, banho em águas termais e passeios de motocicleta na neve.

 

Atrativos

A proximidade e os preços baixos — em comparação com destinos nos Estados Unidos e na Europa — atraem turistas brasileiros. As baixas temperaturas também são um diferencial. Em julho, os dias são muito frios em países como o Chile. Pela manhã, a temperatura pode chegar a três graus negativos na capital, Santiago. Por ter dimensões continentais, a Argentina tem um espectro amplo de temperaturas. Em Ushuaia, sul do país, a temperatura pode chegar aos -20ºC.

 

Arquivo Pessoal

A contadora Larissa Carvalho, 24 anos, viajou para a estação de Valle Nevado, no Chile, em setembro do ano passado. O marido, esquiador experiente, sugeriu a viagem. “Foi a primeira vez que vi neve e esquiei. No primeiro dia, foi só queda. No fim, já deu para curtir bastante”. O casal ficou hospedado em um hotel da própria estação de esqui. “Foi incrível. Esquiamos durante cinco dias sem parar. Nem lembrávamos de almoçar”, afirma.


Ficou com vontade de embarcar nesta aventura? Confira algumas estações com estrutura completa, dedicadas ao esqui. Escolha a sua:

 

» Chile

Portillo
Cercada por uma rede de hotéis sofisticados, a estação tem estrutura com bares, discotecas e recreação infantil. Nas redondezas, uma bela surpresa: a Laguna del Inca, congelada no meio da Cordilheira dos Andes – cartão-postal do lugar.

» Onde ficar: Hotel Portillo. Pacote de sete noites a partir de US$ 3.950 por pessoa. Inclui passe para esquiar, aulas coletivas, aluguel de equipamentos e traslados.

» Como chegar: Nas rodoviárias de Santiago, há ônibus que levam à Mendoza. De lá, é só pegar um táxi ou alugar um carro para chegar à estação, que fica quase na fronteira entre o Chile e a Argentina. No Aeroporto Pudahuel, há translados diretos para Portillo. Mais informações: www.skiportillo.com

 

Valle Corralco

Corralco/Reprodução

Próxima ao vulcão Lonquimay, dentro da Reserva Nacional Malalcahuello-Nalcas, o complexo oferece programação fora das pistas, como excursões de snowmobile (motos próprias para andar na neve). A 7,5 quilômetros dali, a dica é descansar nas águas termais de Malalcahuello e Manzamar.

» Onde ficar: Valle Corralco Hotel & Spa. Pacote de sete noitesa partir de US$ 2.278 por pessoa. Inclui: aluguel de equipamentos e aulas coletivas de esqui.

» Como chegar: De avião, partindo do Aeroporto de Temuco (Chile), há voos que levam ao Valle Corralco. Caso prefira ir de carro, alugue no aeroporto. A viagem dura 1h30 e as estradas são bem sinalizadas. O resort oferece pacote com translados.

 

Valle Nevado

Point da Neve/Reprodução

Na Cordilheira dos Andes, a 3.200 metros de altitude, a paisagem montanhosa hipnotiza. A 60km de Santiago, o complexo tem 37 quilômetros de pistas, três hotéis, um centro comercial, bares, pubs e restaurantes.

» Onde ficar: Hotel Tres Puntas. Pacote de sete noites a partir de US$ 2.051 por pessoa. Inclui passe para esquiar.

» Como chegar: Chegando ao Aeroporto Pudahuel, em Santiago (Chile), contrate uma van no complexo ou alugue um carro. O trajeto leva cerca de 1h30.


» Argentina
Las Leñas

Las Lenas/Divulgação

Localizada na província de Mendoza, reduto de excelentes vinícolas, a estação é renomada entre praticantes de esportes de inverno, tem 29 pistas e 65 quilômetros esquiáveis. As opções de hospedagem são variadas: vão de resorts de luxo a apart- hotéis. Para se divertir, fuja para um cassino ou para baladas noturnas.

» Onde ficar: Hotel Escorpio. Pacotes de sete noites a partir de US$ 1.414 por pessoa. Inclui passe para esquiar.

» Como chegar: Como não há voos diretos do Brasil, é preciso fazer conexões em Buenos Aires ou em Santiago para chegar a Mendoza, onde fica Las Leñas. Desembarque no Aeroporto Internacional Francisco Gabrielli, em El Plumerillo. Dali, partem transfers para a estação de esqui. Outras alternativas são o Aeroporto de Malargüe (mais próximo) e o Aeroporto de San Rafael. De carro, são 1.200km saindo de Buenos Aires. Há ônibus partindo da capital às sextas e domingos.

Mais informações pelo telefone +54(11) 4819-6060 e pelo e-mail reservas@laslenas.com.

 

Cerro Catedral

Diego Gabriel/Wikimedia Commons

A estação é a mais antiga da América do Sul – existe há 70 anos e fica a 19 quilômetros de Bariloche, ponto de encontro de brasileiros no inverno da Argentina. A infraestrutura do local é completa, com lojas, restaurantes de comidas típicas da Patagônia, escolas de esqui e snowboard, shopping e até creche.

» Onde ficar: Hotel Crans Montana. Pacote de sete noites a partir de US$ 963 por pessoa. Inclui passe para esquiar e traslados.

» Como chegar: Do Aeroporto Internacional Teniente Luis Candelaria, em Bariloche, são 20km de distância até a estação de esqui. Alugue um carro, peça um táxi ou embarque nos micro-ônibus que saem a cada meia hora na alta temporada (entre junho e outubro).

 

Fique atento
Confira algumas dicas para esquiar sem traumas:
» Prepare a calça e o casaco impermeáveis e nem pense em usar várias meias comuns no pé;
» As meias devem ser feitas de um tecido especial, para que os pés fiquem quentinhos e não atrapalhem os movimentos;
» Há luvas e botas exclusivas para quem quer esquiar;
» Com os joelhos sempre flexionados, o esquiador tem de se equilibrar em uma prancha nada parecida com a de surfe, e o peso dos calçados favorece o equilíbrio do corpo;
» As estações de esqui costumam ter instrutores prontos a oferecer uma primeira aula.

 

Atenção na subida

» Para chegar ao alto da montanha onde ficam as estações de esqui, os praticantes embarcam em teleféricos. É preciso ter cuidado ao subir, pois o bondinho não faz pausas para o embarque. Na hora de descer, concentração: é preciso sair esquiando. Algumas estações fazem diferente: os esquiadores vão até o topo por meio de cabos móveis. Treine o equilíbrio: mantenha os joelhos flexionados e a coluna reta para não escorregar.

 

Principais regras
» O esquiador a sua frente tem a preferência. É de sua responsabilidade desviar-se caso seja necessário;
» Não obstrua a pista;
» Escolha pistas habilitadas para esquiar.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.