ESTADOS UNIDOS

O resplendor da gastronomia e da vida noturna da capital norte-americana

Impossível se esquivar dos imponentes monumentos da cidade, mas a culinária local também impressiona e a vida noturna, recheada de bares, convida a um bom papo com amigos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/07/2016 09:00 / atualizado em 20/07/2016 13:53

Diego Ponce de Leon/CB/D.A Press

Seja quem forem os companheiros de viagem, Washington D.C. traz uma variedade de opções para casais, famílias e turistas que preferem encarar sozinhos o destino. No que diz respeito ao orçamento, a capital norte-americana também não decepciona. O leque de possibilidades abrange todos os bolsos. Gasta-se pouco, na verdade, para desbravar a cidade.

 

Uma das melhores opções para percorrer as principais atrações talvez seja o clássico ônibus de turismo, naquele esquema de subir e descer em paradas estratégicas, uma iniciativa producente e eficaz que as empresas brasileiras ainda não implementaram com sucesso por aqui — salvo raras exceções —, mas que se tornou tão popular pelos Estados Unidos e pela Europa. No caso de D.C., onde os destaques turísticos estão relativamente próximos, o ônibus resolve bem. Os mais práticos podem fazer uso de Uber, metrô, táxi ou ainda traçar trajetos a pé.

 

Cada vez mais, a capital se destaca por conta do alto padrão da gastronomia. As possibilidades chamam a atenção pela variedade. Os jovens, por exemplo, adoram ocupar os bares e cafés da 14th Street, um dos redutos mais animados de Washington. Aos poucos, o turista percebe o apelo por frutos do mar na região, principalmente do caranguejo e das ostras, iguarias contempladas na maior parte dos estabelecimentos.

 

Quem faz questão de degustar pratos elaborados e sofisticados geralmente aposta em uma reserva no Zaytinya, na 9th Street, que surpreende com um cardápio mediterrâneo comandado pelo chef José Andrés, um dos mais renomados nomes da gastronomia americana e hoje considerado uma influência na vida cultural de D.C. A reportagem, inclusive, teve o privilégio de receber o chef espanhol — radicado nos Estados Unidos — à mesa. Ele fez questão de averiguar se tudo corria bem.

 

A vida noturna da cidade se restringe, majoritariamente, aos bares. A conversa descontraída em torno de uma boa taça de vinho ou de uma cerveja gelada se mostra uma escolha recorrente entre turistas e residentes, a exemplo dos concorridos Policy e Hank’s Oyster Bar, que, como o nome antecipa, destaca-se pelas ostras dos mais variados tamanhos, sabores e origens.

 

» Onde se hospedar

The Carlyle Hotel

Diego Ponce de Leon/CB/D.A Press

Washington D.C. oferece os mais variados hotéis e albergues, para todos os gostos e bolsos. O Carlyle Hotel, por exemplo, se revela uma boa pedida para quem viaja com um orçamento moderado, com diárias em torno de US$ 200. O hotel fica em uma deliciosa área residencial, oferece acomodações confortáveis e conta com uma equipe solícita e simpática. A degustação de vinhos ao fim da tarde, um diferencial dos hotéis da Rede Kimpton, sempre cai bem.

 

Four Seasons

Internet/Reprodução

Aqueles dispostos a gastar um pouco mais podem recorrer às luxosas acomodações do Four Seasons, uma das mais prestigiadas redes de hotéis do mundo. A filial de D.C. é a primeira do conglomerado e faz jus à fama da rede, sendo o único hotel da capital norte-americana a receber cinco estrelas. As diárias começam en US$ 500, aproximadamente, e chegam à bagatela de US$ 18 mil, caso o viajante opte pela suíte presidencial. Hóspedes e visitantes podem, ainda, usufruir do Spa do hotel. De longe, o melhor da cidade.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.