SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

FIM DE ANO

Conheça as curiosas simpatias de ano-novo praticadas mundo afora

Cada país tem rituais para atrair energias positivas no Réveillon. Inspire-se nos costumes de cada um e escolha o seu cantinho para receber 2017

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/11/2016 09:00 / atualizado em 07/11/2016 18:23

A. Matheus/Wikimedia Commons

Quem é supersticioso não dispensa uma simpatia de ano-novo para garantir que tudo corra bem a partir do primeiro dia de janeiro. Tem de tudo: é preciso ser criterioso na escolha da cor da roupa (inclusive a íntima) e dar preferência a comidas especiais, como lentilha e uvas, para garantir fartura e prosperidade. A lista de rituais não termina aí — pular sete ondinhas ajuda a mandar embora as energias negativas. Guardar uma folha de louro na carteira promete uma guinada na vida financeira.

 

Essas tradições são clássicas no Brasil, mas caso vá passar o Réveillon em outro país, é melhor ficar por dentro das simpatias mais praticadas no lugar. Na Venezuela, por exemplo, as chances de viajar mais no ano seguinte podem aumentar com uma atitude simples: tirar as malas do armário. À meia noite, os venezuelanos dão uma volta na rua carregando bolsas vazias. Acredita-se que isso atraia muitas viagens no futuro. Os mais supersticiosos apostam na dobradinha: malas vazias e dinheiro dentro do sapato. Isso mesmo! Mas precisa ser dólar. Para fechar os rituais de ano-novo, é costume escrever uma lista de coisas chatas que aconteceram no último ano e queimá-la.

 

Inesquecível

 M. Celeste Rabbat/Wikimedia Commons

Um dos destinos mais famosos da Venezuela — no Réveillon e em qualquer outra data —  é Los Roques, região de praias incríveis em pleno mar do Caribe. O arquipélago fica a 170km da costa e é promessa de uma passagem de ano inesquecível. Há voos diretos saindo de Caracas e a maioria dos pacotes de viagem inclui as experiências obrigatórias por lá. As atrações principais são ilhas, acessíveis de barco.

 

» Los Roques

Pacotes turísticos a partir de R$3.380 por pessoa

 

Na Ilha Francisqui,quem adora snorkelling vai se esbaldar nas piscinas naturais. Em Madrisquí, é possível encontrar praias desertas – exceto pelos alcatrazes, gaivotas e guaramares. Em Noronqui, o destaque é uma lagoa com formação de corais. Crasqui encanta com águas calmas, ideais para momentos relaxantes. Convencido a passar o ano-novo fora do país? O Turismo selecionou passeios e simpatias para testar em várias partes do mundo.

 

» Dinamarca

Stig Nygaard/Flickr

Encontrar louças quebradas na porta de casa no dia 1º de janeiro é sinal de popularidade para os dinamarqueses. É comum guardar um prato que você não quer mais para quebrá-lo na casa de um grande amigo no último dia do ano. Apesar da tradição um pouco fora do comum, os dinamarqueses celebram o ano-novo de maneira bem semelhante à dos brasileiros. Festas e shows de fogos de artifício são fáceis de encontrar. Algumas atrações turísticas de Copenhague, como a Praça City Hall e a Ponte Rainha Louise, são pontos de encontro tradicionais. O parque de diversões Jardins de Tivoli funciona na véspera do ano-novo e proporciona aos visitantes um dos shows pirotécnicos mais famosos da cidade.

 

» Canadá

Jennifer Stahn/Infotel Multimedia

Os canadenses parecem não se importar com a temperatura da água, que vai abaixo de zero nessa época do ano. Para eles, o melhor jeito de fazer promessas de ano-novo ou encontrar motivação para cumprir metas antigas é mergulhando nas águas congelantes de rios, lagos e até do mar — em qualquer canto, de preferência o mais próximo. Em Toronto, centenas de pessoas mergulham no lago Ontario. Em Montreal, Otawa e Vancouver, o banho é organizado por clubes. O mergulho do urso polar, nome dado à festa canadense e a mergulhos em água fria em qualquer parte do globo, acontece em 1º de janeiro e é um evento bastante animado. Você pode ir fantasiado ou arriscar vestir traje de banho.

 

» Finlândia

Tavasalla/Divulgacao

No Réveillon finlandês, a tradição é derreter miniaturas de ferraduras e despejar o material em baldes de água fria, que faz o metal esfriar e solidificar. Acredita-se que o formato das peças diga algo sobre o futuro. As previsões costumam ser positivas: saúde, riqueza e felicidade para o ano que virá. As comidas típicas para enfrentar uma noite inteira de festa incluem a Tentação de Jansson, uma caçarola de batata, cebola, peixe, farinha de rosca e creme. A diversão fica por conta dos fogos de artifício, que brilham na Praça do Senado de Helsinque. O clássico brinde com champanhe, à meia-noite, não pode faltar.

 

» Escócia

Cat Burton/Flickr

O fim de ano tem direito a festival no país, o Hogmanay, homenagem à cultura viking. Uma das tradições do evento é um tanto quanto perigosa. As pessoas fazem malabarismo com bolas de fogo de quase um metro de diâmetro, compostas por arame, jornal velho, galhos e retalhos. Antes da meia noite, é hora da preparação. Depois da virada do ano, as pessoas caminham pelas ruas mais importantes de cidades escocesas, como Edimburgo e Stonehaven, e giram as bolas fumegantes ao redor do corpo. Os mais cautelosos apostam em tochas. Em Edimburgo, o 1º de janeiro é marcado pelo Lony Dook, evento perfeito para curar a ressaca do dia anterior. A proposta é nadar no Rio Forth e passar por baixo da ponte Forth Rail. Como a água é congelante, também vale um mergulho rápido.

 

» Cuba

Ruth Rico/Flickr

Para dar adeus ao ano velho, os cubanos têm uma tradição bem semelhante à malhação de Judas, no Brasil. Familiares e amigos se reúnem para montar um boneco de pano com o rosto do vilão da novela ou de alguma outra personalidade odiada. O passo seguinte é queimar o boneco, que representa toda a negatividade do ano que está acabando. As comemorações terminam com um jantar, com comidas típicas, como carne de porco, feijão preto e mandioca ao molho. Nessa época do ano, o balneário de Varadero é uma ótima opção de destino. Além de relaxar nas praias de águas cristalinas, o turista pode aproveitar as noites movimentadas da região. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.