SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

ESPÍRITO SANTO

Padre José de Anchieta dá fama a cidade capixaba onde escolheu viver

O município de Anchieta é um lugar para se encontrar com Deus, com o próximo e consigo mesmo - seja no santuário, seja no mar. Vale pelo menos um dia de visita

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/01/2017 09:00 / atualizado em 04/01/2017 18:30

Tadeu Bianconi/Setur

Anchieta fica a 70km ao sul de Vitória, tem 23 praias e diversas cachoeiras, mas ficou conhecida como a última cidade escolhida pelo Padre José de Anchieta para viver. Quem deseja se aprofundar na história do sacerdote deve ir ao Santuário Nacional de São José de Anchieta. O espaço reúne um museu e um templo, erguidos e frequentados pelo padre.

 

Devoção à parte, aproveite a faceta histórica do passeio, começando pelos primórdios da fundação de diversas cidades. José de Anchieta fundou o município capixaba — antes, Rerigtiba —, em 1565, e participou da instauração de vários outros, como São Paulo e Rio de Janeiro.

 

A cidade tem um evento famoso em nível nacional: os Passos de Anchieta, que ocorre no aniversário de morte do sacerdote. São quatro dias de caminhada ao longo de 100km, saindo da Catedral de Vitória em direção ao Santuário. Em 2017, a peregrinação está marcada para o período entre 15 e 17 de junho. Quem vai também se deleita com a paisagem, já que o caminho passa pela costa sul espírito-santense.

 

Para saber mais

» A Associação Brasileira dos Amigos dos Passos de Anchieta (ABAPA) oferece suporte aos andarilhos: de pacotes de hospedagem a transporte de bagagem.

 

Museu e templo

Rafaella Panceri/Esp. CB/D.A Press

A visita guiada pelo Santuário Nacional de Anchieta é uma viagem no tempo pela história da Igreja Católica e da sociedade espírito-santense entre os séculos 16 e 20. Além de roupas de sacerdotes, imagens de santos, ostensórios e relicários, há objetos encontrados em uma escavação arqueológica: cerâmicas indígenas, louças portuguesas e moedas. Uma peça importante é o Cristo em Terracota. O padre Anchieta teria usado o objeto durante a catequização, no século 16. No pátio interno há um jardim escavado, onde dá para observar restos mortais humanos. O lugar, hoje em ruínas, foi cemitério da cidade.

 

A última parte do passeio inclui um templo construído por indígenas. Apesar de antiquíssimo, o lugar tem Wi-Fi grátis. Para utilizar o serviço, é preciso fazer check-in no Santuário pelo Facebook. É a estratégia dos administradores para divulgar o espaço e atrair mais turistas. Atrás do altar, os visitantes podem ver como a igreja foi erguida: com pedras, conchas e óleo de baleia.

 

Para saber mais

Santuário Nacional de Anchieta

» Aberto todos os dias das 8h às 17h

» Ingressos a R$ 10 a inteira e R$ 5 a meia

 

Hora do banho de mar

Rafaella Panceri/Esp. CB/D.A Press

Para refrescar corpo e alma, nada como um mergulho. Anchieta tem praias como Marvila, Balanço e Ubu, onde a vegetação nativa está preservada. Maimbá tem falésias. Em Castelhanos, quiosques e bastante movimento são regra no verão. Iriri é todo charme. O balneário é formado pelas praias da Areia Preta, Costa Azul, Namorados e Santa Helena. O quarteto é chamado de Caribe capixaba.

 

Onde ficar

Hotel Espadarte

» Em frente à Praia da Areia Preta, na Rua Anchieta nº 2, Iriri

» Diárias a partir de R$ 280 para duas pessoas na alta temporada

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.