SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

FÓRMULA 1

Foi dada a largada: aproveite as corridas para conhecer outros países

O Mundial de Fórmula 1 é uma das competições mais conhecidas do mundo e circula por quase todos os continentes. É uma boa opção para fazer turismo e acompanhar os grandes prêmios

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/04/2017 10:00 / atualizado em 05/04/2017 16:26

Marwan Naamain/AFP

O Campeonato Mundial de Fórmula 1 é uma competição com um charme diferente de outras modalidades. Tanto pela história e o glamour que envolve o automobilismo quanto por realizar competições em diversas cidades pelo globo. Cada uma com histórias e encantos diferentes. Todo fã de corrida sonha em assistir a um grande prêmio ao vivo, e nada melhor que acompanhar o circo da F1 e poder “turistar” por aí.


Ao todo, são 20 grandes prêmios em quatro dos cinco continentes. Como as provas ocupam apenas o fim de semana — na sexta-feira ocorrem os treinos livres; no sábado, o treino classificatório e no domingo, a corrida — é possível se programar e chegar uns dias antes para passear e aproveitar a região. Existem corridas tão encantadoras que por si já fazem a viagem valer a pena. Há casos em que  a região é que dá charme à competição.

É possível rodar o mundo acompanhando o campeonato. Desde a clássica Mônaco, passando pela moderna Singapura e pelo “ferrolho” europeu (Áustria, Inglaterra, Hungria), além de Bahrein, Rússia, Japão, Estados Unidos, México, Brasil, entre outros. A competição deste ano começou na Austrália e vai até 26 de novembro em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Mesmo quem é menos ligado ao esporte acaba se encantando ao acompanhar um GP in loco. É o caso do estudante Lucas Xavier, 22 anos. Ele assistiu ao Grande Prêmio da Hungria em 2015. Na época, Xavier morava em Budapeste e foi convencido por amigos a ir à corrida. “A Fórmula 1 não é meu esporte favorito e tinha receio de que no autódromo não fosse bom de acompanhar, pois na tevê é possível ver tudo”. Para surpresa do estudante, a corrida foi muito boa. “Foi bem emocionante, teve de tudo, batidas, disputas acirradas e muitas ultrapassagens”, lembra.

Pelo tempo passado no país, Lucas aconselha a ficar em Budapeste e só no fim de semana ir para Mogyorod, a cerca de 21,2km de distância e onde ocorre o GP. “A capital, além de ser muito bonita, é barata. Transporte público, comida, atrações, é tudo em conta”. Ainda segundo o estudante, em apenas três dias é possível conhecer bem a cidade. “Por não ser muito grande e o transporte público funcionar bem, em menos de uma semana dá para dizer que conheceu a capital húngara”, afirma Xavier.

Arquivo Pessoal


Se até quem não se importa muito com esportes automobilísticos fica animado ao ver uma corrida in loco, imagina quem é aficionado. Para o publicitário Alex Hurtado, 32 anos, foi um sonho poder assistir a um GP no autódromo. “Sou fã de Fórmula 1 desde criança e nunca tinha visto ao vivo. Para mim, foi uma experiência sensacional”. Ele acompanhou de perto o Grande Prêmio da Austrália em 2013 e 2014. Segundo Hurtado, a melhor parte é o som que os carros fazem. “Eu só ouvia falar do barulho. É muito diferente quando você está lá, ao vivo. Mesmo quando estava fora do autódromo, dava para saber que era um F1”, lembra.

Alex morou na capital australiana, até por isso pode acompanhar os dois GPs. Como fã do esporte, ele pretende ir a outros Grandes Prêmios. “Quero assistir a alguma corrida noturna, como a de Singapura. Outro que eu gostaria de ir é o do México, pelo país e por ser mais perto”. Sobre a cidade, segundo ele, quem a visita não pode deixar de tomar um café. “Pouca gente sabe, mas Melbourne foi eleita o município com o melhor café do mundo. Quem gosta, não pode deixar de ir em uma cafeteria da cidade. A culinária também é um atrativo local”, aconselha.

O Turismo selecionou alguns dos grandes prêmios que, além da competição, podem se tornar um excelente passeio turístico, confira:

 

Europa

O meio do ano, verão no Velho Continente, é um período atípico no calendário da Fórmula 1. A época concentra grandes prêmios em países próximos. A F1 passará por Azerbaijão (25/6), Áustria (9/7), Inglaterra (16/7), Hungria (30/7), Bélgica (27/8) e Itália (3/9). Em julho, tempo de férias escolares no Brasil, é uma boa oportunidade para acompanhar três GP’s seguidos e ainda passar quase um mês na Europa.

Pelo espaço de tempo, uma boa alternativa é começar pela Áustria, passar pela Inglaterra e terminar na Hungria. Passagem aérea de Brasília para Viena fica em torno de R$ 2.732 (com planejamento, é possível encontrar preços melhores). Chegando na capital austríaca, é preciso pegar um trem até a cidade de Spielberg, onde ocorre o GP, são cerca de 200 quilômetros de distância, que também podem ser percorridos de carro. Nos dias que antecedem o GP, o turista pode aproveitar e passear por Viena.

 

James McCornick/EM/D.A Press


Como boa parte das capitais europeias, Viena é repleta de palácios. Os mais famosos são o de Schönbrunn, um dos principais monumentos do país, o Imperial de Hofburg, criado a partir de uma fortaleza medieval e o Belvedere, com estilo barroco. Além disso, há igrejas, parques, museus e óperas. Para hospedagem, como toda cidade grande, varia de albergues a hotéis cinco estrelas, para todos os gostos e bolsos. Da Áustria, o destino é o Reino Unido, mais precisamente, Londres. Um voo de Viena até a capital inglesa custa em em torno de R$ 270 reais.

Totalmente cosmopolita, Londres oferece um número infinito de locais para visitação entre pontos turísticos, parques, restaurantes e pub’s. O Palácio de Buckingham, a Torre de Londres, o Big Ben e a London Eye (roda gigante às margens do rio Tâmisa), são locais praticamente obrigatórios. Por ser bem diversificada, a cidade conta com diversas formas de hospedagem. Da Inglaterra, a F1 parte para a Hungria. Um voo direto entre Londres e Budapeste custa em média R$ 228.

Assim como o GP do Reino Unido e da Áustria, no da Hungria o ideal é ficar na capital e apenas no fim de semana ir para a cidade onde acontece a corrida. No caso, Mogyorod, a cerca de 21,2km de Budapeste. A metrópole húngara por si só vale a visita. Situada no leste europeu, a cidade é cheia de encantos, principalmente arquitetônicos.

Dentre os pontos turísticos, os mais visitados são: o Castelo de Buda, o Parlamento, o Bastião do Pescador, a Basílica de São Estevão, a Ópera Estatal Húngara, o City Park, entre outros. Mesmo não tendo a proporção de Londres, Budapeste também conta com diversos tipos de hotéis, para todos os bolsos e gostos.

Mônaco (28 de maio)

O principado europeu é o oásis dos ricaços e o circuito de Monte Carlo é um dos mais charmosos do calendário. Além de toda a áurea envolvendo o GP, a cidade-estado vale a visita, principalmente na primavera (época em que ocorre a corrida) e no verão. Localizado no sul da França, Mônaco é banhado pelo Mediterrâneo, mesmo assim conta com poucas praias, a maioria particular.

 

Renato Ferraz/CB/D.A Press


A principal, e única de acesso público, é a de Larvotto. A extensão de areia é artificial, mas boa para o banho. Além disso, é possível visitar o Museu Oceanográfico, um dos mais conceituados do mundo, com mais de 100 anos, por cerca de sete euros. Outro programa comum no microestado são os cassinos, tendo como principal o de Monte Carlo, inaugurado em 1863. A corrida ocorre no fim de semana do dia 28 de maio. Para chegar ao principado, o ideal é ir para Nice, cerca de 21km de distância. Passagens de Brasília para a cidade francesa, custam a partir de R$ 2.166, ida e volta.

 

Do exótico ao histórico

Locais distantes, no circuito das corridas, oferecem boas opções de passeio onde é possível conhecer mais sobre a cultura e interagir com os  moradores.

 

Singapura (17 de setembro)

O Grande Prêmio de Singapura é diferente em vários sentidos. O primeiro, por ser situado — como Mônaco — em uma cidade-estado. O segundo, e principal, é por ser disputado totalmente à noite, a primeira corrida de Fórmula 1 neste formato (hoje, o GP dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein também são noturnas, porém, começam antes do pôr do sol). Quem quiser conhecer o país e acompanhar o GP de perto tem que se programar bem, por causa de um motivo: distância. A maioria dos voos de Brasília até a capital singapurense duram em média 35 horas, com duas paradas. Na época da corrida, os preços partem de R$ 4,5 mil (ida e volta).

 

Juliana Saad/Divulgação


As singularidades da cidade-estado não se atentam apenas ao GP. Altamente moderna, Singapura sde distingue bem dos vizinhos asiáticos. Em relação ao turismo, o país é bastante eclético. Reúne de igrejas e monastérios a jardins zoológicos e parques. Alguns dos locais “obrigatórios” são: o Kong Meng San Phor Kark See Monastery e a Armenian Church, a Singapore Flyer (roda-gigante maior do que a London Eye), o Tiger Sky Tower (torre de observação elevada), Underwater World (aquário com mais de 2,5 mil animais de 250 espécies) e o Universal Studios Singapore, primeiro estúdio no sudeste asiático. Como outros grandes centros, o setor hoteleiro local é bem servido, com todos os níveis de hotel.

México (29 de outubro)

Tirando o próprio GP do Brasil, em São Paulo, o Grande Prêmio mais próximo é o da Cidade do México. A corrida voltou para o calendário da Fórmula 1 em 2015. Considerada uma das grandes megalópoles do mundo, a capital mexicana, localizada no centro do país, está fora do circuito turístico mais famoso. Mesmo assim, reserva seus encantos. O local é uma mistura de monumentos de civilizações antigas e obras modernas.

 

Laísa Queiroz/CB/D.A Press
 


O turista pode se dividir em conhecer sítios arqueológicos, como o Templo Mayor (uma das sedes dos Astecas) e Teotihuacán, a Pirâmide do Sol. Na parte moderna, são diversos templos, museus e igrejas, com destaque para a Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe, o museu da Frida Kahlo e o Jardim Zoológico. Outro local de grande visitação é o centro histórico. Com o porte de São Paulo, a Cidade do México é repleta de opções de hotéis. No período da corrida, que acontece no fim de outubro, a passagem aérea entre Brasília e a capital mexicana custa em média R$ 1.634. (GG)

 

Programe-se 

Etapa    Data    Circuito
1ª     26/03    Austrália (Melbourne) — já realizada
2ª     9/04    China (Xangai)
3ª     16/04    Bahrein (Sakhir)
4ª     30/04    Rússia (Sochi)
5ª     14/05    Espanha (Barcelona)
6ª     28/05    Mônaco (Monte Carlo)
7ª     11/05    Canadá (Montreal)
8ª     25/06    Azerbaijão (Baku)
9ª     9/07     Áustria (Spielberg)
10ª     16/07    Inglaterra (Northampton)
11ª     30/07    Hungria (Mogyorod)
12ª     27/08    Bélgica (Spa)
13ª     3/09    Itália (Monza)
14ª     17/09    Singapura (Singapura)
15ª     1/10    Malásia (Kuala Lumpur)
16ª     8/10    Japão (Suzuka)
17ª     22/10    EUA (Austin)
18ª     29/10    México (Cidade do México)
19ª     12/11    Brasil (São Paulo)

20ª     26/11    Emirados Árabes Unidos (Abu Dhabi) 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.