COM OS ASTROS

Observatórios astronômicos do mundo são destinos certos para entender o céu

O Observatório Griffith fica num parque municipal de Los Angeles (EUA) e tem a missão de ajudar a conhecer o firmamento. Visitantes podem ser astrônomos por um dia e aproveitar a incrível vista da cidade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/04/2017 10:00 / atualizado em 14/04/2017 17:03

Tom Benson/Flickr

Observar o firmamento com supervisão e dicas de profissionais é possível em observatórios astronômicos — eles estudam o que acontece no céu e transmitem os conhecimentos a várias ciências além da astronomia, como a climatologia e a oceanografia. Um dos melhores centros de observação do mundo está em Los Angeles, Estados Unidos, nos limites de um parque municipal gigantesco. São 17.400km² de área e muitos pontos de interesse para ocupá-los.

 

O zoológico e o jardim botânico da cidade ficam ali dentro, além de um teatro no estilo grego, um museu dedicado ao oeste estadunidense, outro que conta a história dos transportes no país, além do icônico letreiro de Hollywood. No meio de tanta atração interessante, o Observatório Griffith (foto) é procurado por oferecer uma das melhores vistas da cidade de Los Angeles — desde o Oceano Pacífico até o centro.

 

A universitária Leticia Falconery Maia, 23 anos, aproveitou que estava na cidade para fazer um curso de verão e foi ao Griffith Park conferir. “O lugar é famoso não apenas pelas atrações do observatório, mas pelas que estão fora dele também. É ótimo para ter uma vista diferente, do alto e mais calma de Los Angeles, uma cidade superagitada”, recomenda. Muita gente faz caminhadas pelas redondezas — o parque leva fama por isso — e vai até lá para apreciar a vista. “De tirar o fôlego”, garante Letícia. “Indico a visita mesmo para quem não tem conhecimento do que está exposto no observatório. É tudo muito lindo!”.

 

Leticia Falconery visitou o Griffith e aproveitou para ver a cidade do alto: mais calma

Por que ir

Desde a inauguração em 1935, o observatório se tornou ícone cultural da região. Uma das missões do lugar é ajudar a todos a entender o céu. Para cumpri-la, a mostra permanente conduz os visitantes pelo prédio e inclui oportunidades de ver e fazer o que os astrônomos fazem. Além da visitação, o espaço inclui o Planetário Samuel Oschin, o Telescópio Zeiss e o corredor de trânsito Gottlieb, instrumento que serve para observar os astros à moda antiga.

 

O busto do ator James Dean é outra atração que atrai visitantes ao observatório. Já que o espaço serviu de locação para o filme Juventude Transviada (1955), protagonizado por Dean. Nas telonas, o observatório ficou famoso. Outros filmes foram gravados ali e Dean, que serviu de canal, ganhou uma bela estátua.

 

» Para saber mais

Reprodução/Internet

Cinco estrelas

Mia e Sebastian, os protagonistas do filme ganhador do Oscar La La Land, passeiam por vários pontos da Cidade das Estrelas. Um deles é o Griffith Park. Os dois dançam e sapateiam ao som de A Lovely Night, uma das canções do musical. A cena foi gravada sem cortes em um ponto do parque chamado Cathy’s Corner. O observatório aparece em outros filmes: Exterminador do Futuro (1984), Rocketeer (1991), O Povo Contra Larry Flynt (1996) e Transformers (2007).

 

O infinito no olhar  

Um céu diferente em cada canto. A depender da localização no globo terrestre, a paisagem no firmamento muda. Quem está no Hemisfério Norte, por exemplo, não consegue ver a Via Láctea fazer um arco no céu. No Brasil e em outros países do Hemisfério Sul, é possível. Outra exclusividade da metade sul do planeta são as Nuvens de Magalhães, duas galáxias vistas a olho nu, mas apenas daqui. Por outro lado, constelações como a Ursa Menor só aparecem para quem está no norte. Se cada céu é de um jeito, a solução é explorar cada possibilidade. O Turismo selecionou lugares para fitar os olhos em cada detalhe. Escolha o seu favorito.

 

Turismo Chile/Divulgação

Chile

Um dos céus mais limpos da Terra está no colega de continente. Durante cerca de 300 dias do ano, principalmente no norte do país, há lugares de escuridão total para uma imersão estelar. O projeto astronômico ALMA, maior do mundo, tem radiotelescópios que captam ondas de rádio de corpos celestes e galáxias a 5 mil metros de altitude no Deserto de Atacama. As cidades de La Serena, Valle del Elqui, San Pedro de Atacama, Antofagasta e Iquique têm agências que transportam e oferecem alojamento a equipes de observação.

 

Nico Lombardi/Flickr

Argentina

Na transição entre o Rio da Prata e o mar, é possível observar as estrelas de dentro de um barco. As agências de viagem oferecem o passeio durante o inverno, com direito a telescópios e binóculos no pacote. No verão, as atrações são o nascer e o pôr do sol. Além dos cenários naturais, há o Observatório de Ampimpa, na província de Tucumán, onde a altitude elevada proporciona estrelas mais nítidas. Em Buenos Aires e arredores, é recomendado passar uma noite no campo, em acampamentos, para curtir as estrelas livremente. Informações: www.astroturismo.com.ar.

 

Duncan Wilson/Flickr

Nova Zelândia

Atmosfera límpida, muitos dias sem chuvas e ausência de contaminação luminosa fazem da pequena vila de Lake Tekapo, na Ilha Sul da Nova Zelândia, local perfeito para contemplar as estrelas. O Observatório Mount John é uma referência. A 1.031 metros de altitude, oferece uma experiência completa aos visitantes durante a noite — inclusive sessão de fotos com ajuda de fotógrafos profissionais. Durante o dia, a programação envolve escalar as montanhas que cercam a vila e praticar esportes aquáticos no lago Alexandrina, famoso por ter águas azul-turquesa.

 

Ángel R. López Sánchez/Flickr

Austrália

O Observatório Siding Spring está na cidade de Coonabarabran, considerada a capital da astronomia no país. Ali fica o maior telescópio da Austrália, Anglo Australian Telescope (AAT), com 3,9 metros de diâmetro, dentro de uma galeria aberta à visitação. Para conhecer o lugar, há passeios guiados — a pé ou de ônibus — nos limites do Parque Nacional Warrumbungle. Quem visita o observatório experimenta a sensação de isolamento, além de ter uma vista privilegiada da natureza, durante o dia, e dos corpos celestes durante a noite.

 

» Céu na mão 

Experimente sites e aplicativos para smartphone que facilitam sua experiência astronômica:

Carta Celeste

O aplicativo utiliza a bússola, o GPS, o acelerômetro e o giroscópio do celular para calcular em tempo real a posição de todos os planetas e estrelas visíveis. O usuário pode acompanhar, na tela, onde os corpos celestes estão naquele momento. Disponível para Android e iOS.

Stelarium
Não tem um planetário, nem binóculo ou telescópio por perto? Esse programa traz essa experiência para dentro do seu computador. O software é cheio de recursos e exibe um céu em 3D, bastante realista. Como tem código aberto, pode ser usado sem restrições.

Google Sky Map
A partir da geolocalização, o aplicativo mostra a localização dos astros ao redor do usuário. A visualização é simples — é possível localizar apenas planetas ou estrelas, por exemplo, e controlar o zoom da imagem vista na tela.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.