Programe o roteiro da próxima viagem sabendo como viajar com segurança

Aprender com a vivência de outras viajantes e seguir as dicas é a melhor estratégia para não ficar em apuros na viagem e aproveitá-la da melhor maneira possível

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/06/2017 10:00 / atualizado em 14/06/2017 14:04

Arquivo pessoal

A insegurança existe em todos os lugares. Há vários casos de viajantes que sofreram as consequências de um mundo violento. O fato é que, em qualquer situação, é preciso ter atenção e tomar os devidos cuidados para se proteger de situações de perigo que possam prejudicar o seu passeio. Para mulheres que viajam sozinhas, ter segurança e tranquilidade é fundamental. Pequenas atitudes  podem fazer toda a diferença quando se está só numa cidade ou país com outra cultura. Portanto, para que a aventura seja um completo sucesso e supere todas as suas expectativas, pesquise, estude, previna-se e aproveite cada momento.

 

Comunicação

É importante ter um telefone celular ou qualquer outro meio de comunicação tanto para ajudar a se locomover quanto paraa pedir ajuda, se houver necessidade. É essencial que antes de partir você deixe uma cópia do seu itinerário para que seus familiares ou amigos saibam onde você estará em cada momento do dia durante o percurso. Não esqueça de deixar anotadas informações como datas, telefones e endereços dos locais de hospedagem.


Em caso de emergência, se você estiver no Brasil, procure postos policiais ou ligue para a polícia (190), os bombeiros (193) e, se for o caso, para o atendimento contra maus tratos às mulheres (180). Já no exterior, todo brasileiro tem direito de contatar a embaixada ou consulado do Brasil em qualquer circunstância ou momento, pois as repartições funcionam 24 horas por dia. Para consultar o telefone e o endereço em cada país acesse (www.abe.mre.gov.br). Em situações como extravio de documentos, problemas de saúde, falecimento no exterior, apoio jurídico e ocorrências policiais, prisão, catástrofes naturais, atentados e conflitos armados, é de suma importância que a viajante procure imediatamente as autoridades brasileiras no local de destino para que receba todo apoio e ajuda necessária. 

 

Hospedagem 

Pete Stein/Flickr

Antes de definir a sua estadia, é preciso se informar a respeito do lugar levando em consideração a localização. Uma boa dica é  ler comentários de pessoas que se hospedaram no estabelecimento e verificar se atende às suas expectativas. Se o seu orçamento estiver maior, aposte em hotéis de redes conhecidas internacionalmente e que geralmente possuem unidade em diversas cidades do mundo. Os grandes grupos dificilmente apresentam dificuldade ou situações de perigo. Mas, se a sua opção for por locais mais simples, hostels ou albergues, a localização é um fator principal na hora da escolha. É preciso entender o mapa da cidade para associar uma região segura e uma boa localização para facilitar o deslocamento na visita aos pontos turísticos. Caso você fique em quartos compartilhados, dê preferência a locais que tenham dormitórios exclusivamente femininos.

 

Dinheiro
Não apenas em viagens sozinhas, mas em todas que for fazer, é importante dividir o dinheiro que gastará. O risco de deixar os valores guardados em apenas um local são altos. Para evitar dores de cabeça, a melhor opção é deixar um pouco de dinheiro com você e  parte no lugar em que estiver hospedada (num cofre, se houver, ou trancado na sua mala). Outra dica é levar vários meios de pagamento, como cartões de crédito, cartões pré-pagos e dinheiro em espécie. A questão monetária é sempre delicada e requer uma atenção, já que é preciso fazer a conversão da moeda. Cuide de maneira inteligente do seu dinheiro na viagem, para não passar apertos. 

 

Luana Sarantopoulos/Reprodução

Religião e Cultura 
Conhecer uma nova cultura significa também respeitá-la, por isso, em países em que a cultura é tradicionalmente machista, as mulheres precisam tomar cuidado para não desrespeitar os costumes e hábitos do local. Se a sua viagem é para países árabes, ortodoxos, profundamente católicos ou hindus é recomendável mudar o estilo das roupas que levará na mala. Nessas regiões as mulheres devem se vestir de maneira que seus corpos fiquem cobertos por completo. Outras questões de comportamento são relevantes. Por exemplo: as mulheres não podem se cumprimentar, nem mesmo com um aperto de mão, e não podem caminhar ao lado e nem à frente do homem.

É claro que existem níveis de tolerância que variam em cada país. Por essa razão, é interessante pesquisar bem a respeito do lugar que você visitará. Em alguns países, descumprir os costumes locais pode colocar em risco a sua integridade física. Algumas nações, como Jordânia e Turquia, que aceitaram a cultura ocidental, permitem que as  mulheres visitantes vistam a roupa que desejarem para andar pelas ruas, mas em templos e palácios ainda há a necessidade de se cobrirem. Portanto, é preciso avaliar cada traje, pois o fato de sair de shorts ou saias curtas nesses países pode acarretar olhares, comentários desrespeitosos e comprometer a qualidade do passeio. Aproveite as restrições para achar peças ideais que aliem seu gosto pessoal aos  hábitos culturais do local visitado.

Transporte
O transporte utilizado para se locomover dentro da cidade e até mesmo de um lugar para outro é algo que requer planejamento. Os transportes públicos são tranquilos, mas exigem atenção porque na maioria dos lugares são sempre movimentados. Se, por um lado, isso gera  uma sensação de maior segurança, por outro, é preciso evitar usá-los em horários de pouco fluxo de passageiros. Portanto, dependendo da região da cidade em que estiver é mais aconselhável que opte por outro meio de transporte, embora possam cobrar tarifas um pouco mais caras. O que vale é a segurança. Opte por táxis credenciados ou por carros de aplicativos, como por exemplo Uber ou Cabify,  pois todos esses motoristas são registrados e é possível contactar a empresa em uma situação de emergência. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.