FALTA POUCO

Rumo à copa: conheça os municípios que receberão jogos do mundial da Rússia

As cidades litorâneas de Soch e Rostov do Don, além de Volgograd, terra natal de Yelena Isinbayeva, e Samara, onde nasceu o astronauta Yuri Gagarin, fecham o roteiro na Rússia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/07/2017 10:00 / atualizado em 12/07/2017 14:32

Maran Banu/Flickr


A bola está rolando nos gramados russos nas disputas pela Copa das Confederações. O que é um torneio preparatório para o Mundial pode representar uma prévia do que os torcedores poderão experimentar na grande disputa do próximo ano. Quem pretende assistir aos jogos de perto, deve se preparar, pois falta menos de um ano até o dia da abertura dos jogos.


O Turismo encerra a série sobre as cidades-sedes do Mundial após apresentar a capital Moscou, Kaliningrado, Ecaterimburgo, São Petersburgo, Nínji Novgorod, Kasan e Saranks. Nesta edição, vamos ao sul do país, onde ficam Sochi, Rostov do Don, Volgograd e, mais ao centro, Samara. Você pode ler as duas primeiras reportagens da série (como diversas outras matérias) no nosso site: correiobraziliense.com.br/turismo.

Sochi
Alexanya/Flickr

A mais nova das cidades-sedes da Copa do Mundo Rússia 2018 é, atualmente, uma das mais badaladas do país. Ela ficou conhecida mundialmente após as Olimpíadas de Inverno de 2014. Além disso, é a sede da etapa russa do campeonato de Fórmula 1. Para o Mundial de futebol, a expectativa é de que seja comparada ao Rio de Janeiro, no período das Olimpíadas de 2016, no Brasil, pela movimentação e as atrações dedicadas aos turistas.

Criada em 1864, Sochi fica à beira do Mar Negro e conta com mais de 140 quilômetros de litoral. No verão, período da Copa, as temperaturas variam de 26ºC a 32ºC. Com muitos dias ensolarados, a ida à praia entre um jogo e outro é certeira. As paisagens da cidade são tão belas quanto contrastantes. De um lado está o mar e, de outro, os alpes nevados do Cáucaso, na fronteira com a Geórgia e o Azeibarjão. O mais famoso dos resorts de montanha fica a menos de 40 quilômetros da praia. Dessa forma, é possível esquiar e curtir a praia no mesmo dia.

A cidade litorânea está a cerca de 1,6 mil quilômetros da capital russa e será sede de seis jogos, sendo quatro da primeira fase, um das oitavas e outro das quartas. Se for sorteado para os grupos B, F ou G, o Brasil jogará em Sochi ainda na fase de grupo. Se cair no B, voltará a jogar por lá nas quartas. Se o sorteio apontar o D, as quartas de final também serão no litoral, sempre na hipótese de passar em primeiro lugar no grupo.

Por causa das Olimpíadas de Inverno, a cidade recebeu investimentos nas infraestruturas hoteleira, turística e de transporte, o que transformou e ampliou as opções para os visitantes, tornando-se conhecida como a Riviera russa. As diárias — nos mais variados tipos de hotéis, para todos os gostos e bolsos — variam de R$ 56 a R$ 545, no período da Copa, de acordo com o site de buscas Booking.com.

Além das montanhas e das praias, a cidade e seus arredores oferecem inúmeras atrações. São parques de diversão, aquáticos, nacionais e o Olímpico, museus, zoológicos, aquários e, como toda boa cidade russa, muitas igrejas. Sochi conta com cachoeiras e florestas, estas últimas consideradas Patrimóônio Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

 

Rostov do Don

Michael C/Flickr
 

Com pouco mais de um milhão de habitantes, Rostov do Don é a capital do estado homônimo e fica a cerca de 1.109 quilômetros de Moscou. Às margens do Rio Don e bem próxima do Mar de Azov, tem 268 anos — criada em 1749 —, é a segunda mais nova cidade-sede da Copa do Mundo em 2018 e um dos principais centros de transportes e de cultura da região.

Rostov do Don é a única sede que receberá cinco jogos do Mundial. Serão quatro da fase de grupos e um das oitavas. Se o sorteio indicar o grupo E para a Seleção Brasileira, o time Canarinho fará a primeira partida da Copa na cidade. Se cair no G, o caminho até o hexacampeonato em Moscou passará pelo local nas oitavas de final.

Por ser uma cidade relativamente grande, a capital de Rostov conta com uma boa rede de hotéis. As diárias durante o Mundial variam de R$ 56 a R$ 838, segundo o Booking.com. Para aproveitar o clima de verão no período da Copa, passeios por parques e pelo zoológico são boas escolhas. Como em todo o país, as igrejas fazem parte das atrações turísticas, assim como os museus. O Rio Don ainda propicia várias praias de água doce para refrescar ainda mais os dias entre os jogos.

Volgograd

Amalthio-a/Flickr

Terra natal da atleta de salto com vara Yelena Isinbayeva (a melhor da história do esporte), a cidade, que tem quase a mesma idade do Brasil (foi fundada em 1589), abrigará quatro jogos da Copa do Mundo. O Brasil só jogará por lá se cair no grupo H, onde a última partida da primeira fase será realizada. Próxima de Moscou, que fica a 1.087 quilômetros, tem pouco mais de um milhão de habitantes.

A princípio era chamda de Tsarítsin por estar localizada às margens do rio homônimo. Em 1925, passou a ser chamada de Stalingrado em homenagem ao ex-líder da União Soviética, Josef Stalin. O local foi palco de duas grandes batalhas, a primeira durante a revolução russa, vencida pelo próprio Stalin e a segunda em 1942 — durante a Segunda Guerra Mundial —, quando os soviéticos derrotaram as tropas alemãs, protegidos pelo inverno rigoroso. Em 1961, após o processo de desestalinização da URSS, a cidade passou a ser chamada de Volgograd.

Relativamente grande para os padrões russos, Volgograd não conta com uma rede muito extensa de hotéis. As diárias na cidade variam, durante a competição, de R$ 56 a R$ 267, de acordo com o site de buscas Booking.com. As igrejas, como sempre, fazem parte das atrações, mas o local conta com um canal navegável de mais de 100 quilômetros de extensão (que liga os rios Volga e Don), museus e a colina Mamáiev Kurgán, cujo topo abriga o monumento Mãe-Pátria, em homenagem à Batalha de Stalingrado.

Samara  

Dmitri Nikolaevich/Flickr

No centro da Rússia Europeia, Samara será sede de seis jogos da Copa do Mundo. Fundada em 1586, a capital do estado homônimo está a 1.057 quilômetros de Moscou e tem uma população de cerca de 1,1 milhão de pessoas. Durante a Segunda Guerra Mundial, a cidade era a segunda mais importante do país, contando, inclusive, com diversos departamentos do governo na época.

Ela fica às margens do rio Volga, o maior da Europa, com quase dois quilômetros de largura quando chega à cidade. O local é famoso por ser o principal centro aeroespacial da Rússia. Um dos pontos mais visitados é um monumento em forma de foguete de 20 toneladas e 68 metros de altura em homenagem ao primeiro voo espacial de Yuri Gagarin.

Por causa da atividade, a cidade é repleta de museus e parques sobre o tema. Um dos locais de maior visitação é o gigantesco bunker de Stalin, com 37 metros de profundidade. Outro ponto de interesse para os turistas é a reserva natural de Zhigulevskie Hills, às margens do Volga.

Apesar de ter o mesmo porte de Volgograd, Samara conta com uma infraestrutura melhor de hotéis, principalmente por causa do polo aeroespacial. Uma diária para o período da Copa, segundo o Booking.com, varia de R$ 48 a R$ 1.113. Se cair no grupo E, e passando em primeiro, o Brasil jogará as oitavas na cidade. Se o sorteio apontar o F ou o H, o caminho rumo a Moscou passará pelo local nas quartas de final.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.