EXPERIÊNCIAS

Do Nordeste ao Sul, conheça as praias naturalistas do Brasil

Praticantes do nudismo devem ficar atentos às praias cadastradas pela Federação para evitar constrangimentos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/01/2018 09:00 / atualizado em 04/01/2018 20:00

Joe Joe/Flickr
 

No Brasil existem oito praias naturistas oficialmente reconhecidas pela Federação Brasileira de Naturalismo (FBrN). Em todas elas, é permitido curtir a natureza da maneira mais livre possível. É importante lembrar que somente em praias regulamentadas é permitida a prática do naturismo. A prática em áreas não permitidas pode causar a detenção do visitante por ato obsceno. Confira as praias que estão na Bahia, Paraíba, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Espírito Santo.



Praia de Massarandupió — Bahia

Fred Schinke/Flickr

 

Na Bahia, o único local destinado ao naturismo é a Praia de Massarandupió, a 93km de Salvador. Conhecida por suas dunas, é uma das mais tradicionais do país e atrai banhistas por sua beleza. A extensão destinada ao nudismo é de 2km, mas apenas 800 metros são realmente aproveitados pelos naturistas. Outro diferencial é o rio que corre próximo e deságua no mar. A natureza foi generosa com a região. Para completar o cenário da praia, duas barracas oferecem infraestrutura para quem frequenta o lugar. Massarandupió não é só para ser aproveitada durante o dia. Na alta temporada, os naturistas costumam organizar luaus e festas à beira-mar, e no réveillon ocorre uma grande comemoração.

Praia do Abricó — Rio de Janeiro

Mário Howat/Flickr

 

Na região oeste da capital carioca, está a praia do Abricó, em Grumari, próxima à Reserva dos Bandeirantes e à Barra da Tijuca. Essa praia segue uma outra regra. A Associação Naturista de Abricó só está presente nos fins de semana e feriados não chuvosos. Portanto, a nudez completa só é permitida nesses dias. Durante a semana, fica a critério do visitante se usará roupas ou não.

Praia Olho de Boi — Rio de Janeiro

Rodrigo Soldon/Flickr

 

Na região dos lagos, em Búzios, existem 50m de praia que são totalmente liberados ao nudismo. Quem visita a intimista Praia Olho de Boi sabe que ela pode ser percorrida em 15 minutos de caminhada. A água azul-turquesa com tons esverdeados e totalmente cristalinos são a casa de animais marinhos como arraias, peixes e corais que podem ser vistos com um simples mergulho. Para chegar até o local, é preciso fazer uma trilha de aproximadamente 30 minutos. O paraíso escondido fica próximo à Praia Brava. O nome foi dado em razão de uma fruta encontrada no local que é semelhante a um olho de boi. Como não existem barracas, quem for para passar o dia deve levar alimento e água, pois a praia é totalmente deserta.

 

Praia de Tambaba  — Paraíba

Marinelson Almeida/Flickr

 

A Praia de Tambaba foi a primeira a ser liberada para o nudismo no Nordeste, em 1991. Com falésias exuberantes, fica no município do Conde, a 42km de João Pessoa. Nessa praia existe uma peculiaridade: é proibida a entrada de homens desacompanhados na área destinada ao nudismo. Quem deseja conhecer as belezas de Tambaba, mas não quer aderir ao movimento naturista, pode aproveitar a área onde o uso de roupas é obrigatório. Por estar cercado por altíssimas rochas, o acesso à parte de nudismo se torna praticamente impossível, se não for pela entrada principal.

Praia da Galheta — Santa Catarina

Juannomore/CB/D.A Press

 

Em Florianópolis, a 17km do centro da cidade, a Praia da Galheta é a segunda opção para quem procura uma praia de nudismo. Nela, a nudez é permitida, mas não é obrigatória. Por isso, além de naturistas, o local também atrai surfistas que procuram ondas radicais. Localizada dentro de um parque municipal, para chegar até lá, é preciso percorrer uma trilha de 15 minutos partindo da Praia Mole. Por ter uma grande faixa de areia, a praia se torna bem privativa. Outro diferencial da Galheta é que homens desacompanhados podem entrar livremente na praia, o que faz com que, durante a alta temporada, seja um ponto de azaração LGBT.

Praia Pedras Altas — Santa Catarina

Joaquim/Flickr.

 

A 30km do centro de Florianópolis, a Praia de Pedras Altas, em Palhoça, é a terceira e última de Santa Catarina. A praia é dividida por rochas e pela vegetação que separam banhistas desacompanhados de casais e famílias. Na ponta direita da Enseada de Brito, a nudez é obrigatória. A praia é famosa por receber turistas de todos os cantos do mundo que desejam praticar o naturismo por sua beleza e natureza exuberante. Para acampar em Pedras Altas, há uma taxa de R$ 15, mais R$ 10 de estacionamento.

Praia da Barra Seca — Espírito Santo

Pinterest/Reprodução

 

A 54km de Linhares e a 142km de Vitória, a primeira praia de nudismo do Espírito Santo é um paraíso privado. Por estar em uma ilha, o acesso é feito por barco. Para chegar até Barra Seca, é preciso atravessar o rio Ipiranga. Toda a praia tem 10km de extensão, mas somente 200 metros são destinados ao nudismo. Dentro da área naturista, existem duas divisões: uma destinada a casais e a famílias e outra para os solteiros. Há opção de hospedagem nos campings que existem por lá. O local conta com água e energia.

Praia do Pinho — Santa Catarina

Otávio Nogueira/Flick

 

Reconhecida em 1986, essa foi a primeira praia de nudismo oficial no Brasil. A 80km de Florianópolis, o lugar conta com uma boa infraestrutura para receber os banhistas. Com estacionamento, pousadas, restaurantes e áreas para camping, quem vai a Balneário Camboriú e deseja viver o naturismo deve visitar a Praia do Pinho. A área destinada ao nudismo é uma faixa de 50m e existe uma divisão. Na primeira parte, o nudismo é parcial. Recomenda-se que nessa parte fiquem aquelas pessoas que estão indo pela primeira vez e que não estão confortáveis com a situação. Na segunda parte, é obrigatório que o banhista pratique o nudismo total. Para se hospedar na área, é preciso adquirir o passaporte naturista que pode ser requisitado com a Federação Brasileira de Naturismo no site oficial (www.fbrn.org.br).

 

 

 

 

 

* Estagiário sob supervisão de Tais Braga

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.