Enquete mostra que 90% dos internautas defendem transparência no Congresso

No abaixo-assinado lançado pelo site de petições públicas Avaaz, mais de 300 mil pessoas se posicionaram de forma favorável ao voto aberto exclusivo no Legislativo.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/05/2013 08:13

Juliana Colares

Emperradas no Congresso Nacional, as propostas de emenda à Constituição que acabam com o voto secreto nas decisões do parlamento têm amplo apoio popular. No abaixo-assinado lançado pelo site de petições públicas Avaaz, mais de 300 mil pessoas se posicionaram de forma favorável ao voto aberto exclusivo no Legislativo. Mesmo desejo de quase 90% dos internautas que votaram na enquete lançada no site do Correio no início da semana. Na Câmara e no Senado, no entanto, o andamento das PECs que tratam do assunto ainda é lento. Uma das propostas completou 12 anos de tramitação.

No caso da PEC 349, de 2001, o último avanço foi em 2006 quando, pressionados pela opinião pública após a absolvição em plenário de 12 dos 15 parlamentares suspeitos de envolvimento no esquema do mensalão, a proposta foi aprovada em primeira votação na Câmara com apoio de 383 deputados. Houve quatro abstenções e nenhum voto contra. Depois disso, o texto voltou ao plenário da Casa 136 vezes, mas nunca chegou a ser votado em segundo turno, passo necessário para o encaminhamento da matéria à apreciação no Senado. Falta de quórum e acordo de líderes para a retirada da pauta ou para o encerramento da sessão justificaram a não apreciação da proposta 19 vezes.

Leia mais notícias de Política

“Essa PEC tinha que ir para a pauta. Vota-se sim ou não, mas vota-se. Há uma recuada geral, o plenário não aceita votar, muda o ano e esse tema não é apreciado”, disse a deputada Rose de Freitas (PMDB-ES), integrante da Frente Parlamentar pelo Voto Aberto. A inclusão da proposta na pauta do plenário foi defendida na última terça-feira pelo presidente do grupo e líder do PSol, deputado Ivan Valente (SP). Não adiantou. Nas palavras dele, o resultado do pedido foi um “silêncio ensurdecedor”.