Publicidade

Correio Braziliense

Caso Daniel: polícia indicia os sete envolvidos na morte do jogador

Juninho Riqueza, como é conhecido o assassino confesso, será denunciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Já a mulher dele, Cristiana, e a filha, Allana, responderão por coação de testemunha e fraude processual


postado em 21/11/2018 15:18 / atualizado em 21/11/2018 15:18

Daniel era conhecido de Allana e tinha ido até a cidade paranaense para participar da festa de aniversário da moça(foto: Reprodução/Facebook)
Daniel era conhecido de Allana e tinha ido até a cidade paranaense para participar da festa de aniversário da moça (foto: Reprodução/Facebook)

A Polícia Civil do Paraná vai indiciar, nesta quarta-feira (21/11), os sete presos acusados de participação no espacamento e morte do jogador Daniel Corrêa, em São José de Pinhais (PR). O jogador foi encontrado em um matagal com o pênis decapitado e o pescoço cortado em 27 de outubro

O assassino confesso, o empresário Edison Brittes, 38 anos, alega que cometeu o crime após o jogador tentar estuprar a mulher dele, Cristiana Brittes, 35 anos. Mas a versão é negada pela polícia. Juninho Riqueza, como é conhecido o comerciante, será denunciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Pode pegar até 30 anos de prisão, caso seja condenado.

Já Cristiana e a filha, Allana Brittes, 18 anos, responderão por coação de testemunha e fraude processual. As investigações da polícia apontam que elas não participaram das agressões a Daniel nem da execução, mas ao lao de Edison coagiram testemunhas dois dias após o crime, motivo que levou elas à prisão

Allana Brittes(foto: Reprodução/Facebook)
Allana Brittes (foto: Reprodução/Facebook)
Daniel era conhecido de Allana e tinha ido até a cidade paranaense para participar da festa de aniversário da jovem, assim como tinha feito em 2017. Logo após saírem de uma boate, a comemoração continuou na casa da família Brittes com um grupo de mais 11 pessoas e Daniel.


Já Eduardo Purkote, 18, último preso no caso e que assumiu as agressões na casa, responderá por lesões graves. Ele nega que pegou a faca a pedido de Edison. O rapaz também não estava no carro que deixou Daniel no matagal. O delegado, Amadeu Trevisan, vai entregar ao inquérito no Ministério Público nesta quarta-feira e dará uma entrevista coletiva para apresentar detalhes da conclusão do caso.

* Estagiário sob supervisão de Roberto Fonseca
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade