Publicidade

Correio Braziliense

Helicóptero da PM que caiu no mar no Rio tinha perfurações

Os buracos foram constatados durante a perícia realizada na aeronave após o acidente


postado em 24/01/2019 09:32 / atualizado em 24/01/2019 09:32

O helicóptero da Polícia Militar que caiu no mar, no Rio, no último dia 14, causando a morte de um PM, tem cinco perfurações aparentemente feitas por tiros. Os buracos foram constatados durante a perícia realizada na aeronave após o acidente. O caso foi divulgado, nessa quarta-feira (23/1), pela TV Globo.


Peritos consultados pela emissora ressaltaram, porém, que não é possível afirmar que os tiros causaram a queda do helicóptero. Eles também afirmaram que dificilmente esses tiros, que não se sabe quando atingiram a aeronave, teriam causado sua queda.

O helicóptero Esquilo modelo H-350BA foi fabricado em 1998 pela Helibrás e era usado pelo Grupamento Aeromóvel (GAM) da Polícia Militar. Ele estava com a manutenção em dia e tinha autorização para voar até 15 de janeiro de 2022.

Quatro policiais militares estavam a bordo da aeronave para patrulhar a Linha Vermelha, que liga o Rio a São João de Meriti, na Baixada Fluminense. A via expressa, usada por quem vai ou volta do aeroporto internacional do Galeão, na Ilha do Governador (zona norte do Rio), é área onde frequentemente ocorrem assaltos.

O helicóptero fez um pouso forçado na água pouco antes das 9 horas do dia 15 no Canal do Cunha, ao lado da Linha Vermelha, no trecho perto do entroncamento da via com a Avenida Brigadeiro Trompowski, na Ilha do Governador. Três policiais se salvaram - dois deles fraturaram as pernas. O sargento Felipe Marques Queiroz, de 37 anos, morreu após ficar submerso no mar por cerca de 15 minutos.

A causa do acidente é investigada pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão vinculado à Aeronáutica. As fotos divulgadas pela TV Globo pertencem a essa perícia, que ainda está em andamento. Como a investigação não foi concluída, a Polícia Militar não quis comentar as imagens.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade