Publicidade

Correio Braziliense

Aumenta para 84 o número de mortos na tragédia de Brumadinho

Corpo de Bombeiros encerrou as buscas nesta terça-feira no início desta noite (29/1)


postado em 29/01/2019 19:47 / atualizado em 29/01/2019 20:24

 

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais atualizou para 84 o número de mortos na tragédia do rompimento da barragem de Brumadinho (MG).

Este é o quinto dia de buscas na região. Ao todo, ainda são 276 desaparecidos. A corporação encerrou as buscas por volta das 19h30 desta terça-feira (29/1), e deve retomar as atividades nas primeiras horas da manhã de quarta-feira (30/1).  

 

Até esta segunda-feira, o número de mortos era de 65. De acordo com Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, dois corpos foram encontrados em uma região que seria o refeitório da Vale — empresa responsável pela barragem. "Nós já estávamos encontrando itens bastante utilizados em refeitórios. Mas, pelo próprio impacto da lama, esses corpos devem estar distribuídos em uma grande área", informou. Apesar disso, Aihara considera que o indício é "significativo", já que outras vítimas podem ser encontradas e identificadas. 

 

Nesta terça-feira, 42 corpos foram identificados no Instituto Médico Local (IML). Já estão agendados outros 35 atendimentos de reconhecimento de vítima para a quarta-feira.  

 

Aihara também alerta para que, apesar da tensão, os moradores de Brumadinho não se arrisquem e façam buscas por contra própria. Isso porque a terra ainda está instável. "Hoje tivemos que interromper, mais uma vez, a ação das aeronaves porque três pessoas que estavam de maneira não autorizada foram atacadas por um enxame de marimbondos", explicou. 

 

O porta-voz da Polícia Militar, o major Flávio Santiago, também informou que 16 pelotões da PM vão cumprir a segurança da área, "bem como continuar o trabalho de cerceamento do espaço". Na segunda-feira (28/1), um casal foi preso tentando saquear uma casa no Bairro Parque da Cachoeira, e outras duas pessoas conseguiram fugir. De acordo com Santiago, o policiamento foi reforçado na cidade depois de boatos de furtos nas residências vazias, devido a passagem de lama de rejeitos. "Serão quase mil policiais fazendo a segurança", informou. "Vamos interpretar se há ou não a intenção de saque (em residências)", acrescentou.  

 

Presos

 

Na manhã desta terça-feira, a Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo cumpriram, cinco mandados de prisão temporária contra engenheiros que atestaram a segurança da barragem. Além disso, sete mandados de busca e apreensão são cumpridos pelas autoridades. O pedido foi expedido pela Justiça Estadual de Minas Gerais.  

 

Após as prisões, o diretor jurídico da Vale, Alexandre D'Ambrósio, gravou um vídeo afirmando que determinou "colaboração total e irrestrita" com as autoridades. Segundo D'Ambrósio, a Vale enviou ao Ministério Público cópia de uma sindicância interna feita após o acidente. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade