Publicidade

Correio Braziliense

Relembre 10 incêndios que marcaram a história do Brasil

Nesta sexta-feira, o Centro de Treinamento do Flamengo foi atingido pelas chamas. Tragédia deixou dez mortos e três feridos


postado em 08/02/2019 17:10 / atualizado em 08/02/2019 17:15

(foto: Carl de Souza/AFP)
(foto: Carl de Souza/AFP)
 
Um incêndio atingiu o Centro de Treinamento do Flamengo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (8/2), deixando 10 mortos e três feridos. A tragédia, lamentavelmente, não é isolada na história do Brasil. Relembre abaixo outros casos notórios.
 
Ver galeria . 12 Fotos CARL DE SOUZA / AFP
(foto: CARL DE SOUZA / AFP )
 

Janaúba

Em 5 de outubro de 2017, o vigia Damião dos Santos invadiu a creche Gente Inocente, na cidade de Janaúba (MG), e ateou fogo em uma sala com vários alunos. Além do próprio vigia, 13 pessoas morreram e 50 ficaram feridas — boa parte delas, crianças.
 
Ver galeria . 6 Fotos Luiz Ribeiro/EM/D.A Press
(foto: Luiz Ribeiro/EM/D.A Press )
 
 

Boate Kiss

Uma das maiores tragédias — em número de vítimas — da história brasileira aconteceu em 27 de janeiro de 2013. Durante uma festa universitária, a boate Kiss, em Santa Maria (RS), pegou fogo, deixando 242 mortos e 636 feridos.
 
Ver galeria . 8 Fotos A boate ficou destruída pelo fogoDivulgação Polícia Civil
A boate ficou destruída pelo fogo (foto: Divulgação Polícia Civil )
 

Museu Nacional

Instalado na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, o Museu Nacional, um dos principais do país, foi devastado pelas chamas em 2 de setembro do ano passado. O incêndio começou após o horário de visitação do local. Com isso, ninguém se feriu. Estima-se, porém, que 90% do acervo de mais de 20 milhões de itens tenha sido destruído.
 
Ver galeria . 17 Fotos CARL DE SOUZA/AFP
(foto: CARL DE SOUZA/AFP )
 
 

Edifício Joelma

Há 45 anos, na manhã de 1º de fevereiro de 1974, o edifício Joelma, no centro de São Paulo, foi consumido pelas chamas. O incêndio começou após um curto-circuito no sistema de refrigeração de um banco, que ocupava boa parte do prédio. Cento e noventa e uma pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas. O episódio ficou famoso pelas imagens de pessoas se atirando do edifício em chamas.
 
(foto: Arquivo/ Folha Imagem e Antonio Carlos Piccino/Reprodução)
(foto: Arquivo/ Folha Imagem e Antonio Carlos Piccino/Reprodução)
 

Edifício Andraus

Também em São Paulo, um incêndio que começou com uma sobrecarga no sistema elétrico devastou o edifício Andraus. Cinco prédios nas adjacências também foram atingidos, resultando na morte de 16 pessoas. Ao menos mais 300 ficaram feridas.
 
 

Canecão Mineiro

Fogos de artifício foram a causa do desastre no Canecão Mineiro. A casa de shows em Belo Horizonte pegou fogo em 24 de novembro de 2001, deixando sete mortos e mais de 300 feridos. O teto de isopor contribui para a proliferação das chamas. Além disso, o local não tinha saídas de emergência.
 
(foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press)
(foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press)
 
(foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press)
(foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press)
 

Gran Circo Norte-Americano

A falta de saídas de emergência também contribuiu para que o incêndio no Gran Circo Norte-Americano, em Niterói (RJ), se tornasse o maior da história do país em número de vítimas. Três mil pessoas acompanhavam o espetáculo circense em 17 de dezembro de 1961 quando o fogo começou. Havia apenas uma saída, que estava bloqueada por grades. Oficialmente, 503 pessoas morreram, mas acredita-se que o número possa ter sido maior.
 
(foto: Arquivo O Cruzeiro/EM/D.A Press)
(foto: Arquivo O Cruzeiro/EM/D.A Press)
 

Renner

Um edifício onde funcionava uma unidade da loja Renner em Porto Alegre (RS) foi atingido pelo fogo em 27 de abril de 1976. A tragédia deixou 41 mortos e mais de 60 feridos. Várias pessoas também se jogaram do edifício para fugir das chamas. 
 
(foto: Reprodução/Fotos Antigas RS/Flickr)
(foto: Reprodução/Fotos Antigas RS/Flickr)
 
 

Brasília Palace Hotel

Em Brasília, um dos incêndios mais marcantes aconteceu em 5 de agosto de 1978, no Brasília Palace Hotel. Uma cafeteira esquecida na tomada deu início às chamas, que destruíram o terceiro andar do prédio. Apesar de todos os 135 quartos do estabelecimento estarem ocupados, ninguém se feriu. 
 
(foto: Arquivo/CB/D.A Press)
(foto: Arquivo/CB/D.A Press)
 

Chapada dos Veadeiros

Muito frequentado por brasilienses, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros registrou o maior incêndio de sua história em outubro de 2017. O primeiro foco surgiu no dia 10. O parque ficou 21 dias fechado e teve 66 mil hectares — equivalente a 28% de sua área — destruídos.
 
Ver galeria . 30 Fotos Breno Fortes/CB/DA.Press
(foto: Breno Fortes/CB/DA.Press )
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade