Publicidade

Correio Braziliense

Após Mourão relacionar massacre de Suzano com jogos, gamers se defendem

Adeptos dos videogames reclamam das declarações e tornaram a hashtag #SomosGamersNãoAssassinos uma das mais comentadas no Twitter nesta quinta-feira


postado em 14/03/2019 11:08 / atualizado em 14/03/2019 11:10

No Twitter, adeptos usam a hashtag #SomosGamersNãoAssassinos(foto: Reprodução/Twitter)
No Twitter, adeptos usam a hashtag #SomosGamersNãoAssassinos (foto: Reprodução/Twitter)
Após o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, relacionar o massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), com videogames de conteúdo violento, gamers protestaram na internet e saíram em defesa dos jogos virtuais.

Ao ser questionado, na quarta-feira (13/03), sobre as 10 mortes na escola da cidade paulista, o vice-presidente afirmou que "os jovens estão muito viciados em videogames violentos", dando a entender que videogames poderiam ter estimulado os ataques.

Além de Mourão, investigadores desconfiam que o planejamento do crime guarda semelhanças com um jogo, pelo menos no modo como o ataque foi executado. O que corrobora ainda mais para essa suspeita é o fato de que os dois atiradores eram aficionados por games e um deles ser assíduo frequentador de lan houses.

A reação dos gamers se deu por meio de postagens na internet e do uso da hashtag #SomosGamersNãoAssassinos, que na manhã desta quinta-feira (14/3) se tornou uma das mais comentadas na rede social no Twitter.

Um das frases mais postadas pelos internautas que aderiram ao protesto dizia: "Por que eu nunca me tornei uma encanador ou rico por jogar Mário e Banco Imobiliário?".

Veja algumas reações à fala de Mourão sobre videogames

 
 
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade