Publicidade

Correio Braziliense

Suspeito de vender imóveis em prédios que desabaram no Rio é preso

A tragédia de Muzema deixou 24 mortos no mês de abril. José Bezerra de Lira, mais conhecido como Zé do Rolo, informou que estava sendo ameaçado por outros milicianos


postado em 19/09/2019 16:46 / atualizado em 19/09/2019 16:46

José Bezerra de Lira, apelidado de Zé do Rolo (foto: Divulgação)
José Bezerra de Lira, apelidado de Zé do Rolo (foto: Divulgação)
Foi preso nesta quinta-feira (19/9), em Pernambuco, o suspeito de comandar o grupo de milicianos responsável por vender apartamentos em dois prédios que caíram da Muzema, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, tragédia que matou 24 pessoas em abril. José Bezerra de Lira, mais conhecido como Zé do Rolo, informou à polícia que estava sendo ameaçado por outros integrantes da milícia que atua na região. 

O suspeito fugiu durante cinco meses e foi encontrado em um sítio em Afogados da Ingazeira, no sertão de Pernambuco, a 378km do Recife. A Polícia Militar já estava fazendo o monitoramento da família dele que mora na região. "Foi feito o cerco à propriedade e ele, ao notar a chegada do efetivo, tentou fugir pela caatinga, vegetação espinhosa característica da área, mas foi alcançado e preso", informou a PM. 

Segundo o major Fabrício Vieira, comandante do 23º Batalhão, pelotão responsável pela captura, a polícia vinha buscando informações sobre o suspeito há um bom tempo. Segundo a investigação, ele passou a frequentar locais públicos na zona rural, como vaquejadas e feiras, e chegou a realizar uma festa no domingo no sítio do cunhado. 

"A partir do momento em que ele começou a levar uma vida quase normal, passou a despertar curiosidade da população e as informações chegaram mais rapidamente para nós", disse o oficial da PM, esclarecendo que apesar da tentativa de fuga a pé, ele não ofereceu resistência ao ser capturado.

O delegado responsável pela delegacia de Afogados da Ingazeira, Ubiratan Rocha, contou que em depoimento o suspeito que responde por 24 homicídios revelou que deixou a cidade no mesmo dia da tragédia do desabamento. Além das mortes ele responde ainda por investigações pela ligação com milícias e será transferido para o Rio.

* Estagiária sob supervisão de Roberto Fonseca

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade