Publicidade

Correio Braziliense

Justiça manda soltar personal trainer acusado de agredir a namorada

Murilo de Morais Segurado estava preso desde agosto. Ele é réu por tentativa de homicídio contra a mulher


postado em 23/10/2019 20:52 / atualizado em 23/10/2019 20:52

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)
O Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) determinou a soltura do personal trainer Murilo de Morais Segurado, de 33 anos, acusado de agredir a namorada em agosto deste ano, no bairro Residencial Eldorado, em Goiânia. Ele foi preso em flagrante por um policial que passava pelo local no momento da briga. Murilo estava detido na Casa de Prisão Provisória de Aparecida de Goiânia. 

No alvará de soltura, o desembargador José Paganucci Júnior aceitou o pedido de habeas corpus da defesa. O desembargador determinou ainda que Murilo respeite as medidas cautelares de comparecimento periódico em juízo para informar atividades, proibição de sair da cidade e obrigação de permanecer em casa à noite.

A agressão, ocorrida em 28 de agosto, foi registrada por uma câmera de segurança, que mostra o personal dando socos e chutes na vítima. No vídeo, o casal está dentro do carro, quando a mulher sai, e é seguida pelo agressor. Murilo, então, derruba a mulher no chão e começa as agressões. O personal só para quando pedestres, entre eles o policial responsável por sua prisão, aparecem próximos ao local.

Logo após a prisão em flagrante, Murilo passou por audiência de custódia e teve a detenção convertida em preventiva.

Denúncia do MPF

No último dia 3, o Ministério Público Federal denunciou o personal trainer por tentativa de homicídio qualificada, por ter sido de forma cruel, impossibilitando a defesa da vítima e e cometida no contexto de violência doméstica e familiar. 

De acordo com o documento, subscrito pelo promotor de Justiça Danni Sales Silva, o acusado "utilizou de recurso que dificultou a defesa da vítima, por ter compleição física forte e, com o primeiro golpe, ela caiu ao chão, não esboçando reação". O casal namorava há quatro anos, com histórico de desavenças e agressões físicas.

A denúncia foi recebida pelo juiz da 3ª Vara dos Crimes Dolosos Contra a Vida e Tribunal do Júri, Jesseir Coelho de Alcântara, tornando o personal réu no processo.

Veja o vídeo das agressões (as imagens são fortes)



* Estagiário sob supervisão de Roberto Fonseca

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade