Publicidade

Correio Braziliense

Caso Emanuelle: assassino confesso é encontrado morto na prisão

Vizinho da criança, Aguinaldo Guilherme Assunção estava só no local e teria tirado a própria vida com um lençol, de acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária de SP


postado em 15/01/2020 12:10 / atualizado em 15/01/2020 12:11

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)
O vizinho e assassino confesso da menina Emanuelle Pestana de Castro, de 8 anos, foi encontrado morto dentro da cela da prisão em São Paulo. De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária, Aguinaldo Guilherme Assunção, 49, estava só no local e teria tirado a própria vida com um lençol. Ele estava preso desde a segunda-feira (13/1) pela morte da criança.

 

Ainda segundo a secretaria, ao realizar a contagem de praxe para a passagem do plantão, foi constatado o óbito. “A Secretaria ressalta que o detento estava sozinho em sua cela devido à grande repercussão do delito realizado pelo mesmo. Nesta data, a cela permanecerá isolada para a perícia para mais esclarecimentos sobre o caso”, informou em nota.

“A Unidade está entrando em contato com os familiares do preso para avisá-los do óbito e para que tomem as devidas providências”, completa.

Emanuelle foi encontrada morta em uma área de mata da Fazenda Santana Nova, em Chavantes, cidade do interior de São Paulo, na noite de segunda-feira (13/1). A criança estava desaparecida desde a sexta-feira (10/1), quando estava brincando em um parquinho de uma praça. Vizinho da família de Emanuelle, o lavrador Agnaldo Guilherme Assunção, de 49 anos, foi preso pelo assassinato.

 

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), ele confessou o crime à Polícia Civil. Câmeras de segurança registraram o acusado conversando com a vítima em uma praça. Assunção informou aos policiais o local onde deixou o corpo da criança. Após as buscas, o Corpo de Bombeiros encontrou a garota sem vida dentro de um pequeno riacho.

A faca usada no crime foi apreendida. Foram solicitados exames de DNA e corpo de delito. O caso foi registrado como homicídio qualificado e ocultação de cadáver na Delegacia Seccional de Ourinhos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade