Publicidade

Correio Braziliense

"Desafio da rasteira" preocupa escolas após viralizar e causar morte

Também chamado ''quebra-crânio'' ou ''roleta humana'', brincadeira é, na verdade, uma agressão que pode levar a vítima a lesões severas e à morte


postado em 14/02/2020 10:37 / atualizado em 14/02/2020 16:45

Desafio perigoso viralizou na internet nas últimas semanas.(foto: Reprodução/Internet)
Desafio perigoso viralizou na internet nas últimas semanas. (foto: Reprodução/Internet)
O assunto invadiu o WhatsApp de pais e responsáveis por alunos e se transformou em uma grande preocupação nas escolasem pleno início de ano letivo. O "desafio da rasteira", também chamado "quebra-crânio" ou "roleta humana", é, na verdade, uma agressão que pode levar a vítima a lesões severas e à morte. Várias imagens com três jovens posicionados lado a lado, onde o do meio é convidado a pular e em seguida recebe uma rasteira de surpresa, viralizaram na internet. Alguns participantes aparecem com fardas escolares.

 

Além de trazer risco de vida, a "brincadeira" pode ser considerada infração, se praticada por menores de 18 anos, ou crime, no caso do agressor ser maior de idade. O assunto virou pauta de reunião escolar em algumas unidades e de ações educativas em outras. Discutir o problema de forma responsável é considerado o melhor remédio para combatê-lo antes que ocorra uma tragédia.

 

O caso de uma estudante nordestina que morreu após ser vítima da rasteira aumentou o receio de pais e mestres. Emanuela Medeiros, 16, bateu a cabeça no chão, na Escola Municipal Antônio Fagundes, em Mossoró (RN). Ela sofreu traumatismo craniano, foi socorrida pela direção do colégio e levada ao Hospital Regional Tarcísio Maia, mas acabou morrendo. O caso aconteceu em novembro do ano passado e viralizou nesta semana.

 

Práticas como o "desafio da rasteira", alertam especialistas, ressurgem a cada ano e ganham adeptos entre crianças e adolescentes, na mesma medida que preocupam pais e educadores. Exemplo disso foi o jogo Baleia Azul, que levava ao suicídio, assim como o da Boneca Momo. Outro exemplo foi o Bird Box, onde os jogadores eram estimulados a vendar os olhos para fazerem tarefas cotidianas.

 

Escolas conversam sobre o assunto

 

Pedro Simas, vice-diretor pedagógico do Colégio Boa Viagem, disse que a escola já desenvolve iniciativas que contemplam o assunto e, desde o início da semana, quando começaram a circular imagens do "desafio" em uma escola da Venezuela, foi convocada uma reunião para traçar outras estratégias de enfrentamento do problema.

 

Psicólogos começaram a passar em cada turma para alertar sobre os perigos da agressão física. Outra iniciativa da escola é um aplicativo onde é feita uma comunicação direta com os pais. Através da ferramenta, a equipe encaminhou o texto de uma psicóloga, feito a pedido da direção, sobre o assunto.

 

Desafiar a morte e a dor é uma característica do ser humano e isso não é diferente com os adolescentes, avalia Simas. “Na década de 1970, havia uma brincadeira de colocar corrente falsa na rede e pedir para um amigo sentar e em seguida cair. Isso já era feito com risco. Com as mudanças geracionais cada vez mais velozes, a escola precisa estar vigilante”, acrescentou.

 

No Centro Escolar Carochinha, o assunto foi levantado pelos pais durante reunião. A orientação da escola foi pedir que as famílias parassem de reproduzir a informação. Isabel Ledebour, psicóloga e uma das proprietárias da unidade, disse também que professores e outros funcionários estão mais alertas na hora do recreio para esse tipo de evento. “Vários pais nos mandaram mensagens e pedi para eles esclarecerem os filhos também. Aqui, estamos de sobreaviso e observando. Quanto menos se divulga, menos se pratica”, acredita Isabel.

 

Um dos vídeos do “desafio” divulgados na internet mostra estudantes do Marista, no Rio Grande do Norte, fazendo a brincadeira. A rede, que também está presente em Pernambuco, emitiu nota oficial sobre o assunto. Os colégios que integram o Marista Centro-Norte, uma das três unidades administrativas do Marista no Brasil, iniciaram, nesta semana, um trabalho de conscientização.

“Por meio de suas equipes pedagógicas, a instituição tem promovido reflexões com os alunos, durante o período de aulas, sobre as consequências da atitude, que coloca em risco a integridade física dos seus participantes. Além das medidas preventivas, a instituição reitera estar atenta aos movimentos em sua comunidade. Em relação ao vídeo com os alunos de Natal, informa que todos já foram orientados com suas respectivas famílias”, diz a nota.

Após tomar conhecimento do problema, o Colégio Santa Emília, em Olinda, agiu junto aos alunos e pediu empenho dos pais. “Preocupado com essas consequências, o CSE está alertando todos, como também solicitando a colaboração dos senhores para que evitem uma situação perigosa e drástica para nossos alunos.”

Vítima pode sofrer sequelas irreversíveis

A Sociedade Brasileira de Neurocirurgia também emitiu nota para alertar aos pais e educadores sobre a necessidade de reforçar a atenção com as crianças e adolescentes. Na mensagem, é explicado que a queda pode provocar lesões irreversíveis ao crânio e encéfalo, além de danos à coluna vertebral.

 

“Como resultado, a vítima pode ter seu desempenho cognitivo afetado, fraturar diversas vértebras, ter prejuízo aos movimentos do corpo e, em casos mais graves, ir a óbito. Como sociedade, pais, filhos e amigos, devemos agir para interromper o movimento e prevenir a ocorrência de novas vítimas. Acompanhar e informar/educar sobre a gravidade dos fatos, pode ser a primeira linha de ação”, diz um trecho do comunicado.

 

Assessor de comunicação da Polícia Federal, Giovani Santoro percorre escolas, empresas e outros espaços interessados em entender e enfrentar o que ele caracteriza de crime cibernético. Atua na prevenção, a diferentes problemas que ceram os jovens.

 

“O pior é que há adolescentes que acham que nada pode acontecer com eles, porque são menores de idade. Se a pessoa envolvida é menor de 13 anos, ele não vai apreendido, mas os pais ou representantes legais podemresponderporele. Além disso, a vítima também pode entrar com ação de indenização pelo dano causado. No caso de ser maior de 13 anos e menor de 18 anos, cabe a aplicação de medida socioeducativa. E se resultar em morte, o homicídio pode ser considerado doloso”, alertou.

 

Até a própria escola pode ser responsabilizada, diz Santoro, se o caso se repetir por falta de providências. “Se é repetitivo, significa ausência da escola. Os pais precisam saber o que acontece na internet, até mesmo pelos veículos oficiais”, explicou. A partir de março, Santoro iniciará a temporada de palestras em 2020. Elas podem ser marcadas pelo número 2137-4076, das 8h às 14h.

 

Outros "desafios perigosos" da internet

Baleia azul - O “jogo” online desafiava jovens a atitudes autodestrutivas, culminando em suicídio.

Boneca momo - Uma suposta boneca teria sido inserida em vídeos infantis para orientar crianças a esfaquearem seus pais.

Bird box - Inspirados em um filme, internautas lançaram um desafio para que as pessoas fizessem tarefas cotidianas com olhos vendados, as expondo a vários riscos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade