Publicidade

Correio Braziliense

Criminosos matam suspeito de integrar PCC no Novo Gama

O crime ocorreu por volta das 9h, em um comércio da região. Uma mulher também foi assassinada


postado em 08/01/2018 20:00 / atualizado em 08/01/2018 21:21

 
A Polícia Civil de Goiás investiga a morte de um homem suspeito de participar do Primeiro Comando da Capital (PCC). Márcio José de Alcântara Theodorelli, 38 anos, foi assassinado a tiros na manhã desta segunda-feira (8/1), no Novo Gama (GO), em uma loja de celulares da região. Os responsáveis pelo crime também alvejaram Priscila de Jesus Salimão, 34, que morreu no local. Os agentes ainda não identificaram a relação dela com Márcio. Uma pessoa acusada de participar do crime foi presa.  
 
 
A investigação aponta que Marcos tinha passagens por tráfico de drogas, homicídio, roubo e organização criminosa. No entanto, não havia mandado de prisão contra ele. A polícia de Goiás ainda não confirmou a participação dele no PCC, no entanto, tramitam no Tribunal de Justiça de São Paulo processos de 2016 que indicam que a vítima fazia parte do grupo.  
 
A proximidade com o Distrito Federal fez com que os agentes da capital prestassem atenção ao crime. A preocupação da segurança local se estende à quantidade de pessoas ligadas a facções criminosas que se aproximam de Brasília. Em agosto do ano passado, Nilson Roger da Silva Freitas, membro do Comando Vermelho, uma das maiores facções criminosas do Rio de Janeiro, foi preso em Luziânia (GO).  
 

Ranking de cidades mais perigosas 

 
Em agosto e setembro de 2017, o Correio publicou uma série de reportagens sobre a violência nas cidades do Entorno do Distrito Federal. Uma das matérias do especial Cinturão do Crime mostra que o Novo Gama é a 20ª cidade mais perigosa do país, de acordo com o Atlas da Violência de 2017. No ano passado, o município registrou 44 homicídios. 
 
* Estagiário sob supervisão de Margareth Lourenço (especial para o Correio

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade