Publicidade

Correio Braziliense

Trânsito amanhece menos intenso próximo a viaduto da Galeria dos Estados

Apesar de interdição na pista, a fiscalização do Detran informou que o fluxo esteve dentro da normalidade na manhã de hoje


postado em 09/02/2018 09:08 / atualizado em 09/02/2018 13:57

A pista segue fechada nos dois sentidos, próximo ao local da queda(foto: Jéssica Eufrásio/Esp. CB/D.A Press)
A pista segue fechada nos dois sentidos, próximo ao local da queda (foto: Jéssica Eufrásio/Esp. CB/D.A Press)
 

O trânsito na região da Galeria dos Estados, onde uma parte do viaduto do Eixão Sul desabou, teve fluxo um pouco menos intenso na manhã desta sexta-feira (9/2). A pista segue fechada nos dois sentidos, próximo ao local da queda. Já a parte inferior, do Buraco do Tatu até a altura do Setor Hospitalar Sul, permanece bloqueada no sentido Norte-Sul.

 

O diretor de Policiamento e Fiscalização do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran/DF), Glauber Peixoto, declarou que o trânsito tende a ser mais intenso no período da tarde, a partir das 17h. "Por volta das 7h, estava fluindo muito bem, até porque o fluxo de carros é maior no Eixo L no período da manhã. Como o Buraco do Tatu está liberado no sentido dos veículos provenientes da parte norte, não há problemas nesse horário para quem está vindo", afirma. Ele acrescenta que, à tarde, a retenção pode aumentar em decorrência da chuva.

 

Glauber explica que os engarrafamentos estão dentro do esperado, principalmente após a transformação de nove faixas em duas. "No fim da tarde, por volta de 17h, fazemos um controle especial no Eixo W. Ontem instalamos novas sinalizações para auxiliar motoristas e os pedestres. A insistência destes últimos, em especial, em atravessar o Eixo W pela parte de cima tem contribuído com a retenção do tráfego. Por isso, temos pedido a eles que utilizem sempre a passagem subterrânea", enfatiza o diretor. 

As obras para que os motoristas possam desviar do local do acidente começaram na tarde de quinta-feira (8/2). Em conjunto, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) e o Departamento de Estradas e Rodagem do DF (DER/DF) ampliam os eixinhos L e W, que passarão a ter seis faixas. 

 

Pedestres reclamam de percurso irregular e confuso para conseguirem chegar ao Eixinho L(foto: Jéssica Eufrásio/Esp. CB/D.A Press)
Pedestres reclamam de percurso irregular e confuso para conseguirem chegar ao Eixinho L (foto: Jéssica Eufrásio/Esp. CB/D.A Press)
 

Travessia de pedestres 

Para evitar a travessia da via, agentes da fiscalização do Detran colocaram tapumes à beira da pista do Eixo L. O trajeto tem gerado dúvida e indignação entre os pedestres. Aposentada, Maria Elisa Oliveira, 70 anos, conta que costumava atravessar a passagem subterrânea para ir à parada de ônibus. Agora, sem saber qual caminho percorrer, ela enfrenta dificuldade no novo percurso. "É muito complicado, e ainda tem uma subida. Isso não era para ter acontecido. Se tivesse manutenção, não estaria tão difícil assim. Complicou o trânsito e a nossa passagem", comenta. 

 

O engraxate Francisco dos Santos, 33, também reclama do trajeto. "Agora o percurso está bem maior. Eu passava por aqui todo dia antes de o viaduto cair. Inclusive, no dia, eu atravessei a passarela subterrânea até o Eixo L. Está bem ruim agora", relata. 

 

Estagiário, Kauan Mateus Nunes, 19, atravessa os três eixos durante a semana. Ele considera o novo trajeto mais trabalhoso, mas não tem outra alternativa. "O problema de ir por cima é que, além de ser mais trabalhoso, nestes (últimos) dias tem chovido muito", observa. 

Como uma das medidas para facilitar a vida do pedestre, o Departamento de Trânsito alterou os tempos dos semáforos próximos à Galeria dos Estados. O objeivo é ampliar o tempo de travessia dos pedestres. 



Retirada de carros  

Em relação aos três carros atingidos pela estrutura, ainda não há previsão de remoção dos veículos. "Estamos aguardando a Defesa Civil e o escoramento da estrutura. Ainda não há data exata para isso, mas, assim que tudo estiver seguro e escorado, poderemos remover os veículos atingidos", afirmou o superintendente de obras do Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF), Geraldo Jacinto.

 

* Estagiária sob supervisão de Adriana Bernardes

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade