Publicidade

Correio Braziliense

Sobe para 21 número de trabalhadores intoxicados por pesticida

Trabalhadores de plantação de soja deram entrada em três unidades de saúde do DF com sintomas como náusea e vômito após contato com agrotóxico


postado em 14/03/2018 18:55 / atualizado em 16/03/2018 16:41

Secretaria de Saúde confirmou que vítimas foram intoxicadas por pesticida utilizado em plantação. Entre elas, 15 foram encaminhadas ao Hospital da Região Leste (antigo Hospital do Paranoá)(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Secretaria de Saúde confirmou que vítimas foram intoxicadas por pesticida utilizado em plantação. Entre elas, 15 foram encaminhadas ao Hospital da Região Leste (antigo Hospital do Paranoá) (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Subiu para 21 o número de trabalhadores de uma lavoura de soja próxima à BR-251 internados com intoxicação por pesticida, informou a Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Os pacientes foram encaminhados a três unidades de saúde do DF nesta terça-feira (14/3), após entrarem em contato com um produto agrotóxico. O contato com o químico aconteceu em uma plantação no Programa de Assentamento Dirigido do Distrito Federal (PAD-DF), região entre o Paranoá e Planaltina.
 
Quatro deles estão na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Sobradinho; 15 no Hospital da Região Leste (antigo Hospital do Paranoá); e outros dois estão no Hospital Regional de Planaltina (HRPl).

Ainda segundo a pasta, os pacientes atendidos apresentaram sintomas como náusea e vômito e estão sob observação na unidade de clínica médica. Eles passaram por exames e serão reavaliados pela equipe de saúde. Apesar de dois dos pacientes internados no Paranoá ainda apresentarem sintomas, alguns trabalhadores estão em condições de receber alta.

"Os médicos continuam atendendo normalmente. Nenhum deles apresentou sintomas. Os internados no HRPl têm quadro clínico estável", informou a Secretaria, por meio de nota.

Em nota, a Pioneer, empresa responsável pela plantação, informa que acompanha o caso de perto e está dando apoio aos funcionários. A companhia ainda reforça que não sabe o que ocasionou o incidente, mas que realizará todas as investigações necessárias. "O trabalho no campo foi realizado respeitando todas as normas de segurança da empresa e leis vigentes e todos os funcionários faziam uso do equipamento de proteção individual", garante.  



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade