Publicidade

Correio Braziliense

Mulher se nega a fazer sexo com marido e tem 80% do corpo queimado

Caso, que aconteceu em Ceilândia, está em apuração como tentativas de incêndio, de suicídio e de feminicídio. A mulher acusa o companheiro de ter jogado combustível e incendiado a casa após ela se recusar a manter relação sexual com ele


postado em 18/03/2018 12:06 / atualizado em 18/03/2018 15:39

Casal tem mais de 80% do corpo queimado após uma briga em Ceilândia(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Casal tem mais de 80% do corpo queimado após uma briga em Ceilândia (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

Um casal morador de Ceilândia foi socorrido na manhã deste domingo com graves queimaduras, após uma discussão entre os dois. A mulher, de 43 anos, teve 80% do corpo queimado e o homem, de 46, 90%. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) e foi registrado como tentativas de incêndio, de feminicídio e de suicídio. Segundo as primeiras informações, descritas no Boletim de Ocorrência feito na 24ª Delegacia de Polícia (Setor O), a briga teria começado com a negativa da mulher em manter relações sexuais com o marido.
 
Os policiais militares receberam o chamado para atender a uma ocorrência, inicialmente, de briga de casal. Quando chegaram ao endereço, se depararam com os dois, feridos, na calçada. O homem é descrito no documento como "autor" do atentado. Segundo consta no registro inicial, ele teria dito aos militares que estava querendo ir à Feira do Rolo negociar alguns móveis, mas a companheira teria vetado a negociação. Na versão da mulher, o parceiro teria tentado uma relação sexual com ela durante a noite. Diante da resposta negativa da parceira, ele teria incendiado a casa.
  
Os dois foram socorridos pelos bombeiros e levados ao Hospital Regional da Asa Norte, unidade referência em atendimento a queimados. Segundo a corporação ele estava consciente, orientado, porém, instável. Já a mulher, apesar de consciente, estava desorientada e bastante instável. 

Feminicídio

Na última sexta-feira (16/3), o piloto do Metrô-DF Júlio César dos Santos, 38 anos, matou a mulher Mary Stella Maris GomesRodrigues dos Santos, 32, a tiros. Segundo relato de amigos, eles estavam em processo de separação, mas teriam reatado o relacionamento há poucos dias. Após assassinar Mary, Júlio se matou. 
 
No início do mês, Elson da Silva, 39 anos, matou a mulher, Romilda Souza, 40, no apartamento em que o casal morava com os dois filhos e a mãe da vítima, na 406 Sul. Ele também cometeu suicídio em seguida.
 

Onde pedir ajuda 

No DF vítimas e agressores podem recorrer a diferentes instituições para buscar apoio psicossocial. No caso deles, há um projeto em que podem refletir sobre questões de gênero enquanto cumprem as medidas protetivas. Veja onde procurar ajuda.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade