Publicidade

Correio Braziliense

Operação prende líderes católicos do Entorno, incluindo bispo de Formosa

Prisões fazem parte de operação do Ministério Público de Goiás. Líderes religiosos são acusados de desviar dinheiro arrecadado de dízimos, doações, taxas de batismo e casamentos


postado em 19/03/2018 09:08 / atualizado em 20/03/2018 07:55

Policiais cumprem 13 mandados de prisão, emitidos após denúncias feitas por fiéis(foto: MP-GO/Divulgação)
Policiais cumprem 13 mandados de prisão, emitidos após denúncias feitas por fiéis (foto: MP-GO/Divulgação)
 
As polícias Militar e Civil de Goiás cumprem, no Entorno do Distrito Federal, na manhã desta segunda-feira (19/3), 13 mandados de prisão contra líderes religiosos. A Operação Caifás, do Ministério Público do estado vizinho, mira desvios de recursos da Diocese da Igreja Católica de Formosa e de paróquias ligadas a ela. Entre os presos está o bispo de Formosa, Dom José Ronaldo, que durante anos atuou no DF, sendo pároco em Sobradinho.
 
De acordo com o MPGO, foram desviados recursos arrecadados com dízimos, doações, taxas de batismo, casamento e outros serviços, e arrecadações festivas realizadas com apoio de fiéis. O total desviado é estimado em R$ 2 milhões. Quatro padres, um monsenhor, um vigário-geral e dois funcionários do setor de administração da Cúria também foram presos. O dinheiro, diz a investigação, foi usado na compra de uma fazenda, uma casa lotérica, carros e artigos de luxo.
 
 

Investigações começaram em 2015 

As investigações começaram em 2015, quando fiéis denunciaram os desvios. A apuração culminou na operação deflagrada na manhã desta segunda. Também foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão em residências, na cúria da Diocese de Formosa, em paróquias de Planaltina de Goiás e Posse (GO) e em um mosteiro.
 
Durante as buscas, a políca encontrou montantes de dinheiro em espécie em mais de um local. Um deles foi no fundo falso de um armário na paróquia de Planaltina de Goiás que tinha R$ 70 mil e dólares, euros e peso argentino. Ainda na casa do monsenhor, o número dois na hierarquia da Igreja em Formosa e região, os investigadores apreenderam uma grande quantidade de aparelhos eletroeletrônicos, incluindo iphones e macbooks PRO, além de uma coleção de relógios de grife. 
 
As ordens judiciais em Formosa são nove de prisão e cinco de busca e apreensão; em Posse, são três de prisão e quatro de busca e apreensão; e em Planaltina, uma de prisão e uma de busca e apreensão. Todas as ações são contra lideranças religiosas ou administrativas ligadas à Igreja Católica.
 
De acordo com documento da 1ª Promotoria de Justiça de Formosa, a lista de investigados, para os quais foram solicitados mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva, é formada por Epitácio Cardozo Pereira; padre Waldson José de Melo; padre Moacyr Santana; padre Mário Vieira de Brito; Darcivan da Conceição Serracena; José Ronaldo Ribeiro; Duílio Rodrigues Menezes; Guilherme Frederico Magalhães; Antônio Rubens Ferreira; Pedro Henrique Costa Augusto; Edimundo da Silva Borges Junior.
 
Desses, Edimundo da Silva, Darcivan da Conceição e Duílio Rodrigues não foram presos, segundo o Ministério Público. Os agentes também apreenderam caminhonetes da cúria em nomes de terceiro.
 
O grupo de comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está em reunião para decidir como conduzirá a situação. A Diocese de Formosa informou que ainda não há como se posicionar, já que o representante da equipe também é alvo da operação.   
 
* Estagiário sob supervisão de Humberto Rezende. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade