Publicidade

Correio Braziliense

MP de Formosa ouve, hoje, sacerdotes suspeitos de desviar verba de dízimo

Padres e bispo de município goiano são suspeitos de embolsar mais de R$ 2 milhões em doações de fiéis, casamentos e eventos católicos


postado em 20/03/2018 12:36 / atualizado em 20/03/2018 19:59

Parte do dinheiro apreendido na operação(foto: MPGO/Divulgação)
Parte do dinheiro apreendido na operação (foto: MPGO/Divulgação)
 
O Ministério Público de Goiás (MPGO) começa a escutar os líderes religiosos suspeitos de desviar dinheiro dos templos de Formosa. Nesta terça-feira (20/3), pelo menos dois acusados serão ouvidos pelo órgão. Eles foram presos nessa segunda-feira (19/3) acusados de usar recursos de dízimos, ofertas e taxas de casamentos para obter propriedades e bens materiais. A estimativa é que eles tenham faturado mais de R$ 2 milhões.
 
O órgão não informou quais dos envolvidos no crime serão ouvidos nessa primeira oitiva. A expectativa é que até sexta-feira todos os nove presos sejam escutados. Até o momento, eles optaram por deixar a defesa se pronunciar sobre as acusações. 

Os suspeitos foram presos temporariamente e devem ficar na penitenciária da região por cinco dias, podendo ter o prazo adiado por mais cinco. Porém, o MPGO reúne provas para transformar a detenção em preventiva, que não prevê prazo para soltura. 

O promotor à frente das investigações da 5ª Promotoria de Justiça de Formosa, Douglas Chegury, ressalta que pode haver mais envolvidos no caso e que os desvios possam ter começado antes de 2015. "Estamos investigando para saber se outras paróquias praticavam o crime antes da chegada do bispo José Ronaldo Ribeiro", diz. 

Entre os bens apreendidos, estão relógios de marca, computadores, dinheiro em espécie e em contas bancárias, além de uma fazenda com cerca de R$ 500 mil em gado. Uma lotérica, localizada no município goiano de Posse, também é investigada por estar ligada a um dos padres presos.

Sem respostas

Nas redondezas da Paróquia Nossa Senhora Imaculada Conceição, onde o bispo José ministrava as cerimônias, o clima era de desesperança. Uma pessoa, que não quis se identificar por medo de represália, ressalta que a população está em choque depois das prisões. "A gente contribui por conta da nossa fé e depois recebemos esse tipo de notícia. É triste", lamenta o fiel.
 
O Correio procurou a Diocese e a secretaria responsável pelos religiosos, mas ninguém atendeu a reportagem. Os recepcionistas do local afirmaram que apenas os padres, que foram presos, poderiam responder pela casa. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade