Publicidade

Correio Braziliense

CNBB pede orações e manifesta solidariedade a fiéis após prisão de bispo

A Operação Caifás, coordenada pelo Ministério Público de Goiás, desmontou um esquema de desvio de verbas da igreja que envolvia, ainda, o vigário geral e quatro padres


postado em 20/03/2018 15:09 / atualizado em 20/03/2018 16:58

O bispo preso, dom José Ronaldo Ribeiro, era responsável por 33 paróquias na região(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O bispo preso, dom José Ronaldo Ribeiro, era responsável por 33 paróquias na região (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

 

A Conferência Nacional dos Bispos (CNBB) divulgou nota, na tarde desta terça-feira (20/3), em que se manifesta sobre a prisão do bispo de Formosa (GO), dom José Ronaldo Ribeiro, responsável por 33 paróquias na região. No texto, o secretário-geral da (CNBB), dom Leonardo Steiner, pede justiça nas investigações e convida fiéis a permanecerem unidos em oração.

 

O bispo de Formosa foi preso durante a Operação Caifás, do Ministério Público de Goiás, deflagrada na segunda-feira (19). A ação, que contou com a participação da Polícia Civil do estado, resultou também na prisão de um funcionário da cúria; de quatro padres, um deles do município de Posse; do vigário-geral e de dois empresários por desvio de dinheiro das congregações. A estimativa é de um rombo de R$ 2 milhões, verba proveniente de casamentos, batismos, dízimos, doações e festividades religiosas.

 

O texto de dom Leonardo Steiner recomenda aos bispos e padres presos se entregarem confiantes "à vontade misericordiosa de Deus".

Confira o texto na íntegra:

"Diante da prisão do bispo da Diocese de Formosa no estado de Goiás, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB manifesta a solidariedade com o presbitério e os fiéis da Diocese, recordando ao irmão bispo que a justiça é um abandonar-se confiante à vontade misericordiosa de Deus. A verdade dos fatos deve ser apurada com justiça e transparência, visando o bem da igreja particular e do bispo. Convido a todos os fiéis da Igreja a permanecermos unidos em oração, para sermos verdadeiras testemunhas do Evangelho."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade