Publicidade

Correio Braziliense

Após assassinato de ciclista, GDF instala postes na Praça do Buriti

Até 16 de abril, 92 postes de iluminação serão instalados em áreas próximas ao Memorial dos Povos Indígenas


postado em 26/03/2018 23:09 / atualizado em 27/03/2018 16:07

Região que engloba Memorial dos Povos Indígenas (à esquerda) e Praça do Buriti é pouco iluminada durante a noite(foto: Breno Fortes/CB/D.A. Press - 8/12/2017)
Região que engloba Memorial dos Povos Indígenas (à esquerda) e Praça do Buriti é pouco iluminada durante a noite (foto: Breno Fortes/CB/D.A. Press - 8/12/2017)


Quase quatro meses após a morte do doutorando da Universidade de Brasília (UnB) Arlon Fernando da Silva, vítima de um latrocínio, o GDF instalará postes de luz na Zona Cívico-Administrativa do DF, por onde o ciclista transitava na noite do crime. 

O Executivo deu início à instalação de 92 postes de luz e 105 novas lâmpadas na região que engloba a Praça do Buriti e o Memorial dos Povos Indígenas. A previsão é de que a iluminação esteja em funcionamento a partir de 16 de abril. 

As obras, executadas pela Companhia Energética de Brasília (CEB), custaram R$ 44.483,38 aos cofres públicos. De acordo com a Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sinesp), a demanda por mais iluminação na área decorreu do assassinato de Arlon Fernando, em 7 de dezembro. 

O jovem de 29 anos pedalava pela região próxima ao Memorial dos Povos Indígenas, entre a Câmara Legislativa e o Palácio do Buriti, quando foi surpreendido por Daniel Sousa de Andrade, que esfaqueou o ciclista e levou a bicicleta. Arlon não resistiu aos ferimentos e morreu no local do crime.

Com informações da Agência Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade