Publicidade

Correio Braziliense

Comunidade de Riacho Fundo comemora 6 anos do Centro Olímpico

Participantes tiveram momentos de diversão com brincadeiras, dança e recordações sobre as experiências vividas na unidade esportiva


postado em 05/04/2018 12:57

(foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press)
(foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press)
 
 
Mais de mil pessoas participaram nessa quarta-feira (4/4) do aniversário de 6 anos do Centro Olímpico e Paralímpico de Riacho Fundo I. A festa foi realizada em dois períodos, pela manhã e à tarde, para atender alunos e familiares. Uma programação especial foi preparada pela Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer do Distrito Federal e Fundação Assis Chateaubriand. Aulão de hidroginástica para adultos e idosos, pula-pula, brinquedoteca, futebol de sabão, atividade com pipas foram algumas das atrações. aulão de samba com os passistas Isabella Teles e Flavinho Sambista do Grêmio Recreativo Cultural Carnavalesco Unidos do Riacho Fundo I.

Numa grande roda humana, equipe pedagógica, alunos e familiares se juntaram para simbolizar um abraço gigante no ginásio. A emoção deu o tom do parabéns, cantado em coro, com direito a muitas palmas e bolo comemorativo. Os participantes ainda terão como lembrança uma foto impressa da festa. Logo na entrada, foi montado um painel para que os alunos deixassem seu depoimento sobre o que o Centro Olímpico representa para sua vida. O impacto social da unidade esportiva foi percebido em mensagens de gratidão, destacando o ganho de qualidade de vida, convívio social e reversão de problemas de saúde, como depressão crônica, hipertensão e obesidade.

Aluna de hidroginástica, Eugênia Fernandes, 43 anos, fez questão de deixar seu bilhetinho no mural e retribuir um pouco do que ganhou nos últimos 5 anos de aulas na unidade. “O Centro Olímpico me proporciona momentos de alegria, encontro com amigos. Amo isso aqui, é onde interajo com todo mundo. Toda festa estou aqui. Meu filho fazia basquete, e só parou porque completou 18 anos. Foi ótimo quando esteve aqui, só tenho a agradecer.”

Boas experiências

Quem também deixou uma mensagem foi Mariana Nunes Dias, 7 anos, aluna de desenvolvimento motor. “O Centro traz muitas experiências legais e alegria. Me faz divertir”, disse a pequena, com um sorriso no rosto. O colega Samuel Victor Campos, 11, curtiu soltar pipas na festa e lembrou as boas histórias que viveu no futsal e em eventos comemorativos. “Gosto muito de vir, jogar bola, encontrar os amigos. Os professores são legais. Já evoluí bastante, participei de vários campeonatos e venho em todas as festas. São bem animadas”, comentou.

Para Terezinha de Jesus Costa da Cruz, 69, aluna de atividade física orientada, o Centro é sua segunda casa. “Isso aqui representa muita coisa para mim, alegria, felicidade, amizade, amor pelos professores. Eles deixam a gente com um astral bem legal. Tenho muitas amigas, participei de passeios, competições. Sem contar que o centro realizou um sonho meu, que era ver de perto a seleção brasileira feminina de futebol. Nunca vou esquecer disso.”

Resultados gratificantes

Um profissional que acompanhou a história do Centro Olímpico e Paralímpico de Riacho Fundo I desde antes da inauguração foi Alex Sandro Queiroz, hoje gerente didático pedagógico da unidade e membro da equipe da Fundação Assis Chateaubriand. “Cheguei em março de 2012, antes de o centro abrir as portas para a comunidade. Já houve uma evolução muito positiva, temos aqui uma família, tanto dos professores, quanto da comunidade, com alunos, pais. Fico muito feliz por estar aqui e ver esse crescimento, esses desafios, muitas mudanças positivas. Acompanhamos muitas histórias de vida, desde pessoas que se tornaram atletas, até outras que, depois de chegar no COP, melhoraram a qualidade de vida. Esses dias uma senhora veio me dizer que perdeu peso e está contente com tudo o que acontece desde que chegou aqui. É gratificante”, observa Alex.
 
Atualmente coordenador de pessoas com deficiência, Luciano Costa também já passou por muitos momentos marcantes, desde o início do COP. “O Centro representa uma das histórias da minha vida. Foram 6 anos de muita dedicação, de muita alegria. Muito bom poder passar um pouco do que a gente sabe para os alunos. Eles me trouxeram muito aprendizado. Aprendi muito com as crianças. A gente acompanha o desenvolvimento, cada passinho, cada simbolismo, é super importante para eles. O grande barato é a gente poder olhar no rosto dessas famílias, dessas crianças, dos idosos, e ver como é importante todo o trabalho que a gente desenvolve aqui. É super gratificante ver a alegria deles, pessoas que eram depressivas, não praticavam esporte, e até a melhora física.”
Responsável pela gestão administrativa do COP, o diretor Eude Santos ressalta a abertura da unidade para atender tanto famílias carentes quanto outras que têm melhores condições financeiras. “O Centro agrega muito como ponto de encontro. Famílias se encontram, crianças se divertem e abre também o apetite esportivo de crianças e adolescentes. Quanto aos adultos e idosos, existe uma grande família aqui, que recebe atenção dos professores. O Centro traz mais saúde, e dá mais anos de vida. Muitas pessoas com deficiência não tinham acesso ao esporte e aqui no Centro Olímpico encontram isso. Esse programa é fantástico.”

Parceria pelo esporte

Em parceria com a Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer do Distrito Federal, a Fundação Assis Chateaubriand é responsável pela gestão pedagógica de 7 dos 12 Centros Olímpicos e Paralímpicos do Distrito Federal: Ceilândia (Parque da Vaquejada e Setor O), Estrutural, Riacho Fundo I, Samambaia, São Sebastião e Sobradinho. Além das aulas esportivas regulares, são desenvolvidos treinamentos de rendimento, eventos comemorativos e esportivos, além de cursos de qualificação social. Clique aqui para saber mais sobre esse trabalho.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade