Publicidade

Correio Braziliense

Após 4 anos de espera, gêmeo consegue cirurgia no Hospital de Base

Cirurgia durou oito horas e Gustavo passa bem. O irmão, Augusto, terá que esperar 45 dias para passar pelo mesmo procedimento


postado em 26/04/2018 19:23 / atualizado em 26/04/2018 19:23

Gustavo e Augusto nasceram prematuros e com alteração no crânio(foto: Foto: Arquivo Pessoal)
Gustavo e Augusto nasceram prematuros e com alteração no crânio (foto: Foto: Arquivo Pessoal)
Depois de anos de espera, Gustavo da Silva Camargo, 4 anos, que nasceu com craniossinostose, conseguiu ser operado no Hospital de Base. Desde que nasceu, ele estava na fila de espera. O pequeno já havia sido chamado para fazer o procedimento uma vez, mas a operação precisou ser adiada por falta de leitos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A cirurgia ocorreu na manhã desta quinta-feira (26/4) e o menino passa bem.

O procedimento durou oito horas, e Gustavo está internado na UTI, em observação. Ele precisou receber sangue e a família pediu doações pelas redes sociais. A mãe relatou que ele acordou após a intervenção cirúrgica e ficou consciente, falou o nome dele e do irmão gêmeo.
 
Augusto, que também tem craniossinostose, será um dos próximos pacientes da fila de espera a passar pela cirurgia. Os médicos recomendaram que a família espere 45 dias, para que Gustavo se recupere e os parentes possam dar atenção individual. 

Mitchelly Layla, 23, conta que não conseguiu conter a emoção. “Eu chorei de felicidade em saber que conseguimos a primeira cirurgia e deu tudo certo. É um alívio para a família”, relata a mãe, Mitchelly Layla da Silva Camargo, 23. Ela conta que o procedimento vai garantir qualidade de vida para os filhos, com um desenvolvimento mais saudável. 

Gustavo e Augusto têm sangue tipo A+. A mãe ressaltou a importância de doadores, mesmo que não compatíveis, pois os estoques de sangue do hemocentro estão baixos. “Além do Gustavo, outras crianças estão na UTI e precisam de doação de sangue”, acrescenta.
 
* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade