Publicidade

Correio Braziliense

Com a diminuição das chuvas, volume do Descoberto para de subir

Índice do reservatório permaneceu inalterado nos últimos três dias, segundo medições divulgadas pela Adasa


postado em 08/05/2018 18:21 / atualizado em 08/05/2018 18:47

A Barragem do Descoberto, responsável por 64% do abastecimento do DF, está atualmente com 91,6% de sua capacidade(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
A Barragem do Descoberto, responsável por 64% do abastecimento do DF, está atualmente com 91,6% de sua capacidade (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
 
O fim do período chuvoso começa a refletir nos reservatórios de água que abastecem o Distrito Federal. Pelo terceiro dia seguido, o volume da Barragem do Descoberto se manteve parado, depois de meses de elevação constante. Na medição divulgada nesta terça-feira (8/5) pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa), a barragem estava com 91,6% de sua capacidade, mesmo índice registrado na segunda-feira e no domingo. Já o reservatório de Santa Maria também dá sinais de que não deve subir muito mais do que agora. O reservatório registra 57,2%, apenas 0,1% a mais do que na segunda-feira.

O comportamento das barragens, apesar de parecer preocupante, era esperado. A Adasa não tinha mesmo a expectativa de que o Descoberto alcançasse os 100% no fim do período chuvoso, como aconteceu em abril de 2016, última vez que ficou completamente cheio. Na nova curva de acompanhamento do reservatório, responsável por 64% do abastecimento do Distrito Federal, a previsão é que o Descoberto chegue ao fim deste mês com 89,4% de sua capacidade. O gráfico (confira o gráfico abaixo), decai gradualmente até chegar a 21,9% em novembro.
 

A curva de acompanhamento é uma referência para orientar o governo a adotar as medidas necessárias para que a água não acabe no Distrito Federal. Na quinta-feira passada (3/5), o governador Rodrigo Rollemberg anunciou que o racionamento será encerrado em 15 de junho. Um dia depois, o presidente da Adasa, Paulo Salles, explicou que isso não significa que outros tipos de medidas serão adotadas para manter as barragens em níveis seguros — a captação de água por parte da Caesb e de agricultores, por exemplo, continua limitada

Ainda segundo Salles, o comitê responsável pelas políticas de abastecimento fará reuniões mensais para avaliar a situação e pode, até mesmo, decidir pela retomada do racionamento, apesar de ele não acreditar que haverá necessidade. "Nós confiamos que não será necessário. Há muitos elementos que nos permitem essa segurança", disse o presidente da Adasa na ocasião. 


Menor probabilidade de chuva

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o Distrito Federal já se encaminha para o período de seca, com uma possibilidade menor de chuva já este mês, como é característico do outono, que começou em 20 de março. Em junho, com a chegada do inverno, prevê o instituto, as precipitações devem parar totalmente, para só retornarem com frequência em setembro. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade