Publicidade

Correio Braziliense

Mulher do vendedor que matou mãe e filho pode ter escondido arma do crime

Geovana Gomes dos Santos, 32 anos, e o marido, Henrique Monteiro Gonçalves, 33, chegaram juntos à Rodoviária. Duplo homicídio foi motivado por disputa de ponto de venda


postado em 05/07/2018 15:26 / atualizado em 05/07/2018 17:44

(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
A Polícia Civil trabalha para encontrar o casal envolvido na morte de mãe e filho na Rodoviária do Entorno, por volta das 15h de quarta-feira (4/5). Geovana Gomes dos Santos, 32 anos, teria escondido a arma do crime, usada pelo marido, Henrique Monteiro Gonçalves, 33. A suspeita é que o duplo homicídio tenha sido motivado por disputa de ponto de venda na rodoviária. 

O delegado Rogério Henrique Rezende Oliveira, chefe da 5ª Delegacia de Polícia (Área Central), disse que o casal chegou junto à rodoviária. Henrique é o suspeito de efetuar os disparos, que mataram Maria Célia Rodrigues dos Santos, 38, e o filho dela Wellington Rodrigues Santos da Silva, 22, e feriram gravemente a filha e irmã das vítimas, Kerolyn Ketlen Moreira, 19.
 
“O autor chegou e tentou discutir com a Maria Célia, que não deu razão para ele. O Henrique não aceitou e fez o primeiro disparo, que acertou a mãe. Depois, disparou contra Wellington e Kerolyn. As vítimas não tiveram chance de defesa”, afirmou o delegado.

Após cometer o duplo assassinato e a tentativa contra Kerolyn, o casal fugiu. Agentes apuram se Henrique e Geovana deixaram o local juntos, de moto, ou se pegaram um ônibus com destino a Águas Lindas de Goiás e saltaram logo depois, na altura do Buraco do Tatu.

Geovana Gomes dos Santos é considerada foragida pela polícia(foto: PCDF/Divulgação)
Geovana Gomes dos Santos é considerada foragida pela polícia (foto: PCDF/Divulgação)
Ainda na noite de quarta-feira (4/7), duas pessoas foram levadas pela Polícia Militar à delegacia, acusadas de terem escondido a chave do carro de Henrique, um Fiat Doblò verde. Dois vendedores ambulantes foram autuados em flagrante por favorecimento pessoal (quando uma pessoa não tem ligação direta com o crime, mas facilita a concretização do fato). Eles foram liberados.
 
Quem tiver alguma informação sobre o paradeiro dos suspeitos podem fazer denúncia anônima pelo telefone 197, da Polícia Civil.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade