Publicidade

Correio Braziliense

Homem é preso por descumprir medida protetiva em favor da companheira

Segundo a Polícia Militar, ele é investigado pela Polícia Civil de Goiás pelo crime de feminicídio


postado em 11/08/2018 08:51 / atualizado em 11/08/2018 13:19

(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
Um homem de 29 anos foi preso preventivamente na noite dessa sexta-feira (10/8) por descumprir medida protetiva de urgência em favor da companheira. Segundo a Polícia Militar (PMDF), ele é investigado pela Polícia Civil de Goiás por ter cometido um feminicídio na cidade de Cristalina (GO).
 
A prisão foi feita pela polícia do DF após o Juizado de Violência Doméstica e Familiar do Núcleo Bandeirante ter informado que o homem havia colocado em risco a integridade física e psicológica da vítima. Segundo o sargento Pablo Araújo, tanto o agressor quanto a vítima já eram acompanhados há seis meses pelo Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da PM.
 
No início do ano, o suspeito agrediu a então companheira, com quem tem dois filhos, e, depois disso, ela conseguiu que uma medida de proteção fosse expedida. No entanto, o homem teria ido à casa dela, alegando querer ver os filhos. 
 
O agressor foi encontrado em uma distribuidora de bebidas na terceira avenida do Núcleo Bandeirante, local que costumava frequentar, e encaminhado para a 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul), para registro de ocorrência. Segundo o sargento, ele não ofereceu resistência.

Ameaças constantes

Neste ano, já foram registrados em todo o Distrito Federal 19 casos de feminicídio. Em pelo menos nove deles, familiares contam que as vítimas sofriam ameaças constantes dos autores dos crimes. Em seis casos, as mulheres conseguiram medidas protetivas.
 
Foi o caso de Carla Graziele Zandoná, 37 anos, que procurou a Justiça, conseguiu medidas contra o agressor, mas acabou voltando a se relacionar com ele. A mulher morreu após supostamente cair do terceiro andar de um prédio na 415 Sul. A suspeita é de que ela tenha sido jogada pelo marido, Jonas Zandoná, 44 anos,que já havia sido preso por agredir a esposa.

Sem bola de cristal

 
No início de julho deste ano, a operadora de caixa Tauane Morais, 23, foi assassinada a facadas pelo ex-namorado, Vinícius Rodrigues de Sousa, 24, três dias após ele ter sido solto em uma audiência de custódia. Na época, o juiz que tinha ordenado a soltura, Aragonê Nunes Fernantes, do Núcleo de Audiências de Custódia do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) e do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Samambaia, alegou não ter bola de cristal para prever o feminicídio.
 
O criminoso esfaqueou Tauane ao menos 20 vezes e depois tentou suicídio. Ele havia sido preso após uma discussão dos dois em que ele agrediu Tauane, quebrou eletrodomésticos dela, ameaçou matá-la e tentou enforcá-la. Tudo aconteceu na frente do filho do casal, de 2 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade