Cidades

Médica acusada de matar filho sai de ala psiquiátrica e vai para a prisão

Juliana de Pina de Araújo recebeu alta da ala psiquiátrica do Hospital de Base, onde ficou internada desde o crime, cometido em 28 de junho, "devido ao quadro de provável surto que desencadeou os fatos"

Walder Galvão - Especial para o Correio, Sarah Peres - Especial para o Correio
postado em 13/08/2018 21:44
 (foto:  Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Juliana de Pina de Araújo, 34 anos, é suspeita de matar o filho, de 3, e tentar tirar a própria vida, em 28 de junho
A médica de 34 anos suspeita de matar o filho, de 3, e tentar tirar a própria vida recebeu alta da ala psiquiátrica do Hospital de Base. Juliana de Pina de Araújo deve ser transferida, ainda nesta terça-feira (14/8), para a Penitenciária Feminina do Distrito Federal, a Colméia.
O caso ocorreu na noite de 28 de junho, no apartamento onde os dois moravam, na Asa Sul. A médica do Samu é acusada de homicídio duplamente qualificado e teve a prisão preventiva expedida pela Justiça em 29 de junho. Se condenada, pode pegar de 12 a 30 anos de prisão.

No dia do crime, com a criança no coloco e suja de sangue, anunciou que o filho estava morto e que se mataria. O porteiro do prédio a impediu de correr. Ele e um vizinho colocaram a mulher, o menino e a avó dele em um carro, que seguiu para o Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib). Contudo, a criança não resistiu e morreu na unidade hospitalar.
Juliana deu entrada no Hospital de Base no mesmo dia, em estado grave. Ela ficou internada 45 dias na ala psiquiátrica, sob custódia de agentes da 1; Delegacia de Polícia, a responsável por investigar o caso. À época, ficou decidido que ela ficaria na área especializada "devido ao quadro de provável surto que desencadeou os fatos".

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação