Publicidade

Correio Braziliense

Cortejo fúnebre e sepultamento de Roriz acontecem na manhã desta sexta

Corpo do político será enterrado no Cemitério Campo da Esperança às 11h. Velório do ex-governador seguiu durante a madrugada e contou com admiradores que permaneceram em vigília até as 6h, no Memorial JK


postado em 28/09/2018 06:01 / atualizado em 28/09/2018 09:00

Caixão com corpo de Roriz permaneceu no hall do museu, ao lado do escritório de Sarah Kubitschek e da biblioteca de Juscelino(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Caixão com corpo de Roriz permaneceu no hall do museu, ao lado do escritório de Sarah Kubitschek e da biblioteca de Juscelino (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Velado desde as 15h de quinta-feira (27/9) no Memorial JK, o corpo do ex-governador do Distrito Federal Joaquim Domingos Roriz será sepultado às 11h desta sexta-feira (28/9). O enterro será precedido de uma missa, que ocorrerá às 9h no próprio museu. De acordo com familiares, um telão será instalado do lado de fora para acompanhamento do público. De lá, a partir das 10h, o corpo do político seguirá para o Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul, em cortejo fúnebre guiado pelo Corpo de Bombeiros
 
Segundo informações do Centro Integrado de Operação de Brasília (Ciob), a comitiva sairá do Memorial JK pela via S1 até o Palácio do Planalto. Depois, passará pela L4 Sul, no sentido Sul. No fim da via, na altura da Embaixada do Iraque e próximo à Unieuro, o cortejo entrará na Estrada Setor Policial Militar, por onde seguirá até o acesso para o cemitério, nos arredores do Setor Hospitalar Sul. Policiais militares acompanharão todo o trajeto em carros e motocicletas.
 
Entre as 23h de ontem e as 6h de hoje, cerca de 600 pessoas passaram pelo Memorial JK, segundo a segurança do local. O caixão com o corpo de Roriz permaneceu no hall do museu, ao lado do escritório de Sarah Kubitschek e da biblioteca de Juscelino. Pouco antes da meia-noite, a movimentação ainda era grande, com fila de espera alcançando a área externa.

Jaqueline Roriz, filha do ex-governador, acompanhou o velório ao longo de toda a madrugada(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Jaqueline Roriz, filha do ex-governador, acompanhou o velório ao longo de toda a madrugada (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Muitos aproveitaram o horário da saída do trabalho para dar adeus ao ex-governador. O esquema de entrada se manteve restrito a grupos de cinco a dez pessoas. Ao lado do caixão do pai até a manhã de hoje, Jaqueline Roriz recebeu alguns visitantes e chegou a consolar os mais emocionados.
 
Funcionários da empresa Piracicabana aproveitaram o fim do expediente para prestar as últimas homenagens a Roriz. Eles chegaram ao Memorial JK por volta de 1h30. “Ele foi o melhor governador desta cidade. Nunca mais teremos um homem igual a ele”, disse o motorista Wenderson dos Santos Silva, 33 anos. Morador de Ceilândia Sul, o rodoviário relembrou o trabalho do ex-governador. “Ele sempre pensou na gente e melhorou muito nosso trabalho. É um homem que fará muita falta”, lamentou.
 
Joaquim Roriz morreu nesta quinta-feira (27/9), em Brasília, aos 82 anos, em decorrência do agravamento de uma infecção pulmonar. O político passou os últimos momentos de vida ao lado das três filhas e da mulher, Weslian Roriz. Ele estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Brasília desde 24 de agosto. Na quarta-feira (26/9), o estado de saúde de Roriz se tornou crítico e ele não resistiu. Além de companheira e das filhas — Wesliane, Jaqueline e Liliane —, ele deixa quatro netos e um bisneto.

Lembranças e homenagens


O esquema de segurança dentro e fora do museu se manteve durante a noite. Equipes da Polícia Militar e do Departamento de Trânsito (Detran) permaneceram na área para garantir a segurança do velório. Por volta das 2h, o número de admiradores e conhecidos que compareceram ao museu diminuiu, mas um grupo de aproximadamente 20 pessoas seguiu no velório até o amanhecer. Comovidas, elas rezaram e lembraram os feitos do ex-governador ao longo dos quatro mandatos exercidos.
 
Mais cedo, o ex-vice-governador do DF Tadeu Filippelli aproveitou a passagem para manifestar o carinho que sente pelo mentor. "(Roriz) Foi um professor, líder e mestre que tinha uma forma simples de fazer governos, mas com pleno domínio de tudo. (Ele tinha) Uma visão do aspecto social e de administração pública fantástica", disse o político. Candidato a deputado federal do DF pelo MDB, o engenheiro faz referência a Roriz inclusive nas campanhas eleitorais. Segundo Filippelli, “perdas na política normalmente são insubstituíveis, mas a de Roriz fez história”. 
 
Para o auxiliar administrativo Francisco Barbosa, 51, o diferencial de Roriz estava na preocupação com os mais pobres. Morador do Recanto das Emas, ele chegou ao Memorial JK por volta das 17h e pretendia voltar para casa só depois do sepultamento do político. “Tenho uma história com o Roriz. Acompanhei o trabalho dele nas quatro campanhas como um tipo de agitador. Eu sempre estava junto com ele. O Joaquim olhava nos olhos das pessoas, sempre se preocupava com as mais humildes”, contou Francisco.
 
A auxiliar de serviços gerais Silvia Nunes, 64, também decidiu acompanhar o velório e o enterro ao lado do ex-governador. Ela contou que, em Ceilândia, cidade onde mora, o goiano é conhecido como “Pai Roriz” e que conseguiu um emprego graças ao político. “Ele foi muito bom. Transformou a vida de milhares de pessoas. Eu chorei muito. É triste perder alguém que fez tanto pelo Distrito Federal”, lamentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade