Publicidade

Correio Braziliense

Chamado de 'ativista LGBT' por Fraga, juiz quer reparação por danos morais

Para o juiz Fábio Francisco Esteves, Fraga foi 'longe demais' ao insinuar, durante debate na tevê, que sentença contrária ao candidato foi comprada com 'dinheiro do Ibaneis'


postado em 03/10/2018 14:47 / atualizado em 03/10/2018 16:19

Fraga: 'O dinheiro do Ibaneis compra tudo'(foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
Fraga: 'O dinheiro do Ibaneis compra tudo' (foto: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

Novamente criticado por Alberto Fraga (DEM-DF), o juiz Fábio Francisco Esteves, presidente da Associação dos Magistrados do DF (Amagis-DF), disse, nesta quarta-feira (3/10), que pretende levar o candidato ao Buriti pelo DEM à Justiça. O juiz afirma que deseja reparação por danos morais e que vai pedir apuração sobre eventual conduta criminosa.
 
Na terça-feira, durante debate com candidatos ao Buriti na Rede Globo, o deputado voltou a se referir ao juiz, reponsável por uma condenação de Fraga, como "ativista LGBT", afirmou que "anda adivinhando sentença" e que "o dinheiro do Ibaneis (Rocha) compra tudo". "Agora ele foi longe demais", disse Fábio Esteves ao Correio.

"Havia decidido, na semana passada (quando Fraga atacou o magistrado pela primeira vez), que deixaria para tomar qualquer atitude após o pleito eleitoral. Mas o candidato voltou com os ataques de maneira contundente. Afirmou que a sentença dele (condenado a 4 anos, 2 meses e 20 dias de prisão por cobrança de propina) teria decorrido de uma ligação do Ibaneis para que eu acelerasse o processo. Ao dizer que o dinheiro do Ibaneis compra tudo, por consequência, se afirma ele teria chegado a mim", afirmou o juiz.

 
Condenação em setembro

Fábio Esteves, titular da Vara Criminal do Núcleo Bandeirante, condenou Fraga em 24 de setembro(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Fábio Esteves, titular da Vara Criminal do Núcleo Bandeirante, condenou Fraga em 24 de setembro (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Fraga foi condenado por Fábio Esteves, titular da Vara Criminal do Núcleo Bandeirante, em 24 de setembro. O juiz sentenciou o parlamentar baseado no recebimento de R$ 350 mil em propina de cooperativas de transporte, em 2008. Alberto Fraga disse em comícios que a decisão foi tomada com base no "ativismo LGBT" do magistrado. Ontem, em debate na TV Globo, o candidato ao Buriti repetiu as declarações.

"Vi minha orientação sexual reduzida a uma condição de menosprezo, uma motivação mesquinha para poder levá-lo à condenação. Esse ataque atinge também a independência da magistratura. Tenho uma trajetória marcada por reafirmação constante da minha identidade em todos os sentidos e também pelo meu caráter de, enquanto profissional, cumprir deveres institucionais e seguir com o mais profundo respeito à profissão que escolhi. Quero uma reparação por danos morais e vou pedir uma apuração sobre eventual conduta criminosa", disse o magistrado ao Correio.

A defesa de Fraga disse que "é um direito do juiz procurar as reparações". O advogado Fabrício Medeiros, que representa o candidato afirma que "a honra de A, B ou C não foi ofendida no discurso do candidato". 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade