Publicidade

Correio Braziliense

Fátima Sousa promete investir no Saúde em Casa para desatolar hospitais

A candidata do PSol ao GDF destacou a importância de investir na promoção e prevenção da saúde e não economizou ataques ao candidato Ibaneis Rocha por suposto abuso de poder econômico na campanha eleitoral


postado em 03/10/2018 21:34 / atualizado em 03/10/2018 22:15

Fátima Sousa (PSol) também criticou o modelo de gestão do Hospital de Base adotado pelo governador Rollemberg(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Fátima Sousa (PSol) também criticou o modelo de gestão do Hospital de Base adotado pelo governador Rollemberg (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

Candidata pela primeira vez ao governo do Distrito Federal nas eleições de 2018, a enfermeira e professora Fátima Sousa, 57 anos, priorizou apresentar propostas ligadas à saúde pública no último debate televisivo antes de domingo (7/10), dia do primeiro turno das eleições, transmitido pela TV Brasília e pelo Correio Braziliense nesta quarta-feira (3/10). 

A candidata ao Palácio do Buriti pelo PSol enfatizou a importância de investir na promoção e na prevenção da saúde por meio do programa Saúde em Casa. O objetivo, segundo ela, é tirar as pessoas das filas e dos corredores dos hospitais. Nas oportunidades que teve para falar sobre saúde pública, Fátima Sousa ainda criticou o modelo de gestão do Hospital de Base adotado pelo governador Rodrigo Rollemberg (PSB) na gestão vigente e disse que retornaria "o hospital à gestão pública". 

Outro ponto que ganhou destaque na fala de Fátima Sousa durante o debate foi o ataque ao candidato Ibaneis Rocha (MDB) com acusações de abuso de poder econômico, que o candidato teria feito durante a campanha eleitoral. A enfermeira e professora também apontou que a solução para a mobilidade urbana na região é fazer do metrô um eixo estruturante em que todos os outros modais estarão interligados com bilhetes únicos e afirmou que enfrentará os cartéis existentes no sistema de transporte do Distrito Federal, caso seja eleita governadora. 

Nascida em São José da Lagoa Tapada (PB), Maria Fátima de Sousa é enfermeira, doutora em ciências da saúde pela Universidade de Brasília (UnB), com pós-doutorado concluído no Canadá também na área de saúde. A candidata, que é ainda mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), ressaltou as premiações recebidas por projetos e estudos ligados à saúde ao dizer que foram resultados do serviço que ela prestou e que está disposta a colocá-lo à disposição para governar o Distrito Federal.




Saúde em Casa

"Nós não vamos investir apenas em hospital. O hospital tem o seu lugar no sistema, mas ele não é o lugar único. Nós temos de voltar com o projeto de saúde em casa, que significa investir na prevenção e promoção da saúde, fazer com que as pessoas não precisem ir ao hospital e que, se precisar ir, ele esteja ligado em rede. Em vez de lotar os hospitais, vamos trazer o Saúde em Casa, significa que o médico, enfermeiro e agentes comunitários de saúde vão visitar as famílias e fazer as ações de prevenção. Quando eu digo canteiros da saúde, estou dizendo que vamos tirar as pessoas da fila e dos corredores nos hospitais." 


Hospital de Base do DF

"Você (Rollemberg) sabe que o modelo do Hospital de Base não é o modelo do setor público. Quando você diz que a ação pública, ou seja, que as pessoas estão lá e que não pagam pelo serviço, é correto, mas você precisa explicar à população que você transferiu uma responsabilidade para terceiros. Você teve muitos acertos, mas espero que diga agora que, na saúde, não vai repetir o erro que fez com o Hospital de Base. E tenho, inclusive, o sonho de ouvir você dizer que vai trazer o Hospital de Base de volta para a gestão pública."

Acusações a Ibaneis 

"O Ibaneis Rocha (MDB) não tem autoridade para governar o Distrito Federal. Ele está abusando do poder, sim, pois hoje (3/10) circulou um vídeo em que ele está comprando as pessoas, está usando a inocência dessas pessoas e não está pagando. Imagina, se ele não está pagando hoje quem está bandeirando nas ruas, como vai ser o calote não só dos servidores depois? Eu, como professora, e o povo tem cobrado você (Ibaneis) em relação ao abuso de poder econômico, porque o MDB votou para manter a velha política que o senhor diz que é nova, embora você saiba que não seja nova. Então, mais do que abusando do poder, o senhor está subestimando a inteligência do Distrito Federal"

Processos judiciais  

"Tenho muita vergonha de participar deste processo que os prováveis, que já estão dizendo que estão eleitos por estarem na frente da pesquisa, dizem que vão governar sem nenhuma autoridade para isso porque são todos processados e outros abusando do poder, pois acha tranquilo que vai comprar as casas das pessoas. Isso, em país civilizado, a cassação dele já teria sido feita imediatamente. Ele nem estaria aqui presente." 

Mobilidade urbana 

"A mobilidade pública não veio para receber lucro e, sim, para servir à população. A mobilidade no Distrito Federal está um caos. Eu mesma usei o metrô quando fiz a Faculdade de Ceilândia. No nosso programa, o metrô é o eixo estruturante. Todos os outros modais estarão interligados não só com bilhetes únicos, que, segundo o Rodrigo Rollemberg, ele andou fazendo, eu não sei se ele fez de verdade."

Cartel no transporte

"Vamos rever esses contratos das empresas de transportes coletivos da nossa cidade. Vamos enfrentar os cartéis com toda a autoridade que nós temos, com toda a condição que temos como gestoras públicas. Volto a dizer que transporte público é para servir à população, de forma segura, sem atravessamento de nenhum especulador, principalmente de quem quer usar das pessoas para ter lucro. Então, espero que a Eliana Pedrosa, se eleita for, que não use das empresas dela para fazer com que seus familiares e amigos tenham lucro não só em função dos transportes, mas por meios de políticas públicas da nossa cidade. Transporte público não é lugar para se ter lucro."

Relação com o PT

"O meu partido não é costela do PT. Todos vocês sabem que o PSol foi construído por não acreditar mais em um conjunto de propostas que o PT tinha. Isso não quer dizer que, com as nossas divergências programáticas, a gente não possa sentar na mesa e dialogar. Não tenho nenhum problema de falar que fui do Partido dos Trabalhadores, ajudei a criar o PT na sua origem, tenho muito orgulho do que aprendi nele, mas saí quando vi que meu sonho não cabia mais lá. Mas saí de cabeça erguida, saí com minha coerência e com minha decência."

Fake news 

"Além de ficar atento às notícias, é preciso saber que há candidato que fica implantando informações das mais perversas. No caso da Marielle, por exemplo, o Alberto Fraga foi humilde. Ele disse que a Marielle devia morrer mesmo e, daqui a pouco, se retirou. Então quem faz isso, na minha opinião, não tem autoridade para governar o Distrito Federal." 

Assista ao debate na íntegra:

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade