Publicidade

Correio Braziliense

"Votar em Jair Bolsonaro é patriotismo e não oportunismo", diz Rosso

Além de declarar o apoio ao "colega de Câmara", Rosso aproveitou para explorar temas como economia e transporte no último debate antes das eleições


postado em 03/10/2018 21:28 / atualizado em 03/10/2018 21:29

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
No último debate entre os candidatos ao governo do Distrito Federal, promovido pelo Correio e pela TV Brasília, nesta terça-feira (3/10), o candidato Rogério Rosso (PSD) reafirmou o apoio ao candidato a Jair Bolsonaro. Questionado sobre o oportunismo político da decisão, Rosso respondeu: "Votar no Jair Bolsonaro é patriotismo e não oportunismo". 

 

O apoio de Rosso diverge do seu partido PSD, que se manifesta nacionalmente a favor do candidato Geraldo Alckmin. "Reitero que pela minha convicção pessoal o melhor caminho para o Brasil é Jair Bolsonaro", afirmou o carioca.

 

Além de declarar o apoio ao colega de Câmara, Rosso aproveitou para explorar temas como economia e transporte. Um dos projetos citados por ele foi a regionalização do IPTU. "No meu governo, parte do IPTU vai ficar na cidade, ou seja, a própria comunidade vai decidir onde investir os recursos e os impostos que ela mesma paga", prometeu.

 

Durante o debate e nas considerações finais, Rosso aproveitou para citar o seu governo de 2010 no DF, o qual ele define como “momento mais crítico do ponto de vista político”. Rosso foi eleito de forma indireta pela Câmara Legislativa do DF, no período entre 19 de abril de 2010 e 1º de janeiro de 2011, após José Roberto Arruda, então chefe do executivo, ser afastado do cargo.

 

O candidato, que está em quinto lugar com 8% na última pesquisa divulgada pelo Ibope nesta quarta-feira (03/10), fez um alerta aos eleitores. “Não se deixe induzir por pesquisas compradas. A maior desmoralização da história de alguns institutos de pesquisa se dará no dia 7 a partir de 17h”, 

 

Apoio a Bolsonaro

“Votar no Jair Bolsonaro é patriotismo e não oportunismo. Neste momento, meu partido nacionalmente apoia o Geraldo Alckmin, mas nos estados temos a liberdade de fazer apoiamentos. E eu com muita tranquilidade, dadas as circunstâncias do cenário nacional, reafirmei meu apoio a Bolsonaro ontem no debate da Rede Globo, mas já tinha dito isso anteriormente. Diante do atraso do PT ou do avanço do Brasil, eu, com toda tranquilidade, conheço o Jair, meu colega de Câmara dos Deputados, e fico com ele.”

Antipetismo 

“Nunca apoiei a Dilma e nunca votei no PT na minha vida. Quando eu fui eleito pela população do DF, quase 100 mil eleitores, eu já assumi a liderança do meu partido, e como líder do meu partido, que fazia parte da base, fui um dos que mais discordei da política econômica do governo da Dilma e também discordei da política econômica do governo do Temer. 

 

Meu primeiro partido foi o PMDB. No meu governo em 2010, o partido fez uma aliança com o PT e, exatamente por nunca ter votado no PT, eu sai e refundei o PSD, partido em que Juscelino Kubitschek foi eleito para reconstruir o país e construir o DF.”

Estagnação da campanha PT em Brasília

“O PT passa por um desgaste natural de alguns anos para cá. Aqui no Distrito Federal sempre houve no passado uma polarização entre vermelhos e azuis. Esse ano, temos uma campanha absolutamente atípica na medida em que temos diversos candidatos das mesmas origens do passado. É um desgaste natural do próprio PT.”

IPTU

“Defendo muito a autonomia financeira das cidades. O que é isso? É regionalizar o IPTU. Hoje, o IPTU pago em qualquer cidade, por exemplo em Ceilândia, vem pro caixa central e é distribuído para obras e outras cidades. No meu governo, parte desse IPTU vai ficar na cidade. Ou seja, a própria comunidade vai decidir onde investir os recursos e os impostos que ela mesma paga. 

 

Cada cidade tem sua especificidade, sua vocação, tanto econômica quanto cultural. Isso é muito importante.  Eu, quando governador em 2010, mandei um projeto para Câmara Legislativa, criando esse fundo progressivo de autonomia financeira para as administrações. Em 2010, a gente já percebia que a descentralização e a autonomia gerencial eram importantes. É muito injusto que o IPTU do morador de Santa Maria vá para o Lago Sul construir uma calçada. Nós precisamos corrigir isso rapidamente e farei isso nos primeiros dias do meu governo.”

Lago Paranoá

“O Lago paranoá é de todos e o seu acesso, já estabelecido em várias áreas comuns, precisa sempre ser melhorado e recuperado. Eu como parlamentar coloquei emendas para recuperação do Parque Veredinha em Brazlândia, está em obras, é uma questão histórica para a cidade. Eu também coloquei emendas para o Parque do Setor O. 

 

No meu governo, a questão da orla do Lago Paranoá foi colocada pelo próprio Ministério Público em uma reunião, e eu divergia da legislação, que falava que seria necessária a desobstrução das residências que ali estavam há anos na beira do lago, mas o lago é de todos.”

Lazer 

“Cada cidade tem sua vocação turística e de lazer e precisamos fortalecer isso. Por isso a descentralização é muito importante. O que nós precisamos é sempre criar condições para toda população do DF, não só no Lago Paranoá , mas em cada cidade do DF para recuperar e fortalecer os equipamentos de lazer. Isso é muito importante. Vamos dar continuidade a essa questão e eu como parlamentar tenho destinado minhas emendas para isso.”

Crise hídrica e agricultura

“Vários partidos aqui sempre criticaram o governador Roriz. Só que são essas obras do governador Roriz que estão sendo fundamentais para a nossa e para a futura geração, como por exemplo Corumbá. 

 

A questão dos agricultores é muito importante. Tantos os médios e grandes do Padef quanto os pequenos de Boa Esperança e outros locais estão muito carentes de transporte, patrulhas mecanizadas e patrulhas agrícolas. Eu vou implantar em cada comunidade rural uma patrulha com trator e caminhão para que cada comunidade possa desenvolver ainda mais sua atividade”

Defesa da família cristã 

“Ninguém é melhor do que ninguém nessa vida e pela constituição somos todos iguais perante a lei. Minha chapa é da tolerância, mas acima de tudo uma chapa da família cristã. Defendo a família cristã e as igrejas acolhem com muito carinho qualquer pessoa. Cada um tem suas convicções e valores e eu defendo os valores da família, a vida e a absoluta defesa contra o aborto. Essa questão de gênero nas escolas também é um absurdo. 

 

Eu não estou aqui para agradar um ou outro eleitor. Estou aqui para defender o que acredito como princípio e para mim o princípio da família cristã é muito importante. Todos nós temos a nossas convicções e quando eu digo que a dignidade da pessoa humana está acima de tudo é porque ela está acima de tudo. Todos terão tratamento, do ponto de vista do governo, com a máxima atenção, independente das suas opções.”

Corrupção

“No meu governo, eu vou priorizar sempre ficha limpa, competência, honestidade e capacidade de diálogo. Em 2010, quando entrei no governo, a Secretaria de Saúde era totalmente de um partido político e eu simplesmente tirei esse partido da secretaria. Chamei uma secretária sanitarista, Dra. Fabíola, dei a ela carta branca e avançamos muito como PDPAS e outras áreas.”  

Economia 

"O orçamento do DF é de 42,5 bilhões e meio, conforme a retificação do governo na última vez que lançou a lei orçamentária. Dos quais 14,5 bilhões do fundo constitucional para segurança, saúde e educação e 27 bilhões de outras receitas. A receita tributária do DF foi de 16.500 em 2018 uma projeção de 16.700. É um erro clássico porque nosso PIB está projetado para 2% e isso vai ser suficiente para dar a terceira parcela do reajuste, reajuste da Polícia Militar, paridade da Polícia Civil e dos Corpo de Bombeiros e os novos planos de carreira para todos os servidores."

Transporte público

“Precisamos rever emergencialmente essas tarifas que o atual governador aumentou duas vezes sem nenhuma justificativa transparente para mostrar para a população porque o fez. Por isso, no meu governo vou rever a licitação e as tarifas aplicadas hoje para a população.

 

Qualquer que seja o vencedor deste pleito deve reavaliar o preço da tarifa e pedir para o governo mostrar porque teve dois aumentos nos últimos dois anos. Inclusive com esse subsídio que conseguiria resolver parte da questão da saúde. E melhorar a cada dia o transporte coletivo.

 

Eu vejo cidades como Sobradinho e Planaltina com uma urgência de implantar o BRT e a necessidade urgente de uma interbairros porque o tráfego está muito complicado. De fazermos uma conexão com entorno de um BRT de Luziânia ligando Santa Maria e outras obras para que a gente possa sempre priorizar o coletivo.”

Carreira política

“Fui governador em 2010, no momento mais crítico da história do Distrito Federal, do ponto de vista político. Em 2016, fui presidente da comissão do impeachment no momento mais difícil da política brasileira. E agora, em um momento de crise absoluta de serviços públicos, eu coloco meu nome à disposição com a nossa experiência e humildade.”

Pesquisas eleitorais

“Não se deixe induzir por pesquisas compradas. A maior desmoralização da história de alguns institutos de pesquisa se dará no dia 7 a partir de 17h, quando Brasília saberá porque esses números estão colocados hoje para induzir o seu voto.” 

Assista à íntegra do debate: 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade