Publicidade

Correio Braziliense

Músico agride a mulher e é preso por Maria da Penha e posse ilegal de arma

Agressão ocorreu numa casa da Península dos Ministros, no Lago Sul. A Polícia Militar encontrou um revólver e munição no local. O agressor foi enquadrado na Lei Maria da Penha e por posse ilegal de arma de fogo


postado em 01/12/2018 09:07 / atualizado em 01/12/2018 23:14

(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)

Mais uma mulher rompeu o silêncio e denunciou o companheiro por violência doméstica no Distrito Federal. O caso aconteceu na QL 12 do Lago Sul, região nobre conhecida como Península dos Ministros. Os policiais militares foram chamados por volta das 22h de sexta-feira (30/11). 

 

Quando eles chegaram ao local, a mulher, uma professora de 41 anos, se identificou como moradora da casa e contou te sido agredida psicologicamente pelo marido, um músico de 45. E que ele havia se trancado no quarto. Os militares encontraram um revólver calibre .38 com 25 balas. O homem não tinha autorização para ter arma.   

 

Os militares encaminharam o agressor para a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), onde ele foi enquadrado nos crimes previstos na Lei Maria da Penha e também por porte ilegal de arma de fogo.  

Outros casos 

Na quinta-feira (29/11), uma mulher foi cruelmente agredida pelo ex-namorado em Taguatinga. Ele a atacou com chutes e socos no hotel onde ela trabalha. As agressões foram registradas pelo circuito interno de TV do estabelecimento. Porém as imagens são tão fortes, que o Correio optou por não divulgá-las em respeito ao leitor. 

 

A vítima foi levada para o hospital e depois para o Instituto de Medicina Legal (IML), onde passou por exames de corpo de delito. O agressor está foragido. A polícia divulgou fotos dele. Quem souber do paradeiro ou tiver informações que ajudem os investigadores a prendê-lo, pode ligar anonimamente para o 193. As denúncias também podem ser feitas pelos telefones do Centro de Polícia Comunitária e Diretos Humanosda Polícia MIlitar: 3910-1349 e 3910-1350, do Ministério dos Direitos Humanos: 100, e da Central de Atendimento à Mulher: 180.

(foto: Reprodução/Câmera de segurança )
(foto: Reprodução/Câmera de segurança )

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade