Publicidade

Correio Braziliense

MP de Goiás investiga denúncias contra João de Deus desde junho

Promotores que investigam o caso darão uma entrevista coletiva nesta segunda-feira, às 10h, para anunciar medidas sobre o caso


postado em 09/12/2018 21:15 / atualizado em 10/12/2018 12:13

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Investigações contra o médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, acusado por várias mulheres de assédio sexual, correm em sigilo desde junho deste ano, confirmou o Correio Braziliense neste domingo (9/12).

O procedimento começou após um ofício da promotora do MP-GO encaminhado ao diretor-geral da Polícia Civil de Goiás, André Fernandes Almeida. Desde então, o trabalho dos agentes da Polícia Civil acontecem em sigilo para preservar as vítimas e evitar exposição indevida ou desnecessária junto ao público. 
 
Promotores que investigam o caso darão uma entrevista coletiva nesta segunda-feira, às 10h, para anunciar medidas sobre o caso. 

 
Centenas de mulheres 

As denúncias se tornaram públicas no sábado (8/12) e, desde então, mulheres de várias partes do país vem procurando veículos de comunicação para contar histórias. Uma moradora do Noroeste, em Brasília, e outra de Valparaíso de Goiás deram seus relatos ao Correio.
 
Na noite deste domingo, o programa Fantástico, da Rede Globo, informou que uma promotora que atua no caso já foi procurada, nos últimos dias, por cerca de 200 mulheres. O programa exibiu o relato de uma mulher que disse ter sido abusada quando tinha apenas 11 anos, o que configuraria estupro de vulnerável. 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade