Publicidade

Correio Braziliense

Pacientes esperam até 10 horas por atendimento de emergência no Hran

Secretaria de Saúde justificou a demora no atendimento por causa da alta demanda de pacientes. Segundo o Hran, seis clínicos estão de plantão, cinco médicos atendem pacientes internados e casos graves no box de emergência


postado em 17/01/2019 14:56 / atualizado em 17/01/2019 16:05

Emergência do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) lotada(foto: Reprodução)
Emergência do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) lotada (foto: Reprodução)
Pacientes que buscam atendimento no Hospital Regional da Asa Norte (Hran) enfrentam uma longa espera nesta quinta-feira (17/1). Doentes com pulseira laranja — casos urgentes com previsão de atendimento recomendado de 10 minutos — esperam até 10 horas para passar pelo médico.

Bruno Alencar Costa, 25 anos, chegou à unidade de saúde com fortes dores no abdômen e passou a noite na sala de espera do hospital, mesmo tendo sido classificado como caso de urgência. Só após mais de 10 horas, o paciente foi medicado com remédio para dor. "Chegamos aqui às 22h de ontem e é a terceira vez que procuramos o hospital e não conseguimos atendimento adequado", comenta a mãe de Bruno, a servidora pública Luísa Alencar Costa, 54 anos. 

Na sala de espera, durante a madrugada, o que se via eram pacientes deitados pelos bancos e no chão, aguardando horas para o atendimento. "É caótico. Pessoas que já passaram por outros locais e classificados com a pulseira laranja têm que esperar amanhecer o dia para passar pelo médico", desabafa a servidora pública.

Todos os pacientes na sala de espera do hospital, inclusive, estão classificados como casos de urgência. O hospital só recebe casos de "extrema urgência". A Secretaria de Saúde justificou a demora no atendimento por causa da alta demanda de pacientes. Segundo o Hran, seis clínicos estão de plantão, cinco médicos atendem pacientes internados e casos graves no box de emergência. E há apenas um médico para atendimento de triagem. 

"A equipe de plantão conta ainda com dois cirurgiões, quatro obstetras e dois pediatras. O atendimento na emergência é lento, devido à grande demanda. O hospital opera além da capacidade, com 77 pacientes internados na emergência", informou, por meio de nota.
 

Paciente sangrando no Gama 


A demora no atendimento não é uma exclusividade do Hran. Um homem desmaiou na porta do Hospital Regional do Gama, na noite de quarta-feira (17/1). Mesmo sangrando, ele não recebeu atendimento. Indignados com a situação, outros pacientes filmaram a cena. “Na porta do hospital, o cara está caído, sangrando e ninguém ajuda e disse que ninguém pode pegar para poder levar para socorrer. O que vão fazer com esse homem aqui? Ele vai morrer aqui? Está sangrando e muito”, relatou a pessoa que grava o vídeo.

No sétimo dia de gestão, o governador Ibaneis Rocha assinou um decreto declarando situação de emergência na Saúde pública do DF. O documento permite fazer compras sem licitação, autoriza a realização de horas extras pelos servidores e libera o governo para pleitear verba federal com a União.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade