Publicidade

Correio Braziliense

Médico acusado de deformar cerca de 40 pacientes é solto pela polícia

Wesley Noryuki Murakami também é investigado pela PCGO. Em liberdade, ele não pode voltar a exercer a medicina até o fim do processo ético a que responde no Conselho Regional de Medicina


postado em 22/01/2019 14:22 / atualizado em 22/01/2019 16:27

Wesley Murakami é acusado de deformar várias pacientes no DF e em Goiás(foto: Arquivo Pessoal )
Wesley Murakami é acusado de deformar várias pacientes no DF e em Goiás (foto: Arquivo Pessoal )
O médico Wesley Noryuki Murakami foi solto pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) após cumprir prisão temporária de 30 dias, acusado de deformar pacientes durante a realização de procedimentos estéticos. A suspeita dos investigadores é a de que ele tenha feito mais de 40 vítimas. O Conselho Regional de Medicina do Distrito Federal (CRM-DF) suspendeu a licença de Murakami até o fim das investigações, que também ocorrem em Goiás.
 
De acordo com a Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Propriedade Imaterial e a Fraudes (Corf), a prisão do médico aconteceu para a coleta de provas nas clínicas e residência de Murakami, sem que o material pudesse ser destruído. Ele estava detido desde 21 de dezembro.
 
À época, agentes cumpriram cinco mandados de busca e apreensão, por meio da Operação Dismorfia — em alusão ao modo que o rosto das vítimas ficaram após os procedimentos médicos. Foram apreendidos diversos materiais, como medicamentos, prontuários e computadores. Desde a prisão de Murakami, a Polícia Civil do DF recebeu duas novas denúncias contra o profissional.
 
Ver galeria . 10 Fotos Arquivo Pessoal
(foto: Arquivo Pessoal )
 

Apesar de estar em liberdade, o médico não poderá exercer a função. Caso ele não obedeça a decisão, será preso novamente. Isso porque, em 19 de dezembro, Murakami foi "interditado cautelarmente" pelo CRM. Portanto, não pode exercer a medicina até a decisão de mérito da investigação do processo ético. Ele também responde a uma sindicância que corre em sigilo processual.
 
Na 4ª Delegacia de Polícia de Goiânia, investigadores apuram a atuação de Murakami. A corporação recebeu 14 denúncias sobre os procedimentos profissionais do médico e aguarda laudos do Instituto Médico Legal que indicarão a gravidade das lesões das vítimas. O inquérito permanece em sigilo. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade