Publicidade

Correio Braziliense

Filho baleado pelo pai na 316 Norte respira com máscara de oxigênio

Régis do Carmo Corrêa Maia, de 46, passou por um procedimento cirúrgico para retirada de bala do ombro. O estado de saúde dele é estável, mas não há previsão de alta


postado em 29/01/2019 11:38 / atualizado em 29/01/2019 23:00

Apesar de sucesso nos procedimentos médicos, estado de saúde ainda é delicado(foto: Arquivo Pessoal)
Apesar de sucesso nos procedimentos médicos, estado de saúde ainda é delicado (foto: Arquivo Pessoal)
Régis do Carmo Corrêa Maia, 46 anos, baleado pelo próprio pai, Ranulfo do Carmo Filho, 72, no apartamento da família, na 316 Norte, segue internado no Hospital de Base. Ele passou por cirurgia para a retirada de um projetil que estava no ombro. No total, ele foi baleado quatro vezes. 

Após o procedimento, Régis ficou lúcido e consciente, mas sua pressão baixou e foi preciso controlar o quadro com medicação. Segundo o Correio apurou, ele respira com o auxílio de uma máscara de oxigênio, mas sem muitas dificuldades. Devido a uma fratura nas costelas, os médicos solicitaram uma radiografia de tórax.
 
A vítima foi transferida da ala vermelha para a Unidade de Terapia Intensiva de trauma, onde é acompanhada. O estado de saúde de Régis está estabilizado e ele está consciente. Apesar da melhora, não há previsão de alta. 
 
Após a tragédia, que acabou no feminicídio da mãe de Régis, Diva Maria Maia da Silva, 69, assassinada pelo pai dele, o servidor público foi socorrido em estado grave. Lá, ele contou a um policial civil que havia decidido não aceitar mais aquela situação. 
 
A rotina de violência que Ranfulfo do Carmo, preso em flagrante desde segunda-feira (28/1), impunha a Diva Maria Maia, foi confirmada ao Correio por uma amiga da família. "Ele batia nela, e o Régis defendia muito a mãe. Nem a comida dela o marido dava. Ele (Régis) era louco com a mãe. A mãe já era uma senhora de idade", desabafou uma pastora evangélica, comadre de Régis — que é padrinho do filho dela. 
 
Em audiência de custódia realizada ainda na manhã desta terça-feira, a Justiça decidiu pela prisão preventiva de Ranulfo, que responderá por feminicídio, tentativa de homicídio e posse ilegal de arma de fogo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade